terça-feira, 28 de dezembro de 2010

UMA ÚLTIMA CRÔNICA FRAGMENTADA

      Adeus, ano novo!
     Estive nas páginas da Bravo!, da Piauí, da Cult, mas quase ninguém viu. Para os meus sempre espirituosos amigos, melhor seria se eu estivesse na Caras, talvez essa “honra” me rendesse um desconto no cabeleireiro ou notoriedade na sala de espera do dentista, poderia ter dito para eles que quem lê Caras não vê coração, mas nos poupei do medíocre trocadilho. Inclusive, sei que essas efemeridades não me darão fama alguma - fama é ser reconhecido por meus vizinhos. Por enquanto, ficaria satisfeito se eu descobrisse por que as pessoas ao invés de me desejarem saúde e paz, me desejam sucesso.
        Recortes amarelados de jornais, fotografias, medalhas e cartas de amor se amontoam, desordenadamente, na sala do ego (aquele sorriso na parede não é meu, aquele “eternamente tua” não era para mim). Preciso afastar a mobília, limpar a poeira do meu blog. Este ano, fiz listas de melhores isso, melhores aquilo (muitas sequer me atrevi a publicar). Acreditei num Brasil mais verde, menstruei, fiz epitáfios, canções, pedi outras doses, questionei, me equivoquei, dei o braço a torcer, abri as janelas da minha solidão com vista pro mar, quis ser Paulo César Pereio (agora quero ser Paul Giamatti ou PJ Harvey). A verdade é que escrevo cada vez menos. Não me falta inspiração, não me falta paciência. O problema deve ser ideias e calma demais.
        Anônimo(a), não adianta  me procurar nas entrelinhas, nas cores que uso para enfeitar o meu dia. Creio que já disse algo parecido num poema. Minha vida não é uma película do Almodóvar, talvez nem a de Lara seja. Minha vida está mais para um filme do Todd Solondz, para um conto do Lima Barreto ou para uma canção da Dolores Duran. Meu passado está em branco, meu futuro me condena. Humberto, não há luz no fim do túnel do tempo.
        Quero entardecer numa praia de Saubara.
        Quero minhas manhãs de domingo com Inezita Barroso.
        Novamente, como numa reprise da Sessão da Tarde, não me impressionei com as luzes tristes do natal, com os ornamentos da cidade, com as guirlandas penduradas nas portas dos apartamentos do meu edifício. Certamente, também não me impressionarei com a contagem regressiva ou com os fogos artificiais que celebrarão o funeral de 2010.
        Tenho um planeta no porão que precisa entrar em órbita.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

DIÁRIOS DE CINEMA II


CINEMA 2010: MELHORES FILMES INTERNACIONAIS*

A FITA BRANCA
(Michael Haneke)

O PROFETA
(Jacques Audiard)

PECADO DA CARNE
(Haim Tabakman)

SUBMARINO
(Thomas Vinterberg)

UM DOCE OLHAR
(Semih Kaplanoglu)

UM HOMEM SÉRIO
(Irmãos Coen)

 
MELHOR ANIMAÇÃO


 
PIOR FILME DO ANO





*FILMES QUE ESTREARAM COMERCIALMENTE
OU FORAM EXIBIDOS EM FESTIVAIS OU LANÇADOS DIRETAMENTE EM HOME VIDEO EM 2010

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

DIÁRIOS DE CINEMA

No começo de 2010, resolvi relacionar todos os filmes vistos durante o ano; adicionando datas, locais e impressões causadas (sem formalismos e no calor do momento), além de arrematar a anotação com uma nota que ia de 5 a 10. Até agora, entre cinema e home video, foram 276 filmes (bem menos do que eu gostaria).  Daqueles que estrearam nas salas soteropolitanas poucos obtiveram pontuação máxima, são os que fazem parte da relação abaixo:

CINEMA 2010: MELHORES FILMES NACIONAIS*


(Laís Bodanski)
(Esmir Filho)

(Sergio Bianchi)

(José Padilha)
(Marcelo Gomes e Karim Aïnouz)


PIOR FILME DO ANO

(Fábio Barreto)


*FILMES QUE ESTREARAM COMERCIALMENTE EM 2010

sábado, 11 de dezembro de 2010

2010: DISCOS & CANÇÕES (INTERNACIONAIS)

 DISCOS

EXILE ON MAIN STREET – DELUXE EDITION
(THE ROLLING STONES)

HIGH VIOLET
(THE NATIONAL)

SHADOWS
(TEENAGE FANCLUB)

SHAME, SHAME
(DR. DOG)

STONE TEMPLE PILOTS
(STONE TEMPLE PILOTS)

STÓRIA, STÓRIA...
(MAYRA ANDRADE)

THE SEA
(CORINNE BAILEY RAE)

THE SUBURBS
(ARCADE FIRE)


CANÇÕES




Runaway (The National)






SE DESEJAR ESCUTAR CLIQUE NO TÍTULO DA CANÇÃO

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

2010: DISCOS & CANÇÕES (NACIONAIS)

Minha lista dos discos e canções lançados em 2010. Não os melhores, não tenho essa pretensão, apenas aqueles que mais tocaram no meu som, 
e mais tocaram em mim, durante o ano:

DISCOS

AMIGO DO TEMPO
(MOMBOJÓ)

DO AMOR
(DO AMOR)

ESCREVER-ME, ENVELHECER-ME, ESQUECER-ME
(MESSIAS)

JOURNAL DE BAD
(BÁRBARA EUGÊNIA)

MUNDIALMENTE ANÔNIMO
(MAQUINADO)

SUPERGUIDIS
(SUPERGUIDIS)

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

WOODY ALLEN: 75 ANOS

 “Só há um tipo de amor que dura, o não correspondido”.
_________________________________

75 anos de Woody Allen 
e minha lista dos seus filmes que mais admiro:

ANNIE HALL (1977)
MANHATTAN (1979)
MEMÓRIAS (1980)
ZELIG (1983)
HANNAH E SUAS IRMÃS (1986)
DESCONSTRUINDO HARRY (1997)
MATCH POINT (2005)
Related Posts with Thumbnails