domingo, 23 de setembro de 2012

PODERIAM SER CRÔNICAS

(*) Alguns modismos, realmente, me incomodam. Ultimamente a mania de aplaudirem qualquer coisa tem me tirado do sério. Parece que estamos em um programa de auditório e temos que bater palmas toda vez que a placa de APLAUSOS acende para a claque. Durante a sessão de cinema, o pôr-do-sol e o pouso do avião são os momentos favoritos. Estou me sentindo na obrigação de aplaudir o taxista, o cabeleireiro e o porteiro do meu prédio, logo eu que não tenho paciência nem para mover uma mão contra a outra no “parabéns pra você”.

(*) Diante do encantamento que um arco-iris ainda consegue provocar, alguém  não satisfeito com a condição de ser, simplesmente, plateia da natureza, não perde tempo e saca sua arma telefônica e se fotografa tendo o fenômeno meteorológico ao fundo, um papel de parede de luxo. Há quem prefira parar na estrada, aumentando o congestionamento, para se fotografar à frente de um acidente, como se fosse um casal de namorados diante da Torre Eiffel, não basta dizer que viu, tem que mostrar que estava lá. O pior é que não falta quem curta, e compartilhe.

(*) Da série, as frases que odeio com toda a força da minha alma:
“É muito fácil, até você consegue”.

37 comentários:

  1. Sobre o pouso do avião, aconteceu-me uma situação que depois pareceu-me até engraçada (depois). Assim que o avião pousou, começaram todos a aplaudir, só que tinha pousado demasiado perto da torre e por isso teve de frear com muito força, enquanto os aplausos iam parando com o pânico dos que antes aplaudiam...(e felizmente conseguiu imobilizar o avião antes de tocar na torre).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que após os aplausos
      eu precisaria de um desfibrilador.

      Excluir
  2. Infelizmente é o egísmo humano entrando em destaque e a necessidade de se estar sempre em evidencia , mesmo que seja em desgraça.
    O lado inútil do ser humano está se despontando infelizmente nas piores ações imaginaveis.
    Com a criação de páginas interativas e a facilidade de estar enviando as tais fotos simultaneamente para várias pessoas, essas atitudes estão fazendo com que a sensibilidade e o lado humano nem apareça, é como se fossem todos plantas carnívoras.
    Deixo abraço fraternal e desejando uma excelente semana.
    Nicinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto dessa interatividade visual,
      mas gosto de limites também.

      Excluir
  3. O importante é aparecer. O que vai mostrar é o de menos.

    Boa semana

    ResponderExcluir
  4. São os novos tempos meu caro, são os novos tempos.
    As redes sociais e os BBBs fizeram isso.

    E essa frase é terrivel:
    qualquer um pode até voce, quanto incentivo, lembrei do meu pai militar nos anos 70.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa frase é quase um incentivo para a pessoa pular de um prédio não é mesmo?

      Excluir
  5. E por que não aplaudir o táxi?
    A cabeleireira?
    O verdureiro?
    O gari?
    Cada um com seu espetáculo.
    Palmas!!!! muitas palmas!!!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Algumas profissões, realmente, são
      dignas de aplausos - e narração do Galvão Bueno.

      Excluir
  6. Fotografar é uma arte que vem da alma, mas como tudo que é bom demais nessa vida, se populariza. Todo mundo tem uma camera hoje em dia, criaturas sem o mínimo conhecimento de como usar as imagens como espelho da própria vida. Saem clicando por ai, o pão com mortadela que comem e o cocõ do cachorro. Me pergunto qual será a próxima vítima do tsunami digital.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há quem pense que para ser poeta
      basta papel e caneta, e outros
      que para ser fotógrafo basta
      apertar um botão.

      Excluir
  7. Num simples ato de alguém aplaudir seus feitos, a pessoa torna-se dependente desta 'auto-afirmação vinda dos outros'. Como se suas ações, opiniões e o que quer que seja, só fossem dignas se repercutirem, se forem comentadas por outros. Se alguém discorresse sobre os argumentos expostos. Talvez sejam mesmo necessidade vital. Ou falta dela.

    ResponderExcluir
  8. A culpa é das "Casas Bahia" que vendem maquinas fotograficas em ate 24 meses...
    E aplausos para o seu post...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha infância/adolescencia
      seria outra se eu tivesse uma Tekpix nos
      anos 90.

      Excluir
    2. Tenho certeza que sim... teria feito uma revoluçao em sua vida...

