terça-feira, 26 de abril de 2011

POEMA INÉDITO III

não tenho medo de ser simples
tenho medo de ser raso
de ser vago

não tenho medo do esquecimento
tenho medo da lembrança feita de mágoa
da saudade

não tenho medo da rotina
da crise de meia-idade
da constância dos funerais
das mesmas conversas
dos mesmos amigos
do verão

tenho medo dos caminhos que não segui
das escolhas que não fiz
dos desencontros

Herculano Neto

66 comentários:

  1. Nossa! Me identifiquei bastante com este poema! Também tenho medo de escolhas erradas...sobretudo das consequências delas...
    excelente!
    :D

    ResponderExcluir
  2. sobretudo medo do que não foi vivido,

    abraço

    ResponderExcluir
  3. Nossa meu docinho! Lindo!

    Meu momento cantado por teus versos ♥

    Um beijo carinhoso...

    ResponderExcluir
  4. "tenho medo de ser oco" Tenho medo disso.. Sorte!

    ResponderExcluir
  5. Belíssimo! Seus medos são os meus medos ...

    ResponderExcluir
  6. Um poema sobre amadurecimento,
    sóbrio,
    simples,
    verdadeiro.

    Sem medo de envelhecer
    sabendo envelhecer
    inclusive na poesia.

    ResponderExcluir
  7. Todos esses medos fazem parte de mim...

    ResponderExcluir
  8. Belos medos, em belos versos.

    Poema para muita reflexão.

    Abraços, poeta Herculano

    ResponderExcluir
  9. Somos medo. O medo nos move, muito mais que paralisia, o medo é movimento.

    ResponderExcluir
  10. Poesia que nao tem medo
    de soar maduro,
    que nao tem medo da morte,
    que nao tem medo de entender a vida.

    Amei os seus versos,
    muito me disseram.

    ResponderExcluir
  11. meu grande medo é, acima de tudo, não ter medo.
    perfeito seu poema. é daqueles que a gente gostaria de ter feito.
    beijocas

    ResponderExcluir
  12. Lindo, lindo, Herculano!

    Há medo maior que a eterna perseguição de um "se"?

    Beijinhos, querido.

    ResponderExcluir
  13. Medo do que não foi... Compreendo.
    Eu tenho medo do que virá.

    ResponderExcluir
  14. Tenho medo...De ter medo do que sinto...

    ResponderExcluir
  15. Assino embaixo sem medo.
    Grande Herculano!
    bj.

    ResponderExcluir
  16. Perfeito.
    Saudade, é que mais me da medo...antes mesmo de senti-la...
    LIndo!
    bjosss

    ResponderExcluir
  17. Tirando o texto, que é lindíssimo, prefiro enfrentar o medo pela afirmativa:)

    ResponderExcluir
  18. Perfeito o casamento entre imagem e poesia, quem viu Lost In Translation deve imaginar esses versos na voz do personagem de Bill Murray, embora, muito embora, sua perspectiva seja mais corajosa do que aquela da ficção de Sofia.

    ResponderExcluir
  19. Belo poema!

    Aproveito pra deixar uma frase do Mário Quintana que li em algum lugar, que cabe bem nessa ocasião.

    "Um bom poema é aquele que nos dá a impressão de que está lendo a gente e não a gente a ele!"

    ResponderExcluir
  20. Do labirinto do medo surge a tua poesia fluida e ritmada.

    ()a minha admiração permanente a Scarlett. Bela escolha!

    Abraço,

    ResponderExcluir
  21. ...medo do que não se viveu...dos mal-entendidos que nos afastam e afastam os outros de nós.
    ____________
    Amei, Herculano.

    ResponderExcluir
  22. acredito, que lá no fundo, eu tenha medo do esquecimento... lembrar é reviver aquilo que nos fez sentir vivos no passado!

    Lindo poema!

    Abs

    ResponderExcluir
  23. não tenho medo, mas tenho todos.


    gostei muito!

    ResponderExcluir
  24. Lindo post,jah estou seguindo se vc puder me segue tbm!

    www.sanrodriguess2@hotmail.com

    ResponderExcluir
  25. eu acho q to naquela de ter medo de fazer tudo q eu fiz, errado, de novo.

    nem sei, acho q prefiro seguir com minhas coisas platonicas, do q ficar feliz por ter tido coragem de azer algo que só me fez mal no final.

    ResponderExcluir
  26. eu acho q to naquela de ter medo de fazer tudo q eu fiz, errado, de novo.

    nem sei, acho q prefiro seguir com minhas coisas platonicas, do q ficar feliz por ter tido coragem de azer algo que só me fez mal no final.

    ResponderExcluir
  27. é, eu falo isso.. mas sou a impulsividade em pessoa, prazer

    ResponderExcluir
  28. Gostei!
    "tenho medo dos caminhos que não segui
    das escolhas que não fiz
    dos desencontros" ²

    ResponderExcluir
  29. Lindo sua poesia. Realmente a gente deve ter medo é de passar a vida sem viver o que sonhamos, almejamos para a nossa existência. A mágoa faz parte da vida e dessa, mesmo sentindo medo, temos que enfrentá-la pois faz parte dos nossos pedaços de existência.
    Que sejamos cheios de dúvidas, amores, desabores, horrores, e tudo quanto for "ores", e nunca deixar espaço para essa ocalidade que faz a pessoa tão "inha"
    Abraços e obrigada pela visita em meu blog.

    ResponderExcluir
  30. Desencontros acabam comigo...

    Aprecio muito seus poemas!

    ResponderExcluir
  31. Concerteza, não só no isqueiro. kkk..
    Muito bom o texto, jovem!
    Estarei semrpe por aqui :*

    ResponderExcluir
  32. é me identifico..
    Eu tenho medo.. muito medo
    Alias coicidência ou não .. titulo do meu post de hoje..
    Medo..

    ResponderExcluir
  33. Somos movidos a medo?
    E o medo de não fazer poemas?
    Fazemos poemas por estarmos vivos?
    A arte é real.

    ResponderExcluir
  34. Viver pela metade é estar meio morto. Isso realmente assusta.

    ResponderExcluir
  35. Acredito que, no fim ou no começo, todos nós temos medo de desencontros.
    Belo poema.

    ResponderExcluir
  36. Se existe a saudade é porque houve o momento...Então tudo bem...
    Em divina amizade.
    Sonia Guzzi

    ResponderExcluir
  37. Curto, mas tão profundo. Raso nunca!
    Ainda quero encontrar um jeito de superar todos os meus medos...

    Lindo seu poema, e como a Loba disse, é daqueles que a gente gostaria de ter escrito, você mostrou uma bela alma!

    ResponderExcluir
  38. Pensar no passado e imaginar como serie se...

    É bom, mas trás medo, trás receio. O presente é incerteza o futuro nada sabemos, mas lembrar e temer o "e se..." é pior ainda. Nunca saberemos na realidade!


    Arte - Comunicção - Entretenimento -http://www.junatchos.com

    ResponderExcluir
  39. Fantástico!
    Temos medos diferentes...

    ResponderExcluir
  40. Ter medo é estar consciente de quem somos e a ausência dele e o nosso saber voar apesar dessa realidade

    Parabéns pelo blog
    ABRAÇOS E SONHOS

    ResponderExcluir
  41. Nossa, adorei o blog...Você é mt talentoso...

    "tenho medo dos caminhos que não segui
    das escolhas que não fiz"

    muito lindo teu poema.PARABENS!
    Seguindo&Acompanhando

    Bjus,Naty!

    PS: Eu tbm arrisco alguns textos e poemas...Passa lá: in-censuravel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  42. Vc despoema os medos. Mas há coisas que me metem insônia.

    Fortíssimo abraço!

    ResponderExcluir
  43. Estou de volta te seguindo!!
    =D

    Bom final de semana!!
    =)

    ResponderExcluir
  44. As vezes é bem menos que ensaio, é so vontade de jogar tudo pra cima. Inclusive o amor.. E fazer como aquela linda música!

    Boa tarde, rapaz.

    ResponderExcluir
  45. Sou vaga...

    Lindo poema, Herculano.
    bj
    Rossana

    ResponderExcluir
  46. Que lindo esse trecho
    "tenho medo dos caminhos que não segui
    das escolhas que não fiz
    dos desencontros"
    Fechou a poesia com chave de ouro! Parabéns!
    ótimo final de semana a vc.
    Beijos

    ResponderExcluir
  47. Poema belíssimo! Parabéns!

    Blog muito bacana!
    Dê uma espiadinha no nosso também!
    http://uaimeu10.blogspot.com/
    Sucesso =)

    ResponderExcluir
  48. Ou seja: seu medo( ou medo do eu lirico) é medo de não viver!Bela poesia.


    http://www.pequenosdeleites.blogspot.com

    ResponderExcluir
  49. Hola, bello íntimo blog, profundas, penetrantes entradas,si te gusta la palabra infinita, la poesía,te invito al mio,será un placer,es,
    http://ligerodeequipaje1875.blogspot.com/
    gracias, buen sábado, besos de agua...

    ResponderExcluir
  50. ...Dos desencontros, e da saudade.
    Me too!
    adorei =)

    bj, HNeto

    ResponderExcluir
  51. __________________deixo um abreijo.

    ResponderExcluir
  52. É tenso não ter medo da constância dos funerais, mas é necessário pra se viver.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  53. Tb temo os desencontros e os mau entendidos.
    Beijo na alma, poeta!

    ResponderExcluir
  54. Poema perfeito, Herculano.
    Melhor passar por todas essas situações citadas no seu poema, que ficar estacionado na vida por causa do medo.
    Parabéns!

    Um abraço e ótima semana!

    ResponderExcluir
  55. medo do que poderia ter sido, mas não foi.

    ResponderExcluir
  56. Muito lindo o que encontrei aqui agora estarei sempre...

    Hasta luego!!!

    www.amoemociones.blogspot.com

    ResponderExcluir
  57. Cara, acredite: é tudo que eu sempre quis falar e nunca soube como dizer.

    Teu post falou por mim__maravilhoso!

    Sigo teu blog...excelente.

    grande abraço...

    ResponderExcluir
  58. tenho medo de ratos e de acordar dentro de um caixão.

    abs

    ResponderExcluir
  59. Um verso muito bonito e verdadeiro...parabéns...bela postagem!!

    Grande beijo e boa semana!

    Reggina Moon

    "Todos os dias devíamos ouvir um pouco de música,ler uma boa poesia, ver um quadro bonito e, se possível, dizer algumas palavras sensatas".(Goeth)

    ResponderExcluir
  60. http://movieaddictsz.blogspot.com/2011/04/menina-da-cabeca-de-bola-quadro-4.html

    ResponderExcluir
  61. Ola!

    Muito pofundo seu poema!

    O que tenho mais medo é "dos caminhos que não segui,das escolhas que não fiz e dos desencontros"
    O mais,vamos levando!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  62. Talvez possamos transformar o medo em uma saudade do que está por vir e seguir em uma busca incessante....

    ResponderExcluir
  63. Ótimo!

    tenho um blog de poesias.

    depois passa lá.

    http://sincerossuspiros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  64. Barbaro esse poema me identifiquei muito com ele.

    Mais nessa vida aprendi.

    A não temer aos encontros, a não temer as escolhas, a unica coisa que ainda temo é sentir saudades.

    Me visita. Abraços

    http://mrcheri.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  65. Dos medos que mencionou, próprios da vida, dos caminhos, do amor, o mais aterrorizante é o de ser "oco". Até o ser vago pode dar compreensão, desde que se leia nas entrelinhas. Mas quem nada tem por dentro, ou nunca existiu de fato ou morreu sem perceber.

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails