sexta-feira, 10 de agosto de 2012

JORGE

      Há algum tempo, encontrei em um sebo de Salvador algumas edições de Jorge Amado devidamente autografadas, provavelmente vendidas por algum familiar que herdou a biblioteca, mas não enxergava naquele monte de livros utilidade, vai saber. O engraçado é que nem mesmo o esperto vendedor se deu conta de que aqueles rabiscos eram do próprio autor, em diferentes períodos, resultado: comprei cada um por cinco reais.
      Tenho uma espécie de fetiche por livros autografados para terceiros, para pessoas que não conheci. Reservo uma prateleira especialmente para essas relíquias. Há quem diga que autógrafo só tem validade em um cheque, em uma nota promissória. Outros, dizem que autografar estraga o livro, a capa do disco, e ficam chateados quando são presenteados com um livro “riscado”.
      Será que quando eu for apenas uma fotografia post mortem, quando eu deixar de existir que nem a Bahia de Jorge Amado, a minha coleção irá parar em algum sebo por cinco reais cada?

50 comentários:

  1. Eu acho autógrafo em livro/disco diferente. Tem um significado, uma ligação com o autor, é um "plus".

    O "autógrafo pelo autógrafo", numa folha de papel qualquer, sem personlização, sem nada a dizer àquela pessoa em específico, no automático... eu acho bobo. Simplesmente bobo e vazio. Sem sentido. Gosto das coisas com sentido.

    Sobre Jorge Amado, costumo ver aquela cara de "Tá maluco, homem?", quando digo, mas eu acho ele um pé no saco... normalmente a cara vem seguida dum "mas você é baiano, mesmo?" hahaha!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Assim como na postagem sobre os 70 anos de Caetano, seu ponto de vista sobre o centenário de Jorge Amado é absolutamente inusitado e original. Um dia seremos todos um retrato post mortem?

    ResponderExcluir
  3. eu fico me perguntando se os sebos resistirão?


    abraço

    ResponderExcluir
  4. Gosto de livros com dedicatória para terceiros.
    Eu sempre fico imaginando o que leva uma pessoa a se desfazer de um livro c/ uma dedicatória. Se for sem, mesmo que ganho, não vejo problema, mas a partir do momento que tá com uma mensagem que diz um praticamente "não me esquece" de uma outra pessoa pra você... Uma sacanagem!

    abraços XD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Costumos encontrar várias dedicatórias amorosas
      perdidas em prateleiras dos sebos soteropolitanos.

      Excluir
  5. Você comprou esse tesouro, essas relíquias, por cinco reais...

    Vi hoje, nos cem anos de Jorge Amado, uma matéria sobre a exposição da Fundação Casa de Jorge Amado no Largo do Pelourinho, onde relíquias como essas estão expostas, podem ser tocadas, mas só com luvas. Quase fiquei com pena do vendedor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fique com pena não,
      eu comprei por cinco reais cada,
      ele deve ter comprado por cinco reais todos.

      Excluir
  6. Credo, rapaz, isola essa história de foto post mortem! Em vez disso, me conta uma coisa legal: Quantos exemplares da Bravo 159 você autografou pra família? Sobrou algum pra você como lembrança? :) Abraço!

    ResponderExcluir
  7. É impressionante como a evolução da internet não tirou de nós esse sentimento de uma lembrança tão boa como relembrar um livro antigo que lemos há muito tempo.
    E ainda bem que a evolução tão tocou no nosso arquivo morto, quantos livros temos em casa antiguinhos que valem a pena reler? e quando achamos a dedicatória ou autografo, eu particularmente me transporto para aquele momento; recordo que o meu primeiro livro foi O MAGICO DE OZ, ganhei quando entrei para o segundo ano primario e na contra capa assinado pela professora desejando que sempre eu tivesse carinho e apreço pela leitura.
    E assim estamos aqui, grande abraço,
    Nicinha

    ResponderExcluir
  8. Querido Herculano Neto, é sempre uma surpresa te visitar, inusitado,e isso é genial, por isso estou aqui...Já tive um livro autografado pelo Caio Fernando Abreu, o meu favorito, e numa mudança se perdeu, lamento até hoje...Acho compreensivo tua história, afinal neste país não se tem memória, e com isso o livreiro (bocaberta) perdeu, e tu ganhaste, mais do que o pouco valor econômico, o que tu tens não tem preço. E Viva Jorge Amado.
    ps. Tenho lido nos comentários deste blog, e alguns são realmente ótimos, mas sinto um que de não sei o que com relação a ser baiano ou de Santo Amaro...costumo dizer que sou gaúcho por uma questão geográfica, culturalmente não tenho muita identificação...
    ps.2 Meu carinho meu respeito e meu sempre imenso abraço.

    ResponderExcluir
  9. Nossa eu me sentiria a mega star por ter essas relíquias. Nas minhas viagens mentais iria compor um personagem para cada nome citado no autografo:
    Vera Lúcia: Estatura média, cabelos meio grisalhos, roupa cor pastel, unhas roxas, brincos de pérolas, olhos castanhos...
    E assim por diante! Psicótica né rs
    Para não perder sua coleção, por favor, faça um testamento, eu aceito ser a beneficiada.
    É inacreditável como livros deixam de ter valor. Se até os correios elegantes eu guardo pois foi dedicado a mim, um livro com certeza eu guardaria a 7 chaves.
    =)

    ResponderExcluir
  10. Já acho caligrafias uma relíquia.Elas dizem tanto! Dedicatórias me encantam também, imagino histórias através delas. E outra coisa: tenho desconfiado que as preciosidades vão ficando bem baratas, porque já não são reconhecidas, porque as mentes e almas estão empobrecidas, e o lado bom disso é que já encontrei, por exemplo, clássicos (música e literatura) perdidinhos, escondidinhos nas prateleiras com preços inacreditavelmente baixos. O tal "final dos tempos" chegou, ao que parece. Hora de garimpar e comprar pérolas por cinco reais.
    Beijos, Herculano

    ResponderExcluir
  11. O que realmente importa é o prazer que esse garimpo nos sebos lhe proporciona, essas descobertas mágicas, cada livro que você adiciona à sua coleção...
    A eternidade está no prazer que a vida pode nos proporcionar.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Fiquei aqui imaginando a tal de Vera Lúcia no dia em que ganhou o autógrafo...isso daria uma crônica!

    Beijo, Herculano

    ResponderExcluir
  13. Fiquei aqui imaginando a Vera Lúcia no dia em que ganhou o autógrafo...isso daria uma crônica!

    Beijo, Herculano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já pensei muito nessa Vera Lucia,
      tenho outros livros autografados para ela,
      em datas que vão de 1977 a 1994,
      acho que ela não perdia uma noite de autógrafos.

      Excluir
    2. E será que aconteceu o quê para que essas relíquias fossem parar em sebos? Fiquei indignada.

      Excluir
  14. Ah, essa Vera Lúcia merece uma crônica sim...Você folheando livros que ela folheou, com dedicatórias que foram para ela. Quem sabe não leiamos dia desses essa crônica, heim? rs
    Beijos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez Vera Lúcia seja, hoje, apenas
      um retrato post mortem na parede
      de algum sobrado de uma decadente
      e tradicional família baiana.

      Excluir
    2. Talvez...Imaginar-lhe uma vida e um destino é uma tentação.

      Excluir
  15. Quantas Vera's estão por ai ?
    Em pequenos lugares, muitas vezes maltratadas, esperando um par de mãos a tocar ...
    Adorei seu Blog, e estou te seguindo.

    ResponderExcluir
  16. Se quiser vender,
    eu quero comprar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...é por isso que eu digo que ilusão é uma coisa bonita..rs

      Excluir
    2. Adoro ir em sebos, pena que em minha cidade praticamente não tem.. e sebos virtuais nunca serão a mesma coisa, a gente não tem o mesmo acesso.. não pega nem folheia nem tem a oportunidade de permitir aos olhos brilhar.

      Beijos.

      Excluir
    3. Não pergunte que posso
      apresentar um valor.

      Excluir
  17. Adquirir livros autografados por outros, para outros é uma sensação gostosa. Eu, particularmente, fico imaginando se o livro foi presente para um amigo, namorado ou apenas conhecido. Como se eu quisesse saber o significado daquilo. Para mim, autógrafos deixam uma especie de ligação entre o autor e a pessoa que está recebendo o livro, disco. É magnifico! :)

    ResponderExcluir
  18. Eu também faço parte de uma categoria que eu batizei de "guardadores da emoção alheia", porque a emoção de receber uma assinatura de alguém que se admira, é uma condição inefável. Vera deve ter se emocionado muitas vezes, ao menos é assim que sinto diante de alguém que eu admiro. Foi assim comigo diante do António Lobo Antunes e do Mia Couto, e de tantos outros.

    Num sebo em São Paulo, comprei um livro de um professor meu, só porque estava autografado, e nem era o que eu procurava, mas virou desejo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre nos apropriamos um pouco
      dessas emoções alheias.

      Excluir
  19. OI, sou Alba, professora e também tenho um blog, o cronicasalba.blogspot.com. Sobre autógrafos tenho algo a dizer: também teria comprado esses livros de Jorge Amado, como tenho comprado, principalmente se forem autografados. Comprei o livro de Jorge Amado, o infantil A Bola e o Goleiro, eu mesma como pesquisadora organizei o manuscrito dele... como eu ia dizendo, comprei para o meu sobrinho quando era pequeno e lhe disse: Mário, guarde esse livro, um dia ele valerá ouro, uma fortuna, porque está autografado por Jorge Amado e foi J.A. que escrveu para o neto dele... ele então, todo orgulhoso, dizia aos seus amiguinhos da escola: olha , minha tia me deu um livro que vale ouro... e vivia repetindo esta história. Ele tem 22 anos agora e tem o livrinho guardado até hoje. Eu tenho o livro O Sumiço da Santa, outro livro de J.A. entre tantos que organizei os manuscritos, lá na Fundação Casa de Jorge Amado, e este livro foi autografado por Jorge e Zélia Gattai para mim. Abraços, Alba.

    ResponderExcluir
  20. OI, sou Alba, professora e também tenho um blog, o cronicasalba.blogspot.com. Sobre autógrafos tenho algo a dizer: também teria comprado esses livros de Jorge Amado, como tenho comprado, principalmente se forem autografados. Comprei o livro de Jorge Amado, o infantil A Bola e o Goleiro, eu mesma como pesquisadora organizei o manuscrito dele... como eu ia dizendo, comprei para o meu sobrinho quando era pequeno e lhe disse: Mário, guarde esse livro, um dia ele valerá ouro, uma fortuna, porque está autografado por Jorge Amado e foi J.A. que escrveu para o neto dele... ele então, todo orgulhoso, dizia aos seus amiguinhos da escola: olha , minha tia me deu um livro que vale ouro... e vivia repetindo esta história. Ele tem 22 anos agora e tem o livrinho guardado até hoje. Eu tenho o livro O Sumiço da Santa, outro livro de J.A. entre tantos que organizei os manuscritos, lá na Fundação Casa de Jorge Amado, e este livro foi autografado por Jorge e Zélia Gattai para mim. Abraços, Alba.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que felicidade de Mario,
      um dia ele passará este exemplar
      adiante, talvez para um filho.

      Excluir
    2. Sim, provavelmente passará aos seus rebento a lição aprendida com a tia Aba.

      Valeu, vi que visitou meu blog e me deixou um comentário, adorei. Se você se referiu ao meus textos de crônicas quando disse que alguns encontrados na internet são bons, agradeço, se não entendi bem, desculpe, de qualquer forma tomei o elogio para meus textos. Valeu, abração, Alba.

      Excluir
  21. É interessante seu apreço por livros autografados para terceiros. Um autógrafo é uma marca interessante, pois mostra que um tequinho da pessoa ficou ali, impresso através das letras sobre o papel. Está aí algo que a informática subtrai dos livros. Um abraço!

    ResponderExcluir
  22. Quem sabe amigo, quem sabe!!
    No entanto, nessa altura que interessará?!1
    O que importa é o presente, e nesse gostas de ter os livros junto de ti.
    O resto ...
    Abraço, fica bem.

    ResponderExcluir
  23. Espero que os sebos existam até lá... Adoro livros autografados também.

    ResponderExcluir
  24. Bah, que sorte e que bom olho você tem :)
    beijos

    ResponderExcluir
  25. Tanto amor, pena que nem todos sabem.
    Rabiscos cheios de alma que o destino se encarrega de deixar nas mãos certas.
    Livro ganhado sem dedicatória é pior que lingerie 2 números a mais.

    ResponderExcluir
  26. Que bacana!u
    A Vera Lucia deve ter sido ou é uma mulher muito especial!!

    adoro autógrafo e ando sempre com uma maquina fotografica na bolsa... tirei foto na expo Guerra e Paz do Candido Portinari com
    o filho dele..fiquei toda feliz...
    boa semana...bj

    ResponderExcluir
  27. Quem dera fosse ficção: um livro autografado por Jorge Amado, um dos maiores escritores desse país, vendido por cinco reais.

    ResponderExcluir
  28. Olá adorei o blog, parabéns abraços e livro do Jorge Amado é tudo de bom Leila

    ResponderExcluir
  29. Acho poético, acho interessante. Mas minha rinite não permite... Toda vez que invento ir a sebos, ganho dois dias de repouso à base de muito antialérgico.

    ResponderExcluir
  30. Guardo até hoje um desenho e um autógrafo de um professor de artes.Apesar de ele, ser um simples mortal desconhecido, aprendi muito com suas aulas.Imagino um autógrafo de JORGE AMADO, quanto orgulho heim!!!Quem teria desprezado tamanha preciosidade? Ainda bem que caiu agora nas mãos de quem sabe dar o devido valor. O UNIVERSO CONSPIROU.

    ResponderExcluir
  31. Nosaaaaa! Que sorte a sua, a minha maior relíquia dele é um das edições de Gabriela que minha vó tinha e acabou ficando comigo =)

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails