segunda-feira, 11 de abril de 2011

ANTIBIOGRAFIA

           Gosto das minhas cicatrizes, de quem não me entende, de quem acha que me entende. Gosto do meu passado, até quando ele me condena. Gosto de quem me intimida, de descer do salto, de andar descalço, de saudar o inverno. Gosto dos mitos, dos boatos, dos rumores.
           Quem me vê por fora nem imagina o quanto sou profundo. Quem me vê por dentro sequer desconfia o quanto sou raso. Gosto da dúvida, da contradição.
           Eu não sou nada, eu não sou ninguém, essa constatação me permite ser tudo, ser todos. Sem máscaras, apenas sendo eu mesmo, em meu melhor papel.
           Alguém me disse, recentemente, que o que mais o atrai no local onde mora são os carimbos, os rótulos. Os epítetos que se distribuem em qualquer cidade do interior e que são carregados com desvelado orgulho, algo como “Não Sei Quem do Bar da Esquina”, “Fulano, mecânico”, “Beltrano de Dona Zizinha”. Alguns, é verdade, nem tão lisonjeiros assim, mas omito os exemplos. Esse tipo de identificação nunca me seduziu, e se me orgulho é por ser, exatamente, inclassificável.
           Gosto do silêncio das capitais, de ser mais um na multidão, mais um retalho na colcha.
           Gosto dos versos que começam com “sou”, mas que pouco explicam – e na maioria das vezes confundem. Gosto das reticências...

64 comentários:

  1. Somos cheios de incertezas sobre nós! É isso, Herculano.

    ResponderExcluir
  2. E assim somos, verso e reverso. Também gosto das minhas cicatrizes, embora perdoe as feridas e os algozes.

    Abraços.

    PAZ e LUZ

    ResponderExcluir
  3. Gosto dos teus gostos...
    Um grande bj querido amigo

    ResponderExcluir
  4. inevitavelmente poético e interessante.

    ResponderExcluir
  5. E eu gostei da antibiografia...rs


    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Toma, Herculano:

    "Não sou nada.
    Nunca serei nada.
    Não posso querer ser nada.
    À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo".

    Tou vindo da "Tabacaria", incrivelmente estou cansada. Mas toma...

    ResponderExcluir
  7. Sou minha própria contradição. Peixe de cima, peixe de baixo. Coisa de pisciano que não acredita em horóscopo. Gosto da subjetividade das reticências. Uso-as. Gosto daquilo que não sou mas quero ser. Gosto de tentar, gosto de conseguir, e se não conseguir, continuo gostando. Gosto à minha maneira. Mas de tudo, o que mais gosto é de aprender...

    ResponderExcluir
  8. caraca! acho q vc fez uma análise do Bratz ... perfeito ...

    ResponderExcluir
  9. Herculano, nem sei o que comentar, parabéns pela prosa poética tão bem construida. Adorei, principalmente, o fato de ser um retalho na colcha e nao a propria colcha, como muitos dizem ser. E eu moro num lugar onde sou conhecido por ser filho de um professor, sou praticamente sem identidade.

    ResponderExcluir
  10. também gosto do silêncio das capitais. aprendi a gostar quando me mudei para BH.

    abraço

    ResponderExcluir
  11. "Quem me vê por fora nem imagina o quanto sou profundo. Quem me vê por dentro sequer desconfia o quanto sou raso."

    E EU, GOSTO DE ME IDENTIFICAR NAS IDÉIAS ALHEIAS.

    ResponderExcluir
  12. Olá.
    Fazer poesia é conversar consigo mesmo e, eventualmente, deixar essa conversa escapar ao público.

    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Lindo o texto.
    A verdade é que somos todos incompreendidos e isso faz parte de cada um. Somos complicados, mas é por isso que nos tornamos únicos.

    ResponderExcluir
  14. que texto lindo... me identifiquei muito hahaha!

    bejao

    ResponderExcluir
  15. Reconhecer e gostar dos nossos paradoxos nos torna incrívelmente ricos!

    Boa semana pra você!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. ah esses gostares que preenchem o que somos

    beijos

    ResponderExcluir
  17. Gosto do que descreves. e do seu contrário também:)

    ResponderExcluir
  18. gosto de me perder em seus textos. e de ficar buscando alguma saída. e gosto tb das reticências...
    beijo

    ResponderExcluir
  19. Só faltava gostar de beber, e serias o perfeito Bukowski com esta antibiografia. Híbrido, o mais correto, como diz você.
    E eu, posso dizer que gosto de todas essas (pseudo) antíteses.
    Adorei o texto!

    ResponderExcluir
  20. Parabéns pelo seu blog, gostei de tudo aqui. Voltarei mais vezes.
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. É, a blogosfera anda interessante esta semana. Ando lendo grandes textos, como o seu.

    Aceitação, sem rótulos.

    ResponderExcluir
  22. Mais um comenttário de mais uma que não sabe se é, se não é e que não faz diferença nenhuma.

    ResponderExcluir
  23. Eu gostei demais dessa sua antibiografia, Herculano.
    É um exercíco que vivo me atrevendo a fazer, e cada vez mais termino em reticências e contradições.

    Também gosto...
    bj

    Rossana

    ResponderExcluir
  24. Bela inspiração para esta auto com fantastica criatividade. A vida é cheia desse reverso. Enfim umm bonito exercicio.Um abraço.

    ResponderExcluir
  25. Sou o que sou...

    Me encantei com suas palavras e sendo como sou, já sou sua fã!
    Bjos.

    ResponderExcluir
  26. Oi querido, tudo bem?
    Adorei seu blog, parabéns! Estou te seguindo! Gostaria que vc me seguisse e conhecesse o meu blog, da minha personagem cômica, menina limão, ela tem vários vídeos, dá uma olhada e me fala o q vc achou.
    Espero vc no meu blog,
    fica com Deus,
    beijos

    ResponderExcluir
  27. Que linda crônica, belas palavras expressando a essência...gostei muito! Reticências...sempre presentes em pessoas intensas!
    Abço moço!

    ResponderExcluir
  28. És ser que és e eu gostei.
    Saudações!!
    Carla

    ResponderExcluir
  29. Belíssimo texto. Vai além do "ser ou não ser" e paira entre o estar e o estar sendo das eternas reticência.

    ResponderExcluir
  30. Oi Erculano,boa noite.
    Lindo poema.
    Adorei quando voce diz:
    Gosto das minhas cicatrizes...
    Lindo.
    bjtos.Nile.

    ResponderExcluir
  31. Se aquilo que está em nosso íntimo for tão facilmente desvelado, que graça teria sair em sair e tentar descobrir ou se aproximar do que é o outro?

    ResponderExcluir
  32. gosto das suas reticencias que nos provocam... parabens! voltarei com mais frequencia!

    ResponderExcluir
  33. Isto é tão "Eu".Descreve-me na perfeição... :) adorei ler-te!Um beijão

    ResponderExcluir
  34. penso que talvez sua avó, que também devia de ser uma armadilheira poeta (isso ta no sangue, heim!), queria mesmo é te dizer que quem come porco sem farelo mistura tudo no ouvido.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  35. Uma pessoa reticente sempre deixa uma fenda que nos traga...

    ResponderExcluir
  36. Para vc não há rótulos e talento não se vende em farmácia!
    Sempre que volto, um texto bom, uma boa surpresa!

    ResponderExcluir
  37. Combinados então amigo!!
    Também gosto das minhas cicatrizes.
    Beijos e bem-vindo!
    Carla Fernanda

    ResponderExcluir
  38. Também gosto das minhas cicatrizes e fora com os rótulos. Bjs!

    ResponderExcluir
  39. fazia tempo que não vinha aqui! não ficarei tanto tempo sem aparecer!
    muito bom!

    ResponderExcluir
  40. Gosto dos teus gostos. Bela Antibiografia!

    ResponderExcluir
  41. Belo texto. Talvez onde se lê 'silêncio' o ideal fosse 'indistinção'. Cara, mas os rótulos são inescapáveis desde o Penso, logo, Existo. O Neto do seu nome, por exemplo, poderia ser um, ou não?
    Acredito que há rótulos que são lidos de dentro da garrafa. E se a gente se des-define, ato contínuo já se definiu de outra forma.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  42. também eu , Herculano. também eu...
    deixo um abraço.

    ResponderExcluir
  43. Um texto sincero e bem escrito!!! Muito bom !!!

    ResponderExcluir
  44. Adoooro reticencias.

    gostoso te ler.


    te sigo.

    beijao

    ResponderExcluir
  45. Herculano,

    Conheci o seu blog através do blog de Marielza Tiscate. Quando então, li "O seu retrato" (em 30/3/11).
    Gostei e resolvi verificar. Adorei o nome escolhido para esse espaço.

    Quanto ao texto "Antibiografia" fica o registro de minha admiração. Começando pela foto...Imaginei a sombra como a reticência da vida e a demarcação de diversos lados de uma mesma história.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  46. Parabens, me identifiquei...
    Te convido a conhecer meu blog que fala de tudo um pouco.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  47. me identifico com esse texto!
    Parabéns pela criatividade!!

    ResponderExcluir
  48. tanto já foi dito sobre.
    essa análise fria sobre a obra de alguém, esse descer quente de elogios e hesitações.

    as palavras não poderão descrever o que causas, e essa é a beleza da inexatidão; daquilo que prolifera além do que é concreto e palpável.

    ResponderExcluir
  49. As reticências é a extensão do nosso sentir...um ambiente que poucos adentram...vc possui uma sensibilidade formidável pra escancarar em seus escritos o que pensas e senti!!!

    ResponderExcluir
  50. AS VEZES TE SINTO MEIO CLARICE LISPECTOR...APAIXONEI AQUI ESSE BLOG E TUDO VOCÊ E TUDO...

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails