domingo, 15 de setembro de 2013

A PONTE SOBRE O FOSSO DOS JACARÉS

        Há um mapa e uma missiva de um amor desesperançado dentro de uma garrafa que o náufrago encontra na inóspita praia de uma ilha deserta. Mais do que a possibilidade de tesouros perdidos, fascina as dolorosas palavras de uma paixão impossível, cruel. Por um instante, horas, dias, ele esquece a fome, a sede, o medo, a esperança. Queria vencer as lanças da guarda do castelo, queria vencer os cavaleiros em suas armaduras, queria vencer a feiticeira e o seu dragão, não para desmascarar a rainha má e devolver o trono ao rei injustamente deposto, nem para desvendar o mistério na masmorra do quasímodo. Queria, simplesmente, resgatar a princesa da clausura da torre e viver feliz para sempre em um reino encantado na floresta, enquanto os créditos sobem ao som dos alaúdes.
      Completamente desidratado, ele avista uma caravela no horizonte antes de fechar os olhos pela última vez.

8 comentários:

  1. Morreu buscando a amada...há um quê de heroico nisso. Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. A imaginação trazida por palavras engarrafadas de uma desconhecida, acalantando o último suspiro: a escrita cura...

    ResponderExcluir
  3. No fundo da garrafa, a Liberdade...

    "... e, por fim, quando te julgas capaz de o fazer sem te desintegrares numa combustão de átomos, abres uma pasta que mantiveste escondida sob a cama. O Livro do Juízo Final. Cópias de todos os e-mails e fotos dos tempos de infiel, aquelas que se tornam material para o teu próximo livro.
    Lês aquilo tudo da capa à contracapa (sim, manda encapar e agora dá autógrafo em livrarias). E sem surpresa, verificas dando de ombros que és um cobarde e um cagarolas do caralho. Custa admitir, mas é um fato.”
    (É assim que a perdes - Junot Díaz)

    Um homem está fadado a ser um homem...
    Brindemos, com o Vinho da Solidão à Pantomina do "amor".

    Olá Herculano
    ;)

    ResponderExcluir
  4. Morreu por sonhar demais, digo eu...

    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  5. Cura da AIDS, que nada.

    Morreria de ganhar dinheiro aquele que conseguisse inventar um remédio que nos salvasse de nossas paixões. Um antídoto pra essa nossa eterna mania de querermos sermos amados pelo ser a quem amamos. Uma pílula que nos fizesse sermos plenamente felizes sozinhos. Um método qualquer que apagasse da nossa mente esse ideal do amor romântico...

    ResponderExcluir
  6. E como viver feliz para sempre? Hoje tento ser feliz a cada minuto. O que conseguir, é lucro.

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails