terça-feira, 17 de agosto de 2021

SOCIAL DISTANCIAMENTO VI

Diários da pandemia ou notas perdidas nas páginas ociosas de uma velha agenda


(Novembro, 2020)

De quando em vez, reencontro algum conhecido que se perdeu no labirinto do tempo nesses desvios das chamadas redes sociais ou me deparo com alguém que admiro a espera de um simples clique para seguir. Termino não clicando. Meus perfis não possuem atividade, nada que posso oferecer em retribuição; também não costumo distribuir laiques ou comentários. Nem como voyeur da vida alheia eu sirvo. Tem dias que até sinto vontade de compartilhar qualquer coisa, nem que seja um efêmero “storie”, um trecho de livro que considerei pertinente, uma fotografia antiga da cidade das minhas infâncias, o sorriso do meu filho, uma canção… São tantas notícias ruins que se avolumam e se atropelam diariamente que publicar algo que não seja uma indignação vem carregado de um sentimento de culpa – a indiferença é praticamente um crime. Enquanto desisto de postar, um mero instante de tranquilidade sem aplausos, sem plateia, sem curtidas, sem julgamentos acontece no meu coração.



(Dezembro, 2020)


Nunca me despedi tanto de pessoas como nos últimos meses. O Brasil de Oswald de Andrade agora é mais do que uma simples frase de efeito, é realmente uma república federativa cheia de árvores (por enquanto) e gente dizendo adeus. 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente apenas se leu a postagem.

Related Posts with Thumbnails