quinta-feira, 29 de julho de 2021

CONTÉM SPOILER V

Aquele filme que eu te falei

 

Ruben (Riz Ahmed) é baterista em um duo de noise metal em O Som do Silêncio (The Sound of Metal, 2019), primeiro longa de ficção do americano Darius Marder, que rapidamente começa a perder a audição. Na cena de abertura, somos apresentados a sua banda e toda a fúria do seu ofício em atividade. A solidão do baterista no fundo do palco, a visão ampla de tudo que ocorre a sua frente, o tranquilo domínio da situação. A jornada de Ruben até a emblemática sequência final é desconfortável, inquietante. Sem legendas nos momentos em que os personagens se comunicam através dos sinais, ficamos tão desorientados quanto o protagonista. O design de som é angustiante, mudez e ruídos se confundem. O silêncio aqui não é sinônimo de calmaria, o silêncio aqui é desesperador. No meio do filme, quando todas as cartas já estiverem na mesa, novamente teremos contato com o seu instrumento, sozinho em um motorhome Ruben ataca a bateria e assim como ele, não escutamos nada. Agora não é apenas a agressividade que o estilo musical necessita, é uma raiva genuína, resignação e revolta, uma exteriorização do som através do silêncio. 


quinta-feira, 22 de julho de 2021

SOCIAL DISTANCIAMENTO V

Diários da pandemia ou notas perdidas nas páginas ociosas de uma velha agenda

 

(Setembro, 2020)

Costumo travar diálogos imaginários que não acontecerão tão cedo. Temas polêmicos, filosóficos, amenidades, o trending topic mais quente de todos os tempos da última hora com velhos amigos, conhecidos, colegas de estrada, amigos dos amigos que o acaso coloca lado a lado numa mesa de bar. Mas tudo que resta é a solitude. E um silêncio constrangedor.



(Outubro, 2020)

Era questão de tempo para oficializar minha aposentadoria, precoce dirão alguns, da literatura. Na verdade já tinha parado e não percebi. Meu blogue há tempos não era atualizado, não existia nenhum projeto na gaveta, na cabeça ou vontade de iniciar algo do zero. Longe da superficialidade e glamourização do universo literário, encontrei um alívio que ingenuamente buscava na escrita. Às vezes a rota contrária é o melhor caminho. Escrever é um ato doloroso, exige coragem, determinação e um pouco de teimosia. Meu único entusiasmo agora é ter bons livros para ler.

 

 

domingo, 18 de julho de 2021

VIRADA DE PÁGINA IV

Papel jornal, couché, off-set, polén, reciclado, kindle ou pdf


Wathcmen é uma daquelas unanimidades difíceis de refutar. Sua importância aumenta a cada geração de apreciadores da nona arte – e os antigos leitores, sempre que possível, revisitam a obra e encontram elementos que passaram despercebidos. Definitivamente não é um mero acumulador de poeira na estante. O trabalho realizado por Alan Moore e Dave Gibbons em 1986 é irrepreensível. Personagens como Rorschach, Comediante, Doutor Manhattan, Justiça Encapuzada e Ozymandias são referenciados por motivos diversos. No entanto, se me perguntassem quem eu gostaria de ler ou assistir a uma série própria responderia sem vacilar: Silhouette. Herdeira de uma família aristocrata judia na Áustria, fora obrigada a abandonar seu país depois dele ser tomado pelos nazistas durante a Segunda Grande Guerra. Vivendo nos Estados Unidos em 1939 desbaratou uma rede de pornografia infantil e ganhou as manchetes dos jornais, o que lhe rendeu uma vaga no recém-formado grupo de vigilantes Minutemen. Em 1946 a imprensa revelou que ela mantinha uma relação com outra mulher, um escândalo para a época, o que bastou para Silhouette ser expulsa do grupo e logo depois ser assassinada ao lado da sua esposa por um antigo inimigo. Alguém pensou em HBO?

terça-feira, 13 de julho de 2021

NO TOCA-FITAS DO MEU CARRO V

Porque sou o meu próprio Mariozinho Rocha

  

“A vida não é filme/ você não entendeu”, mas gosto de imaginá-la com música: seja em um mero caminhar no final da tarde ou uma trivial ida ao supermercado. Cada simples ato do meu cotidiano acompanhado de uma trilha sonora. Buzinas, vozes e ruídos na minha estrada substituídos por canções. Quentin Tarantino me daria razão.  



quinta-feira, 1 de julho de 2021

CONTÉM SPOILER IV

Aquele filme que eu te falei


Confundir locais, pessoas, eventos. Oscilação de humor. Apresentar uma personalidade completamente diferente. Agressividade... Quem já conviveu com alguém que sofra de doenças neurodegenerativas dificilmente não irá se identificar com “Meu Pai” (The Father), produção que vai muito além dos clichês do gênero. Anthony Hopkins aos 83 anos de idade, premiado com o Oscar de melhor ator pelo trabalho, realizou o que certamente é sua melhor interpretação. Muito se falou da sequência final, que é arrebatadora – sem dúvidas. Mas vê-lo fingir que não esqueceu, tentando entender e se adequar a um universo particular cada vez mais caótico, me atingiu de uma maneira que eu não imaginava. 


Related Posts with Thumbnails