terça-feira, 18 de março de 2014

IMPUBLICÁVEL

Liv Ullmann

trago na cabeça
um poema tão doloroso
e injustificável
que jamais tentarei
colocar no papel

costumo cantarolar seus versos
numa melodia tristonha
quando estou sozinho
quando a chuva me apanha
na rua e não procuro abrigo
quando amanhece do outro
lado da minha cortina

esse poema é só meu

15 comentários:

  1. Homens sem mistério não tem graça. Há que existir o impublicável!

    Beijos,

    ResponderExcluir
  2. Revelar através de versos, o que está dentro de nós.
    Parabéns amigo !
    Dan
    http://gagopoetico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Impensável publicar as entranhas do poeta,
    mas, é este "impublicável" que mais merece publicação...

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Em tempos que temos tanta coisa publicada, pronta para satisfazer nossas (minhas) necessidades de leitura, meus olhos às vezes me confundem, pois curiosos caem em muitas armadilhas, mas quando se vai no lugar certo, os olhos saem ganhando, assim como o cérebro e o coração...foi o que me aconteceu lendo este poema, quase como uma mensagem telepática, pois trago no peito uma dor inexplicável ou que eu não permita que se revele, então crio melodias desconexas, e que nunca, consigo repetir a mesma, para tentar aliviar a dor que trago, para tentar expeli-la, pois não caberá num papel.
    Caro poeta Herculano Neto, a dor que sinto é só minha....mas teu poema é sublime, obrigado.
    "quando a chuva me apanha
    na rua e não procuro abrigo"
    ps. Meu carinho meu resperito e meu abraço.

    ResponderExcluir
  5. IMPUBLICÁVEL


    Ouso dizer que como poeta, faço parte de uma confraria.
    Somos membros de uma irmandade secreta
    a exemplo das grandes fraternidades seculares.
    Poetas são seres meio marginais, meio magos,
    que envergam vestes soturnas.
    Escondem-se entre escombros,
    guardam mistérios a sete chaves.
    Poetas são alquimistas.
    Lidam com poções mágicas,
    camuflam receitas cifradas.
    Poetas são malditos, insanos, perturbadores.
    Quem gosta dos que cultuam feridas e dores?
    O lado solar dos poetas é fugidio, bissexto!
    Não são confiáveis estes bastardos!
    A arte os blinda e protege da contaminação com o vulgar.
    Poetas não são amantes da banalidade!
    Detestam os lugares comuns!
    A insatisfação e o inconformismo tatuam a alma dos poetas.
    Há uma aura de Hermes que os absolve!
    Possuem passe livre entre o céu e o inferno!
    Os poetas não se intimidam com a divisão entre o bem e o mal!
    Não pertencemos a nenhuma pátria!
    Somos clandestinos e imorais!

    Beijos publicáveis!

    Nathalia Leão Garcia

    ResponderExcluir
  6. Bom domingo...
    Eu te parabenizo ...maravilhoso.
    ABRAÇOS
    Sinval

    ResponderExcluir
  7. A imagem da Liv Ullmann, acredito ser de "Persona" (do Ingmar Bergman), e o seu silêncio no filme dialoga muito bem com o seu poema.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. sempre os poemas são só nossos ... a vida é sempre um poema ...

    ResponderExcluir
  9. Os poemas impublicáveis são um paradoxo. Costumam ser os melhores entre aqueles que nunca existiram.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. A dor é minha,
    A dor é de quem tem...

    ResponderExcluir
  11. éé... às vezes deixar a ferida sangrar por fora...pode não fazer diferença. eita, me deixou pensativa rs

    ResponderExcluir
  12. A essência de cada qual que escreve há de ser um poema.
    simples, belo e imperfeito.

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails