sábado, 12 de outubro de 2013

QUINTANA


Mário Quintana, criança

já morei em muitas casas
embora
em sonhos
apenas a casa das infâncias me alcance

bem que mário dizia
que não importa que a
                              tenham demolido
e a demoliram em um sábado
desses de cartão-postal
a gente continua morando
                     na velha casa em que nasceu

já morei em muitas casas
embora sonhe apenas
com a casa das infâncias

Herculano Neto

8 comentários:

  1. Herculano, q poesia maravilhosa.
    Emocionante começar uma manhã do dia das crianças com esses versos.
    Ainda moro na casa das minhas infâncias.

    ResponderExcluir
  2. Abracei intimamente seu poema. Só sonho com as casas da infância e, segundo dizem, as pessoas que nasceram, viveram no interior sonham para sempre com essas referências. Comigo acontece sempre.

    Beijos,

    ResponderExcluir
  3. poema e foto absurdamente lindos!!

    bjs.Sol

    ResponderExcluir
  4. rua Farmacêutico José Alves 43
    é a casa que me habita



    abraço

    ResponderExcluir
  5. Tão bonito quanto as lembranças que tenho de Quintana..

    ResponderExcluir
  6. Somos seres históricos, de memória afetiva
    Nossas lembranças são lâminas de negativos antigos
    Cortes flagrantes em tons de sépia
    A forma, o molde, a casa
    Faces do " flâneur",
    Um infante imerso em sonho.

    Abraço de poesia, Herculano!

    ResponderExcluir
  7. Também já morei em muitas casas; n Brasil morei em duas; aqui em portugal já morei em duas também, embora a que esteja no meu coração seja a da minha infância, aquela onde vivi até casar. Vejo-a muitas vezes e com tristeza a olho; falta-lhe gente...falta-lhe vida e os sinais do tempo já a marcam assim como a mim. Adorei! Beijinhos e fica bem
    Emília .

    ResponderExcluir
  8. Babolina tem as imagens perfeitas sobre a infência de seu tempo. Do nosso tempo.
    Lindo poema!

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails