sexta-feira, 2 de agosto de 2013

BRAVO!

última, e melancólica, capa da BRAVO!
Nunca gostei de ser assinante de revistas, gosto de ir até à banca, perguntar se já chegou, folhear outras publicações, conversar com o jornaleiro, comentar as manchetes dos jornais, a rodada do Brasileirão... Uma das revistas que sempre compro é a BRAVO! (foi uma satisfação especial ter meus contos publicados em suas páginas) e agora me vejo meio órfão com a notícia de que a editora Abril cancelou sua publicação. Os argumentos comerciais da editora até poderiam fazer algum sentido, como o baixo número de anúncios publicitários, a perda de leitores das mídias impressas frente à evolução digital e o baixo número de exemplares vendidos mensalmente (cerca de vinte e oito mil, entre assinantes e compradores espontâneos). Mas um dos títulos mais interessantes da editora fundada por Victor Civita deveria ter sua existência garantida, independentemente da quantidade de anunciantes. A BRAVO! era mais do que isso.

15 comentários:

  1. Uma empresa não querer vincular sua marca a uma publicação sobre artes só demonstra o quanto atrasado encontra-se este país. Sentiremos sua falta.

    ResponderExcluir
  2. Os primeiros anos da Bravo foram interessantes, mas pouco a pouco a qualidade foi caindo e o preço foi subindo. A linha editorial da revista era bem elitista: deu no que deu, as editoras, de um modo geral, só visam o lucro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A bolsa cultura de Dilma vem aí e a
      arte no Brasil deixará de ser "elitista".

      Excluir
  3. Herculano, também sempre gostei de comprar as revistas nas bancas, comprar livros nas livrarias. Há muito tempo, anos setenta, muitas vezes fui na livraria do globo, situada aqui na Rua da Praia (Porto Alegre) e ficava folhando as obras, lendo as lombadas, capas e contracapas, sentindo o cheiro dos livros.... Velhos tempos, belos dias...
    Um abração. Tenhas um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  4. Que pena! Enquanto isso as revistas com conteúdos banais se multiplicam, tanto nas bancas quanto virtualmente.

    ResponderExcluir
  5. Que pena! Enquanto isso as publicaçoes com conteúdos banais se multiplicam, tanto nas bancas quanto virtualmente.

    ResponderExcluir
  6. Reparei na capa...
    Da estátua à pedra...

    ". . . quantas vezes aconteceu mostrarmo-nos como quem somos, e não valeu a pena,
    não estava lá ninguém para ver."
    José Saramago, A jangada de pedra

    Adeus BRAVO!!!
    ;)

    ResponderExcluir
  7. Será que todos aqueles anuncios da Veja nao poderiam ajudar a manter uma revista como a Bravo, com uma circulação pequena, mas essencial?

    ResponderExcluir

  8. Só registro que lamento. Não estranho mais nada por aqui. O que tem qualidade não tem mais espaço. Sempre o lucro falando mais alto. E eu me encanto e me surpreendo por um dono de livraria (aqui, em Salvador) afirmar que aquilo ali não lhe dá lucro. Mas dá prazer. E é um leitor de verdade. As raridades me deixam sem voz.

    Beijos, Herculano

    ResponderExcluir
  9. A Bravo! era uma das poucas revistas que eu assinava. Lamento muito a decisão da Editora Abril em extinguir a revista. Lamento ainda mais pelo Jornalismo Cultural brasileiro, que perde uma das poucas publicações totalmente dedicadas a esse gênero. Porém, ao mesmo tempo, entendo a decisão da Editora: a parte da cultura, em qualquer campo, é a primeira a ser cortada quando temos restrições de recursos.

    ResponderExcluir
  10. É lamentável, Herculano.

    Tudo que é bom dura pouco.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Eu sou um leitor da Piaui... Nunca li a BRAVO!
    Você conhece a Piaui?

    ResponderExcluir
  12. Lamento também caro Herculano, já comprei esta revista algumas vezes, num passado recente, uma ótima públicação descompromissada com modismos, mas sim na busca de cultura, conhecimento e crescimento...prós e contras da era digital.
    ps. Meu carinho meu respeito meu abraço

    ResponderExcluir
  13. Também adoro banca de revistas. Olhas as capas, os quadrinhos, as palavras cruzadas que se cruzam aos nossos olhares ávidos por informação e divertimento. O Grupo Abril está mesmo falindo. A MTV, em breve sairá do ar. Virará um canal pago, comprado pela gigante americana Viacom. É estranho pensar nostalgicamente em coisas que estão prestes a se acabar.

    Bjos!

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails