domingo, 13 de março de 2011

NÃO É DA SUA CONTA

 “Como Vai Você?”, de Mário Marcos e Antônio Marcos, é uma canção que sempre me incomodou. Gravada desde os anos 70 por diversos artistas da música brasileira, de Roberto Carlos a Daniela Mercury, de Nelson Gonçalves a Cauby Peixoto, vem, frequentemente, embalando os mais diversos romances e fossas. Mas ao contrário do que aparenta, não se trata necessariamente de uma “canção de amor”: sua melodia adocicada é acompanhada por uma letra extremamente egocêntrica, onde a primeira pessoa conduz e é a razão de ser do discurso. A pergunta do título, seguidamente repetida, não demonstra preocupação no bem estar alheio, é apenas uma possessiva curiosidade, típica de quem não aceita o fim do relacionamento, num tom contraditório e autoritário, a exigir satisfações:

como vai você?
EU PRECISO saber da sua vida

         Sem ter satisfeito seu desejo individualista, o narrador apela para outras artimanhas, como sugerir um portador para a informação requerida:


peça a alguém PRA ME CONTAR sobre o seu dia

          E ao acrescentar o advérbio “só” à frase EU PRECISO SABER, tenta esboçar alguma fragilidade, mas não convence:

Anoiteceu, e EU PRECISO SÓ SABER

         Até quando resolve qualificar o outro, o uso do pronome possessivo é recorrente, não estranharia se eles tivessem escrito um verso como o melhor de você sou eu:
razão de MINHA PAZ já esquecida
que já modificou A MINHA VIDA

         É quase cômica a falsa dúvida levantada, praticamente uma declaração de amor:
nem sei se gosto MAIS DE MIM ou de você

         Os argumentos para a reconciliação são ainda mais egoístas. Não há em nenhum momento interesse no conjunto. A felicidade do casal não existe, é tudo muito unilateral. Chego a imaginar que a musa da canção tenha sido uma boneca inflável:

Vem, que a sede de te amar ME FAZ MELHOR
EU QUERO amanhecer ao seu redor
PRECISO TANTO ME FAZER FELIZ

         “Como Vai Você?” não é uma canção para ser ouvida a dois, ela é opressora, mesquinha, masturbatória. Produto da vaidade de alguém que não sabe o que é amar, e nem o que é sofrer.

65 comentários:

  1. Que enfoque querido amigo.
    Conheço a música há muito e nunca havia pensado dessa forma. Gostei.
    Um grande bj

    ResponderExcluir
  2. kkkk nossa, rachei aqui...rs Bom demais! O título e a imagem então, ótimos! rss. Canção de dor de cotovelo não dá mesmo pra ser ouvida a dois, rs. Nunca gostei dessa música,por isso nunca prestei atenção na letra, mas depois dessa análise, brilhante por sinal, fico aqui a pensar se a coisa não vai mais além, se o "Eu lírico" não sofre de algum tipo de patologia, se não é um caso de obsessão, tipo atração fatal. "Eu", hein!...

    ResponderExcluir
  3. Curiosamente, a sua análise poderia abranger grande parte da poesia lírica, consideradas as diferenças de qualidade e a altura do canto, de Álvares de Azevedo ao Soneto do Amor Maior, do Vinícius de Morais, prevalece sempre o Eu, o egoísmo e o narcisismo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. adorei ver essa musica dessa forma...nunca tinha analisado ela!

    ResponderExcluir
  5. sempre ouvi dizer que gostos, não se discutem- bj

    ResponderExcluir
  6. Especialmente, não sabe o que é sofrer.
    Boa crítica.

    ResponderExcluir
  7. Caramba, abriu meus olhos.
    Nunca tinha visto (ou melhor, ouvido) por esse lado rsrs.
    Olha que eu sempre achei a melodia dessa música muito bonita, principalmente na voz de Daniela Mercury.

    :: Barbara Bahia ::

    ResponderExcluir
  8. um pacto unilateral inquestionável. perfeita dissecação!

    ResponderExcluir
  9. ...hum...sei lá...pra explicar sentimentos,se fala tanta m...
    tanta gente se entendeu,se despediu,se amou,se odiou,ao som desse chororô...

    ResponderExcluir
  10. Carissimo, sua análise sintática é perfeita. A compreensão da palavra deve ser buscada sempre, seja na canção ou no poema. Fenômeno parecido acontece com as músicas internacionais, quando mal sabe-se o que está sendo cantado.

    ResponderExcluir
  11. Caro amigo, postura típica de quem cria expectativas no outro ou para o outro e para si, sem querer entender a natureza impermanente das coisas. Belo contexto crítico, sempre na frente. Forte abraço.

    ResponderExcluir
  12. Não sou fã dessa músicqa não, mas essa análise serve para tantas outras músicas também. Creio que faz parte do estágio da maioria das pessoas, esse amar possessivo, nem diria egocêntrico, porque (qprendi com um professor meu de Psicologia) um ego centrado é positivo (egocentrismo), mas é sempre esse "amar egoísta" que ainda impera. Se eu própria estou livre diso, sei lá, mas tento.
    Verdade é que a maioria das canções populares que ouvimos bate na mesma tecla: rimando dor e amor, sempre. E amar, de verdade, nada tem a ver com sofrer.
    Beijos,

    ResponderExcluir
  13. kkkkkkkkkkkk nunca parei pra observar a ledessa música,que eu na verdade não gosto,rsrs.Beijos.

    ResponderExcluir
  14. mas quem há de ter a coragem de dizer que sabe amar?

    ResponderExcluir
  15. Como vai você? =B
    Confesso que eu já tinha percebido isso, mas não tinha analisado com essa tamanha atenção e criticidade.
    Sempre achei que ciúme e possessão nada tem a ver com o amor. É um sentimento dominante de pessoas inseguras e egoístas.
    Estas coisas todo mundo já sentiu, já até expressei em meu blog, mas não é um sentimento que você deve dar ouvidos. É como os sentimentos negativos que o melhor é deixar passar.
    Adorei a crítica.
    =*

    ResponderExcluir
  16. Não existe 'nós' no "eu te amo".

    ResponderExcluir
  17. Por acaso nunca escutei essa musica no sentido de considerar romantica numa relação.
    Gostei do teu ponto de vista, apesar de talvez sentir que é um pouco exagerado.

    ResponderExcluir
  18. Uhun, esse "Preciso tanto ME fazer feliz" declara a intenção. E ainda tem a ameaça em "Vem, que o tempo pode afastar nós dois", como quem diz "Depois não vá falar que eu não avisei, ok?"...ahahahaha

    Adorei a abordagem, muito mesmo, parabéns!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  19. Pode-se aplicar a tanto texto. Porque com essa música a sua crítica? Abraço.

    ResponderExcluir
  20. O foco no "Eu" é uma das principais caractaerísticas do Romantismo. Aliás, uma das mais fortes, mais acentuadas. Bom, era mais isso.

    ResponderExcluir
  21. É a posse do outro como objeto, descartável, assim como tudo no mundo hoje. Acredite, que até o amor torna-se propriedade. E na música a posse é entendida como puro amor e como se amar realmente fosse assim. Boa sacada!

    Nos jogaram uma forma, pegue quem quiser! Aliás, deixe de pensar quem tiver preguiça e aventure-se numa vida em inércia e incolor.

    Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  22. Já tinha olhado a música sob esse foco. Difícil mesmo amar o outro,de fato, e como disseram outros, podemos observar isso em outras músicas e poesias.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  23. um olhar totalmente inusitado sobre uma canção de amor, mas devo admitir que faz todo o sentido. de amores neuróticos o mundo está cheio.

    ResponderExcluir
  24. Meu Deus...Foi a mesma resposta que eu dei...Interessante coincidência...

    ResponderExcluir
  25. Viva a poesia, em todas as suas cores e formas!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  26. Salve Nelson Gonçalves, Cauby Peixoto, Roberto Carlos e todos aqueles que fazem nossos cotovelos sentirem uma boa dor de fossa boa.

    ResponderExcluir
  27. Não é àtoa que nunca gostei dessa música... sempre em show de calouros.

    Bela e realista interpretação. Todos querer TER. O SER fica par depois...

    bj

    ResponderExcluir
  28. Acho até que já havia pensado sobre tal ponto de vista egoístico da canção, mas nada comparável à profundidade da tua análise... Muito boas as observações: 'inda termina com uma breve análise do que é o amor (só faltou lembrar aquele clássico "Você não sabe amar...")!

    Atualizando-me por aqui, também já ouço muita gente como se a professora do Charlie Brown estivesse comigo conversando... E carnavais são palcos iluminados para a vaidade, a bebedeira e a luxúria: acabou a brincadeira traquinas e sobrou apenas o soçobrar da humanidade foliã desgarrada...

    Muito boas as análises sobre o "pen-drive sacado do cinto de utilidades"! Só não entendi o grau de proximidade (ou de antagonismo) que acabste tendo com o tal mágico, rs: mágicos são bacanas!

    Abração! E apareça nos Morcegos: os últimos 3 'posts' estão entre os teus assuntos favoritos...

    ResponderExcluir
  29. Boa tarde!

    venho conhecet seu espaço e gostei muito!!


    Se prestarmos atenção é evidente a o egoismos de querer matar uma saudade momentanea, uma falta de saber por curiosidade e não por falta!... Enfim... gostei muito!!

    Um forte abraço e se puder, venha conhecer o Alma do Poeta, meu blog!

    ResponderExcluir
  30. oi bom dia gostaria de dizer que seu blog é fantástico parabéns, estou te seguindo se quiser pode me seguir caso goste do meu blog bjs...

    http://lamoremiopersempre.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  31. oi bom dia gostaria de dizer que seu blog é fantástico parabéns, estou te seguindo se quiser pode me seguir caso goste do meu blog bjs...

    http://lamoremiopersempre.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  32. Eita musiquinha, mais mela cueca!
    Mas rendeu um post hilário.

    ResponderExcluir
  33. essa musica é antiga e a letra me agrada, mas nunca havia pensado por esse angulo.

    ResponderExcluir
  34. E viva a poesia em todos as linguas
    adorei
    como ? quando ? onde e por que voce faz poema?
    kis :=)

    ResponderExcluir
  35. Concerteza modificou o meu jeito de ver, ouvir e sentir a música.
    Parabéns Garoto vc sabe o que faz :D

    http://manunatureza.blogspot.com/
    Um abraço

    ResponderExcluir
  36. Meu Deeeus!
    Essa música e simplesmente perfeeeeita!
    Sempre a escuto pela manhã, quando acordo... Sempre!
    Beijos meus

    ResponderExcluir
  37. Hum...você acabou com a música! KKKKK
    Gosto dessa parte:
    Vem, que a sede de te amar ME FAZ MELHOR...
    EU QUERO amanhecer ao seu redor...
    Dessa aqui não:
    PRECISO TANTO ME FAZER FELIZ...rs

    Abraço Herculano!

    ResponderExcluir
  38. Nunca havia pensado dessa forma.
    Parabéns pela análise apuradíssima do discurso da música.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  39. como a maioria aqui, nunca tinha tido esta visão de egocentrismo - mas tb nunca tinha tido nenhuma outra visão. sempre achei esta musica melosa demais - mesmo nos meus muitos surtos de romantismo.
    mas a sua análise é perfeita e me fez pensar no meu próprio discurso. o qto de egocentrismo cada um de nós pode carregar? uma pergunta que nunca me fiz!
    (acho que sou um monte de egocentrismo. só me falta um discurso mais bem elaborado, talvez.)
    ó, foi bom estar aqui. beijo

    ah... por que mesmo vc faz poema?

    ResponderExcluir
  40. Parabéns pela abordagem original da letra de uma das mais belas canções de amor da música brasileira.

    ResponderExcluir
  41. E é a maneira que a maioria das pessoas "sabem" não amar.

    Adorei a reflexão!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  42. "Pegou na veia" heim!
    Tem pessoas que são egoístas demais para poder oferecer um amor verdadeiro onde fazermos o bem para o outro só para vê-lo(a) feliz!
    bjs!
    http://guerradosmundosleka.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  43. Um amigo tweetou o link deste texto e fiquei curiosa, sempre gostei muito dessa canção.
    O título já foi divertidamente impactante, anunciando que algo "contra a maré" deveria vir. E faz todo o sentido.
    Ainda não sei se consigo ouvir a canção e pensar desse jeito, são as lembranças românticas que traem a razão. De qualquer forma sua análise foi excelente.

    Parabéns pelo blog. E obrigada pela visita ao meu! ;)

    Beijos, beijos!
    Ana

    ResponderExcluir
  44. Boa tarde!!

    É, a poesia se faz de saudade, se faz de bom dia, se faz de um boa noite, se faz durante uma briga ou depois de um beijo!

    Poesia é só uma forma mais delicada de confessar o amor.

    Forte abraço!

    Nos encontramos no Alma.

    Vinicius.

    ResponderExcluir
  45. Herculano,o FALCÃO está comemorando cinco meses de vida. Apareça por lá! Será um prazer!
    Abraço bom,

    www.ofalcaomaltes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  46. Dizer o quê depois de tudo isso?
    Realmente fantástico!

    ResponderExcluir
  47. È Realmente seria louco de dizer ou mesmo o tentar dizer depois de tudo isso.. muito bom ...

    Conheça tbm meus escritos

    http://sandrinhopoeta.blogspot.com/

    um abraço.

    ResponderExcluir
  48. Acabou com o letrista...kkk
    Juro que não sei se levo a sério ou não. Mas gostei.

    bj
    Rossana

    ResponderExcluir
  49. Herculano, o teu esfacelar dessa letra é de fato um outro olhar, analisar algumas frases, mostra sim uma faceta egoísta dela, e eu tambem nao a tinha percebido assim, mas raros sao os humanos que nao tem em si essa forte componente, nao defendo ou acuso, talvez seja até um murmúrio para mim mesma...

    Felizes dias repletos de poesias e (a)fazeres poéticos.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  50. Divertida análise :)
    E só depois de disso percebi o narcisismo e o egocentrismo de quem declama a música.
    É típica para masturbação, como fora citado :D

    ResponderExcluir
  51. Poderá não ter sido a primeira vez que venho até seu espaço. Lindo mesmo! não só a estética, que é lindissimo, mas também o que nele coloca. Tudo mesmo muito bom! São escritos que saiem da alma e que faz mexer com outras almas!

    Tudo de bom lhe desejo e voltarei mais vezes aqui. Seja meu seguidor, serei seu também!

    Um abração.

    ResponderExcluir
  52. Suas críticas aguçam o leitor. Creio que outros elementos poderiam ser considerados: a voz do intérprete, no caso, Antônio Marcos, suplantando a própria letra. Não poderiam ter sido as frase ditas em sentido figurado? Ainda: embora na primeira pessoa do discurso, este poderia aplicar-se a qualquer parte da relação... e isto só não sinaliza que se estaria entabulando um reencontro?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  53. ja tinha analisado essa musica, mass nao tao detalhado assim como vc a fez!!
    mtu legal!!
    otima semana pra vc

    ResponderExcluir
  54. Fechadíssimo meu bem, nossa!!!

    Apesar de eu gostar muito da melodia, da forma como é cantada, a letra é detonante mesmo!!!

    Vindo mais ao popular, em Maria Cecília e Rodolfo, sobre a música PSICOPATA dela:

    Quem ama, CUIDA!!!

    :p


    Amei o post, querido!!!

    ^_^•

    Bjinhos ♥

    ResponderExcluir
  55. Estou conhecendo seu blog hoje.
    Um blog que precisa realmente analisar bem a postagem .
    Gostei muito de ler mais gostaria de voltar mais vezes.Estou seguindo vovê fica a vontade para me seguir.
    Uma linda semana beijos,Evanir.
    http://aviagem1.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  56. Muito bom! Nunca parei para analisar esta música e é impressionante como o egocentrismo é evidente. Beijos!

    ResponderExcluir
  57. Passei a gostar dessa música...
    Obrigada! Rs...
    abç

    ResponderExcluir
  58. O que eu queria comentar o Marcantonio já comentou: o egoncentrismo generalizado em letras e poemas românticos.

    Já fui acusado muitas vezes de preconceituoso por não gostar de música brega.

    Mas como gostar de coisas na linha de "Como vai você"?

    Como:

    "pense em mim, chore por mim,
    liga pra mim,/ não, não liga pra ele" (Leandro e Leonardo)

    "se você quer meu amor/ tem que me conquistar a cada dia um pouco mais/ tem que me dar muito amor/ tem que gostar de mim/ e não me contrariar" (Amado Batista)

    "um dia gatinha manhosa/ eu prendo você no meu coração/ quero ver você/ fazer manha então" (Erasmo Carlos)

    "eu não presto mas eu te amo/ eu não presto mas eu te amo" (rico refrão repetido umas seis ou sete vezes na canção... "Eu não presto mas eu te amo", de Roberto Carlos

    e vai por aí afora...

    Abraço

    ResponderExcluir
  59. gosto da música. Sobretudo a citada versão da Daniela Mercury.

    E pergunto, parafraseando uma outra canção, do poeta Cazuza: não é mesmo um prazer egoísta o de cuidar de um outro ser?

    ResponderExcluir
  60. Eita música, como ela me fez devaneiar!
    Realmente, quando não somos correspondidos, preocupamos com nosso "eu", mesmo que isso esteja inconsciente no outro, afinal, queremos "regulrizar" nosso emocional!
    Parabéns pelo blog!
    Quando puder, visite o meu:
    http://divaedevaneios.blogspot.com/

    Abraços!

    ResponderExcluir
  61. perfeito!agora amado só imagino se passar no meu blog kkkkk só jesus na causa!!não na sua na minha

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails