segunda-feira, 27 de setembro de 2021

VIRADA DE PÁGINA VII

Papel jornal, couché, off-set, polén, reciclado, kindle ou pdf

Coincidentemente as três últimas HQs que li possuem algum tipo de “espera” no título: “NÃO ERA VOCÊ QUE EU ESPERAVA”, “A ESPERA” e “EI, ESPERA”. Além das designações (e as “esperas” em tons de azul nas capas) são trabalhos densos, reflexivos, humanos e absolutamente possíveis. Em “Não Era Você Que Eu Esperava”, do francês Fabien Toulmé, acompanhamos as dúvidas e temores de um pai (o próprio autor) de uma criança com Síndrome de Down. Sem apelar para sentimentalismos ou romantizar demais a questão, temos um relato honesto que vai do “luto” à aceitação. No manhwa “A Espera”, somos apresentados a uma mãe que anseia reencontrar o filho, separados na Guerra da Coreia, após setenta anos. Da premiada sul-coreana Keum Suk Gendry-Kim – autora de “Grama” sobre as coreanas escravizadas pelo exército Imperial japonês para servirem de (desculpe o eufemismo canalha) “mulheres de conforto” durante a Segunda Grande Guerra. Já em “Ei, Espera”, do norueguês Jason, um evento trágico ainda na infância perseguirá o protagonista por toda sua vida. Apesar de utilizar personagens antropomórficos para ilustrar sua narrativa, a melancolia será um elemento presente em boa parte da publicação. Um soco no estômago é um clichê que não consegui evitar. Lamento pelos leitores, e não são poucos os que eu conheço, que consideram o formato em quadrinhos algo inferior ou até mesmo infantil. Estão se privando de uma experiência espetacular com essas três obras. 


segunda-feira, 20 de setembro de 2021

CONTÉM SPOILER VIII

Aquele filme que eu te falei

Sci-fi, filosofia, quadrinhos, animes, religião, artes marciais, cyberpunk, distopia, tecnologia, sociedade, Lewis Carroll, cinema de Hong Kong... São diversos os temas abordados em Matrix (1999), – o que nos possibilita, sem exagero, atentar para novas camadas em qualquer reexibição. Não é difícil, inclusive, traçar paralelos com a nossa realidade (realidade?), manipulados por algoritmos e cada vez mais dependentes das máquinas. O filme ditou, involuntariamente, os rumos da cultura pop para o século que se aproximava; da moda aos games, nada permaneceu ileso. O triunvirato formado por Neo, Trinity e Morpheus é frequentemente referenciado, ícones que sobreviveram ao retrato de uma época, embora Switch, interpretada pela australiana Belinda McClory, tenha despertado maior interesse com o transcorrer dos anos, personagem que teria gêneros diferentes dentro e fora da Matrix, uma alegoria sobre aceitação da própria identidade, ideia recusada pelo estúdio, porém hoje seria absolutamente bem-vinda e necessária. Gostaria de ter pinçado, como é comum nessa seção, uma cena de Matrix para ilustrar algum raciocínio, mas acabaria escrevendo uma crítica (o que não é a intenção aqui). Restaram apenas essas anotações. 

Siga o coelho vermelho! 


segunda-feira, 13 de setembro de 2021

SOCIAL DISTANCIAMENTO VII

Diários da pandemia ou notas perdidas nas páginas ociosas de uma velha agenda


 

(Janeiro, 2021)


De repente alguém pressionou “continue” e o jogo prosseguiu, melancolicamente.
“Nothing changes on New Year's Day”.


(Fevereiro, 2021)


Amigo coach, lembro que você afirmou naquela laive que falta de tempo não é desculpa, que o tempo é a gente quem faz (mesmo que o tempo não exista) e que basta a gente querer (querer é realmente poder, amigo coach?), que é possível ser feliz (felicidade foi o tema de outra laive, eu sei), que é imprescindível ter hábitos saudáveis, sucesso profissional, praticar exercícios físicos com regularidade, manter uma boa alimentação, ser o amigão da vizinhança, participar de projetos sociais, conservar a casa organizada e a despensa em dia, viver seu relacionamento amoroso intensamente, viajar, frequentar lugares agradáveis, ser politicamente engajado, cuidar da família, levar o cachorro para passear, cultivar algum hobby, maratonar aquela série que estão todos comentando, ser bem informado e nem um pouco alienado, ter vida social, continuar estudando, ser vaidoso e não deixar de se amar, se preocupar com o outro e com a natureza, ler alguns capítulos daquele livro antes de dormir e, principalmente, se preservar mentalmente equilibrado, em paz consigo e com o mundo. 

Amigo coach, sinceramente, mas prefiro fazer escolhas e conviver bem com elas, sem obrigações ou esse sentimento de fracasso que você assegura que ocorrerá ao final do dia se eu não tiver riscado todas as atividades que listei na agenda no começo da manhã. A areia da ampulheta já é bastante cruel, amigo coach, não seja cruel também.

 

quarta-feira, 8 de setembro de 2021

VIRADA DE PÁGINA VI

Papel jornal, couché, off-set, polén, reciclado, kindle ou pdf

Na era dos “cancelamentos”, da bem-vinda desmitificação dos ídolos, em que qualquer deslize ético, legal, moral ou até mesmo divergência ideológica é suficiente para ser banido das prateleiras, dos serviços de streaming, da memória afetiva, do feed do Instagram, uma figura controversa feito o Batman consegue sobreviver sendo um dos maiores símbolos da cultura pop, alvo constante de campanhas que acusam o playboy milionário de tentar resolver os seus  traumas violentamente, com métodos questionáveis, em sua desajustada galeria de vilões – tornando-se, muitas vezes, mais psicopata que o maior dos prisioneiros do Asilo Arkham. Mas o Cavaleiro das Trevas é mais do que isso. Em Batman: Ego (escrita e ilustrada por Darwin Cooke, certamente uma das melhores histórias do personagem), a batalha é travada longe de planos maquiavélicos, vilões megalomaníacos ou sobrenaturais, após um incidente que fará o Homem-Morcego questionar a necessidade de um vigilante mascarado no combate ao crime, teremos um duelo psicológico entre o id e o superego. Em apenas sessenta páginas os holofotes focarão apenas em Bruce e Batman, o debate entre essas duas personalidades distintas, quase como uma peça teatral, trará memórias, feridas, dores e medos à tona. Revelando, para quem ainda não tinha percebido, que o seu maior adversário em pouco mais de oitenta anos sempre foi ele mesmo.

segunda-feira, 30 de agosto de 2021

NO TOCA-FITAS DO MEU CARRO VII

Porque sou o meu próprio Mariozinho Rocha

Passei cinco anos sem atualizar meu blogue, nesse período o que não me deixava esquecer que ele existia eram as notificações, que de quando em vez chegavam, com novos comentários, principalmente na postagem AS PIORES CANÇÕES DE RAUL SEIXAS, até hoje minha publicação mais acessada. Em sua maioria eram comentários bélicos, como é de praxe na internet, que nunca me incomodaram de verdade, achava até engraçado. Pela seleção das músicas e textos informativos, acreditava que estaria evidente que a postagem só poderia ter sido realizada por um conhecedor e admirador da obra de Raulzito, mas nem todo mundo possui capacidade interpretativa mínima. Outras pessoas insistiam para que eu fizesse um contraponto listando as melhores na minha opinião, talvez para comparar com o seu próprio gosto ou apenas apontar que estava faltando ou sobrando algo. Enfim, resolvi selecionar onze faixas, das que estão disponíveis nesse momento no Spotify. Teria incluído, certamente, “Trifocal”, gravada por Tony & Frankye em 1971, com produção e uma participação inusitada do próprio Raul na gravação; além de “O Príncipe Valente”, gravada pela carioca Luiza Maria no álbum “Eu Queria Ser Um Anjo”, de 1975, parceria com Paulo Coelho. 

 


quarta-feira, 25 de agosto de 2021

CONTÉM SPOILER VII

Aquele filme que eu te falei

Devo ter assistido à Beleza Americana (American Beauty, 1999) no distante ano dois mil (ou talvez em dois mil e um) na solidão do meu antigo quarto em Santo Amaro da Purificação. É provável que aquele espectador imberbe não tivesse bagagem para perceber certos elementos apresentados, sendo mais fácil se deslumbrar com facilitações narrativas como uma sacola plástica levada pelo vento. Mas ao rever o filme agora, cerca de vinte anos depois, a forma como as mulheres são retratadas na película causou uma espécie de incômodo. A esposa neurótica e obsessiva que tenta escapar das suas frustrações profissionais em um caso extraconjugal, a adolescente desajustada e insatisfeita com o próprio corpo que cede ao assédio do vizinho esquisito, a Lolita sexy e ingênua idealizada pelo protagonista. Imagino que “Beleza Americana” não seja uma experiência tão confortável para a plateia feminina na atualidade, muito mais consciente do seu papel social, fazendo com que o filme não passe incólume pelo crivo do tempo.

 

terça-feira, 24 de agosto de 2021

CONTÉM SPOILER VI

Aquele filme que eu te falei 

 

Um militar colecionador de armas, violento, intolerante, conservador, simpatizante do nazismo e homofóbico. Esse é o Coronel Fitts, pai de Ricky, o cinegrafista traficante de “Beleza Americana” (American Beauty, 1999). Se a figura do coronel me parecia à época excessivamente caricata, embora servisse bem ao propósito da obra, hoje assemelha-se assustadoramente com a realidade. A artificialidade do sonho americano, a narração sarcástica de Lester Burnham (Kevin Spacey inspiradíssimo), o humor cínico do texto… Diversas eram as lembranças mais marcantes. Agora, ao reencontrar o filme, perdido no catálogo de um desses serviços de streaming, me chamou a atenção o aviso de Ricky a Lester para nunca subestimar o poder da negação. E é exatamente essa negação que vai desencadear a atitude de um reprimido Coronel Fitts, fechando o arco do defunto autor que afirmou no início da exibição que em menos de um ano (ou quase duas horas depois) estaria morto.

terça-feira, 17 de agosto de 2021

SOCIAL DISTANCIAMENTO VI

Diários da pandemia ou notas perdidas nas páginas ociosas de uma velha agenda


(Novembro, 2020)

De quando em vez, reencontro algum conhecido que se perdeu no labirinto do tempo nesses desvios das chamadas redes sociais ou me deparo com alguém que admiro a espera de um simples clique para seguir. Termino não clicando. Meus perfis não possuem atividade, nada que posso oferecer em retribuição; também não costumo distribuir laiques ou comentários. Nem como voyeur da vida alheia eu sirvo. Tem dias que até sinto vontade de compartilhar qualquer coisa, nem que seja um efêmero “storie”, um trecho de livro que considerei pertinente, uma fotografia antiga da cidade das minhas infâncias, o sorriso do meu filho, uma canção… São tantas notícias ruins que se avolumam e se atropelam diariamente que publicar algo que não seja uma indignação vem carregado de um sentimento de culpa – a indiferença é praticamente um crime. Enquanto desisto de postar, um mero instante de tranquilidade sem aplausos, sem plateia, sem curtidas, sem julgamentos acontece no meu coração.



(Dezembro, 2020)


Nunca me despedi tanto de pessoas como nos últimos meses. O Brasil de Oswald de Andrade agora é mais do que uma simples frase de efeito, é realmente uma república federativa cheia de árvores (por enquanto) e gente dizendo adeus. 

 

quinta-feira, 12 de agosto de 2021

VIRADA DE PÁGINA V

Papel jornal, couché, off-set, polén, reciclado, kindle ou pdf

Determinadas capas de revistas, principalmente dos anos de 1980, são extremamente afetivas para mim, me sensibilizo cada vez que as reencontro pelas avenidas e becos dessa cidade chamada internet. A maioria dessas edições chegavam às mãos da minha infância por meio de empréstimos, lia e relia o máximo que podia até o instante de devolvê-las – o que era sempre um momento doloroso. “Superaventuras Marvel”, “Disney Especial”, a minissérie “Guerras Secretas”, os diversos almanaques (minha preferência pelo custo-benefício), entre outras. No entanto, a que mais me marcou foi a edição nº 01 de Os Novos Titãs, publicada em formatinho pela Editora Abril em 1986; um mix que apresentava a origem do Cyborg e ainda trazia mais duas histórias do universo DC. Devo ter lido algumas dezenas de vezes – mesmo sendo frustrante chegar à última página e me deparar com um “não perca na próxima edição”, continuidade que desejava muito acompanhar, mas não consegui na época. Por algum desvio da memória, não consigo lembrar como obtive essa primeira publicação. Comprado ou ganhado são possibilidades remotas, o mais comum na época eram as permutas. Nenhuma revista tinha lugar cativo na coleção, a leitura de novos trabalhos era a prioridade. Apenas recentemente, voltei a ter contato com esse material através do ótimo encadernado “Lendas do Universo DC – Os Novos Titãs”. Porém o que eu queria realmente era aquela capa. 


quinta-feira, 5 de agosto de 2021

NO TOCA-FITAS DO MEU CARRO VI

Porque sou o meu próprio Mariozinho Rocha

 

Em 1971 Erasmo Carlos dava um passo em sua carreira que não teria mais volta, entre o ídolo juvenil com “fama de mau” a maldito da MPB setentista a distância era mínima e o risco, inevitável. A balada existencialista “É Preciso dar um jeito, meu amigo”, do álbum Carlos, Erasmo, é uma síntese daquele conturbado período no país. Acompanhado de músicos como o guitarrista Lanny Gordin e os mutantes Sérgio Dias, Liminha e Dinho, Erasmo deixava os anos de ingenuidade da década passada, definitivamente, para trás. Observando o Brasil de hoje, não menos sombrio do que aquele de 1971, “É preciso dar um jeito, meu amigo” soa quase como um apelo.

 

quinta-feira, 29 de julho de 2021

CONTÉM SPOILER V

Aquele filme que eu te falei

 

Ruben (Riz Ahmed) é baterista em um duo de noise metal em O Som do Silêncio (The Sound of Metal, 2019), primeiro longa de ficção do americano Darius Marder, que rapidamente começa a perder a audição. Na cena de abertura, somos apresentados a sua banda e toda a fúria do seu ofício em atividade. A solidão do baterista no fundo do palco, a visão ampla de tudo que ocorre a sua frente, o tranquilo domínio da situação. A jornada de Ruben até a emblemática sequência final é desconfortável, inquietante. Sem legendas nos momentos em que os personagens se comunicam através dos sinais, ficamos tão desorientados quanto o protagonista. O design de som é angustiante, mudez e ruídos se confundem. O silêncio aqui não é sinônimo de calmaria, o silêncio aqui é desesperador. No meio do filme, quando todas as cartas já estiverem na mesa, novamente teremos contato com o seu instrumento, sozinho em um motorhome Ruben ataca a bateria e assim como ele, não escutamos nada. Agora não é apenas a agressividade que o estilo musical necessita, é uma raiva genuína, resignação e revolta, uma exteriorização do som através do silêncio. 


quinta-feira, 22 de julho de 2021

SOCIAL DISTANCIAMENTO V

Diários da pandemia ou notas perdidas nas páginas ociosas de uma velha agenda

 

(Setembro, 2020)

Costumo travar diálogos imaginários que não acontecerão tão cedo. Temas polêmicos, filosóficos, amenidades, o trending topic mais quente de todos os tempos da última hora com velhos amigos, conhecidos, colegas de estrada, amigos dos amigos que o acaso coloca lado a lado numa mesa de bar. Mas tudo que resta é a solitude. E um silêncio constrangedor.



(Outubro, 2020)

Era questão de tempo para oficializar minha aposentadoria, precoce dirão alguns, da literatura. Na verdade já tinha parado e não percebi. Meu blogue há tempos não era atualizado, não existia nenhum projeto na gaveta, na cabeça ou vontade de iniciar algo do zero. Longe da superficialidade e glamourização do universo literário, encontrei um alívio que ingenuamente buscava na escrita. Às vezes a rota contrária é o melhor caminho. Escrever é um ato doloroso, exige coragem, determinação e um pouco de teimosia. Meu único entusiasmo agora é ter bons livros para ler.

 

 

domingo, 18 de julho de 2021

VIRADA DE PÁGINA IV

Papel jornal, couché, off-set, polén, reciclado, kindle ou pdf


Wathcmen é uma daquelas unanimidades difíceis de refutar. Sua importância aumenta a cada geração de apreciadores da nona arte – e os antigos leitores, sempre que possível, revisitam a obra e encontram elementos que passaram despercebidos. Definitivamente não é um mero acumulador de poeira na estante. O trabalho realizado por Alan Moore e Dave Gibbons em 1986 é irrepreensível. Personagens como Rorschach, Comediante, Doutor Manhattan, Justiça Encapuzada e Ozymandias são referenciados por motivos diversos. No entanto, se me perguntassem quem eu gostaria de ler ou assistir a uma série própria responderia sem vacilar: Silhouette. Herdeira de uma família aristocrata judia na Áustria, fora obrigada a abandonar seu país depois dele ser tomado pelos nazistas durante a Segunda Grande Guerra. Vivendo nos Estados Unidos em 1939 desbaratou uma rede de pornografia infantil e ganhou as manchetes dos jornais, o que lhe rendeu uma vaga no recém-formado grupo de vigilantes Minutemen. Em 1946 a imprensa revelou que ela mantinha uma relação com outra mulher, um escândalo para a época, o que bastou para Silhouette ser expulsa do grupo e logo depois ser assassinada ao lado da sua esposa por um antigo inimigo. Alguém pensou em HBO?

terça-feira, 13 de julho de 2021

NO TOCA-FITAS DO MEU CARRO V

Porque sou o meu próprio Mariozinho Rocha

  

“A vida não é filme/ você não entendeu”, mas gosto de imaginá-la com música: seja em um mero caminhar no final da tarde ou uma trivial ida ao supermercado. Cada simples ato do meu cotidiano acompanhado de uma trilha sonora. Buzinas, vozes e ruídos na minha estrada substituídos por canções. Quentin Tarantino me daria razão.  



quinta-feira, 1 de julho de 2021

CONTÉM SPOILER IV

Aquele filme que eu te falei


Confundir locais, pessoas, eventos. Oscilação de humor. Apresentar uma personalidade completamente diferente. Agressividade... Quem já conviveu com alguém que sofra de doenças neurodegenerativas dificilmente não irá se identificar com “Meu Pai” (The Father), produção que vai muito além dos clichês do gênero. Anthony Hopkins aos 83 anos de idade, premiado com o Oscar de melhor ator pelo trabalho, realizou o que certamente é sua melhor interpretação. Muito se falou da sequência final, que é arrebatadora – sem dúvidas. Mas vê-lo fingir que não esqueceu, tentando entender e se adequar a um universo particular cada vez mais caótico, me atingiu de uma maneira que eu não imaginava. 


segunda-feira, 21 de junho de 2021

SOCIAL DISTANCIAMENTO IV

Diários da pandemia ou notas perdidas nas páginas ociosas de uma velha agenda

(Julho, 2020)

Sempre busquei a inquietude, o desassossego. Acostumar-se me parecia uma sentença fatal, era algo a ser evitado. Mas de alguma maneira fomos todos obrigados a nos acostumar com a presença inevitável dessa pandemia. Quando entendi isso, gradativamente todos os sintomas começaram a cessar e aos poucos pude retomar o prazer da leitura, da música, dos filmes... A vida voltava a fazer um pouco de sentido.



(Agosto, 2020)


Curiosamente, na minha infância não havia festas de aniversário, nem minhas nem de amigos. Não consigo lembrar de ter ido a nenhuma (desconheço a existência de registros fotográficos em alguma festinha dos anos de 1980 que possam me contradizer). Em minha casa nunca teve, era apenas mais um dia comum. O que era falta de opção, quando adulto, se tornou opção – e mesmo contrariando o desejo de pessoas queridas, e avesso a surpresas, nunca permiti que algum aniversário meu fosse comemorado. No entanto, hoje tudo o que eu queria era a companhia dos meus amigos, familiares e abraços de parabéns. 



terça-feira, 15 de junho de 2021

NO TOCA-FITAS DO MEU CARRO IV

Porque sou o meu próprio Mariozinho Rocha 

 

Tem dias que a vontade de desistir me afaga; em outros, a persistência prevalece e a noite me convida para dançar ao som do sueco Albin Lee Meldau. E seguimos. 


quarta-feira, 9 de junho de 2021

VIRADA DE PÁGINA III

Papel jornal, couché, off-set, polén, reciclado, kindle ou pdf
 
 
Segundo pesquisas realizadas no Japão, um em cada quatro homens solteiros no país nunca teve relações sexuais – número que só vem aumentando. Esse fenômeno é muito bem exposto no mangá-documentário VIRGEM DEPOIS DOS 30 (Editora Pipoca e Nanquim, 2019). Se o início chega a ser cômico os tipos apresentados, extremamente grotescos, aos poucos o riso fácil vai dando lugar à reflexão. Os sentimentos aos oito homens documentados variam entre a piedade e a indignação, mas jamais à indiferença. Em uma sociedade tão competitiva quanto a japonesa sobreviver sendo uma pessoa abaixo dos padrões estéticos e intelectuais impostos não é tão simples como acreditamos que poderia ser. 
 
 

sexta-feira, 4 de junho de 2021

SOCIAL DISTANCIAMENTO III

Diários da pandemia ou notas perdidas nas páginas ociosas de uma velha agenda

 
 
 

(Maio, 2020)


A dormência e os formigamentos agora têm a companhia de suores, vertigem, palpitações, tremores na face, indigestão, sensação iminente da morte e sufocamento. Em um mês utilizo o plano de saúde mais do que nos últimos vinte anos: cardiologista, neurologista, alergologista, gastroenterologista, urologista, oftalmologista, angiologista, oncologista e mais uma bateria de exames sem resultados anormais. 
 
Stress, depressão, transtorno de ansiedade social, síndrome de Burnout, do pânico, do impostor, fobia social. “Quando os antidepressivos e os calmantes não fazem mais efeito”



(Junho, 2020)

“É São João, e eu aqui tão só”


quarta-feira, 2 de junho de 2021

CONTÉM SPOILER III

Aquele filme que eu te falei
 

Aprendi com um grande músico que não importa que o show tenha sido morno, o final deve ser arrebatador (“pra você e eu e todo mundo cantar junto”). Acredito que o mesmo não se aplica ao cinema, uma boa conclusão jamais substituirá uma jornada “morna”, apenas dará ao espectador a convicção de que realmente tinha tudo para ser melhor. No entanto, quando um bom final encontra um bom filme a experiência é completa. No dinamarquês “Druk – Mais Uma Rodada”, temos um desses momentos. O último frame é perfeito, um voo congelado, sem rumo, um “vamos nos permitir”. E eu que sempre considerei bobagem aplaudir uma sessão de cinema, creio que dessa vez não resistiria.

 

sexta-feira, 28 de maio de 2021

NO TOCA-FITAS DO MEU CARRO III

Porque sou o meu próprio Mariozinho Rocha 
 
Molly Sarlé foi uma das poucas cantoras que passei a escutar antes da pandemia e continuei escutando durante. Era praticamente a trilha sonora daqueles primeiros dias. Agora tenho medo de que quando esse terror terminar ela se torne uma lembrança ruim, algo que me remeta automaticamente para uma época que eu apenas quero esquecer. Espero que o mundo aprenda a melhorar e que Molly Sarlé, no futuro, seja uma lembrança doce. 

 





quarta-feira, 26 de maio de 2021

VIRADA DE PÁGINA II

Papel jornal, couché, off-set, polén, reciclado, kindle ou pdf


O Demônio de Hell’s Kitchen sempre foi agraciado com ótimos roteiristas: Brian Michael Bendis, Ed Brubaker, Ann Nocenti, Mark Waid, Chip Zdarsky… a lista é longa. Mas o principal destaque continua sendo Frank Miller, foi ele quem pavimentou toda mitologia do homem sem medo, abrindo caminho para boa parte do que seria feito depois. Vários de seus trabalhos com o Demolidor tornaram-se clássicos dos quadrinhos (A Queda de Murdock, A Morte de Elektra, Roleta Russa, Amor e Guerra, The Man Without Fear, entre outros).

Tenho especial predileção pela edição 179 de Daredevil, de fevereiro de 1982, publicada no Brasil dois anos depois na saudosa Superaventuras Marvel nº 20. A história narrada em primeira pessoa pelo repórter investigativo Ben Urich chamou minha atenção ainda na infância. Com ares de literatura noir e sem seres superpoderosos, aquela crônica urbana me apontou outras possibilidades no universo das HQs, algo bem diferente do que eu estava habituado. Ainda sinto pela morte (naquele momento) do velho jornalista do Clarim Diário no desfecho da edição. Malditos cigarros. 



terça-feira, 18 de maio de 2021

SOCIAL DISTANCIAMENTO II

Diários da pandemia ou notas perdidas nas páginas ociosas de uma velha agenda


(Março, 2020)

Saíram os primeiros decretos autorizando o trabalho em home office. O que seria temporário vai se tornando permanente a cada semana de prorrogação. As notícias se atropelam sem nenhum sinal de alento, enquanto um expediente de oito horas se arrasta pelo dia todo. Da varanda, observo a rua e a praça desertas sem seus habituais praticantes de caminhadas, crianças correndo ou cães passeando. Um angustiante e eterno domingo. No elevador o aviso de um caso confirmado no condomínio, o medo do outro só aumenta. Formigamento e dormência nos pés e nas pernas não cessam, mas não quero dar atenção para isso agora. Não agora. Ir ao mercado ou à farmácia requer estratégia de guerrilha: “que pra nós dois sair de casa já é se aventurar”.


        
(Abril, 2020)

Adormecer é praticamente uma vitória. As poucas horas de sono são regadas com sonhos inquietantes que me fazem acordar mais cansado do que quando fui deitar. Em um deles as águas cristalinas de um dilúvio cobrem os prédios vizinhos e rapidamente começam a invadir a varanda do 15º andar. Pego a mão do meu filho e em silêncio aguardamos o inevitável. “Where Is My Mind” do Pixies toca aleatoriamente no despertador. 



sexta-feira, 14 de maio de 2021

CONTÉM SPOILER II

Aquele filme que eu te falei
 
 
A repetição temporal não é novidade no universo cinematográfico, o exemplar mais célebre acredito que seja “Feitiço do Tempo” (Groundhog Day, 1993). Nesse filme Bill Murray interpreta um arrogante meteorologista de um canal de TV que passa a reviver todos os acontecimentos de um mesmo dia até finalmente se redimir do seu comportamento egocêntrico e, definitivamente, melhorar como pessoa. Uma divertida lição de moral com sabor de sessão da tarde.

Já em “Dois Estranhos” (Two Distant Strangers, 2020), vencedor do Oscar de melhor curta-metragem de ficção, Carter é um jovem cartunista bem-sucedido, descolado, gentil, carismático, espirituoso e tantos outros adjetivos que não fica difícil entender porque simpatizamos com o personagem. No entanto, nenhuma dessas qualidades é o suficiente para impedir que ele seja assassinado estupidamente em uma abordagem policial desnecessária e cheia de equívocos e acordar novamente no início do que parecia ser um ótimo dia – algo que se repetirá dezenas de vezes com idêntico e trágico desfecho. Talvez eu tenha esquecido de mencionar que Carter é negro e o policial branco, mas não temos aqui um embate maniqueísta gratuito. A discussão é muito mais complexa. Ser negro é viver em um eterno loop, tendo que provar todos os dias o que você é e principalmente o que você não é. Uma dinâmica extremamente cansativa.
 
 

terça-feira, 11 de maio de 2021

VIRADA DE PÁGINA I

Papel jornal, couché, off-set, polén, reciclado, kindle ou pdf

 

Às vezes me pergunto se foi difícil crescer em Royal City... ou se foi simplesmente difícil crescer

O canadense Jeff Lemire é dos autores de HQs mais profícuos de sua geração. Frequentemente publicado no Brasil, seus trabalhos transitam entre o mainstream das grandes editoras ao cult das publicações autorais. Em Royal City: Segredos em Família (Editora Intrínseca, 2020), os elementos que o tornaram famoso, como a vida nas pequenas cidades e as relações humanas, estão amplamente presentes. Na história uma família é acompanhada pela presença do caçula que morreu misteriosamente anos atrás. Para cada membro ele aparece com uma idade e personalidade diferente: a criança ingênua, o adolescente rebelde, o homem religioso e o bêbado inconsequente. A cidade decadente de Royal City é praticamente personagem dos dilemas familiares que permeiam a obra. Quem vem do interior, definitivamente, carrega uma Itabira ou Santo Amaro no peito. 

Enquanto a série não é finalizada, fico na torcida para que algum dia se torne uma produção televisiva – de preferência pela HBO.  

 

sexta-feira, 7 de maio de 2021

NO TOCA-FITAS DO MEU CARRO II

Porque sou o meu próprio Mariozinho Rocha 

 

Sem a grife de um Caetano Veloso, Gilberto Gil ou Chico Buarque, o santo-amarense Roberto Mendes é um dos compositores mais gravados por sua conterrânea Maria Bethânia. Presente em sua discografia desde a gravação de “Filosofia Pura” (no disco Ciclo, 1983) com raras ausências desde então.

Seleção na playlist “Maria Bethânia Canta Roberto Mendes” no Spotify. 


quarta-feira, 5 de maio de 2021

SOCIAL DISTANCIAMENTO I

Diários da pandemia ou notas perdidas nas páginas ociosas de uma velha agenda
 
 

Dezembro, 2019

Em meio a confraternizações o receio quanto ao novo vírus é cada vez maior. Inicialmente parecia ser algo quase inatingível, distante da nossa realidade. Agora parece cada vez mais próximo. Feiques nius e relatos catastróficos se misturam com memes supostamente engraçados sobre a “ameaça chinesa”. Os fogos artificiais nunca soaram tão tristes.

            

Janeiro/Fevereiro, 2020

Férias e aquela tradicional distância dos festejos carnavalescos ditam o começo do ano. “Trouxe um vinho para você” é a mensagem de amigos que acabam de retornar de uma Europa afetada pela pandemia. Começo a tomar as primeiras medidas de prevenção mesmo sem nenhum protocolo definido pelas autoridades de saúde. “Deixe de paranoia” é o comentário mais frequente que escuto nesses dias. Ainda não fui buscar aquele vinho. 



terça-feira, 27 de abril de 2021

CONTÉM SPOILER I

Aquele filme que eu te falei

 

Não se discute que o gol é o grande momento do futebol, assim como não existe gol feio. Para o torcedor todo gol é importante: de bico, canela, mão, contra, impedido. Mas uns gols acabam sendo mais importantes do que outros. Aquele lance em que você narra a jogada antecipando a melhor possibilidade, como se falasse diretamente para o jogador o que ele deve fazer (dribla, segura, passa, vira para a esquerda, cruza) e que magicamente começa a acontecer até desembocar em um grito de gol que acordaria não só a sua casa, mas a vizinhança inteira é um exemplo comum.
 
Já um filme é construído de vários momentos impactantes, no entanto um bom final pode ser vibrante feito o gol da virada nos acréscimos do segundo tempo. Em “Jojo Rabbit” (direção Taika Waititi, 2019) um solitário garoto de apenas dez anos tem Hitler como amigo imaginário. Um dia ele descobre que sua mãe esconde uma jovem judia no sótão da sua casa. Questionada por Jojo o que ela faria quando acabasse a guerra, Elsa simplesmente responde: dançar. Com o término dos conflitos, quando finalmente consegue colocar os pés fora do seu esconderijo, ela inicia timidamente passos de dança em silêncio no meio da rua. Aos poucos os passos ganham mais força, enquanto os primeiros acordes de “Heroes”, de David Bowie, vão ficando cada vez mais reconhecíveis ao fundo. O volume da canção aumenta com a dança e eu dentro do cinema só desejava que o filme concluísse ali, na gaveta. O aparecimento dos créditos foi o gol de placa esperado.

O mundo vai acabar e ela só quer dançar.

 

Jojo Rabbit Cena Final

 

Related Posts with Thumbnails