      Excluir
  9. Fotografar-se diante de um acidente é o fim da picada. Espero que seja só um exagero seu e que a nossa egolatria não tenha chegado a tanto. Quanto aos aplausos, acho irritante a mania de se aplaudir em pé todo e qualquer espetáculo por mais irrelevante que seja. Abraço!

    ResponderExcluir
  10. KKK..Muito boa sua cronica!Está mesmo dificil hoje em dia com tanta tecnologia.As pessoas tiram a foto do celular,postam nas redes sociais e dizem: estou aqui na estrada vendo esse acidente...ou...estou no restaurante tal...que me importa isso?Agora temos que ficar curtindo cada passo da pessoa?...rss...quero a tecla descurtir tb!...rss...bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  11. Mal aplaudo o parabéns pra você. Ou, se aplaudo, não canto. Não coordeno as duas coisas ao mesmo tempo.
    Acho que as palmas deviam ser reservadas pra artistas em teatros e eventos musicais. Senão desvaloriza, sabe?! rs

    Também me dá uma preguiça tremenda essa mania moderna de ter que fotografar tudo, exibir tudo e curtir e compartilhar tudo, e com filtros do Instagram... Uma preguiça profunda com a força da minha alma.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. rsss. ai, ai, Herculano, gostei, rss. Me lembrei de um dia em que eu estava no cinema com minha filhota, e eu (EU!) acabei aplaudindo o herói junto com o resto da maioria da plateia (crianças, claro...), olhei pra ela e ela estava só olhando a tela, com os olhinhos brilhando de emoção, mas só olhando... Me senti mais infantil que ela. :/

    Essa de tirar foto em acidente hein, e ainda postar em rede social.... Pasmei!...

    É por essas (que você citou) e outras que não tenho paciência para o tal livro de caras, algumas (ou muitas) delas, "de pau".

    ResponderExcluir
  14. Palmas para você, hahahaha!

    É só juntar as mãos, vá lá, é fácil... até você consegue...

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  15. Dizem que os aplusos, na sua origem, eram para evocar os espíritos da arte. Depois viraram isso. Às vezes o faço espontânea e efusivamente; outras vezes, não vejo sentido. Enfim...
    Abraços, Herculano. E aplausos! :-)

    ResponderExcluir
  16. Acho que uma das maiores marcas contemporâneas é a necessidade da exposição. Não basta mais viver, é preciso mostrar o que é vivido. Gostei muito de tua crônica. Bjs

    ResponderExcluir
  17. "Os antigos não queriam um estilo mais ou menos sutil e incisivo e sim uma linguagem rica, plena, naturalmente vigorosa. Tudo o que dizem é epigrama, e não vem este apenas na cauda, mas também na cabeça, no estômago e nos pés; nada é artificial ou forçado, tudo se desenvolve dentro de uma unidade, 'todo o discurso é másculo e sem floreios inúteis'. Não é uma eloquência efeminada em que nada choca; é nervosa, sólida, antes satisfaz e entusiasma do que agrada e encanta os espíritos mais fortes. Quando vejo essa maneira ousada, tão viva e profunda de se exprimir, não considero o que escrevem 'bem escrito', mas sim 'bem pensado'".

    Li isso em Montaigne e na hora pensei em você...

    ResponderExcluir
  18. Gostei da série...rsrs.
    Cada dia que passa, mais superficial se tornam as pessoas e mais desmemoriadas também.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  19. Também me encanto perante a beleza de um arco-íris...
    Gostei... só não aplaudo, porque estou com preguiça :)
    Beijinho Herculano

    ResponderExcluir
  20. Que texto incrível! Intenso em casa palavra, parabéns!
    Beijos da Érr#
    http://viceveersa.blogspot.com.br
    https://www.facebook.com/viceveersa

    ResponderExcluir
  21. Olha, eu até encontro algumas pessoas que mesmo não tendo máquinas fotográficas profissionais nem tendo feito curso conseguem registrar belíssimos momentos e fazer grandes fotos graças à uma extrema sensibilidade e talento.

    E claro que registrar um acidente como se fosse uma atração turística é preocupante. Digno do filme "Crash" de David Cronenberg. Já viu? Recomendo este e todos os filmes dele.

    Gostei do "arma telefônica"! muito bom! Mas infelizmente os meios de comunicação sempre foram utilizados como armas. Antes fossem somente usados para documentar e propagar nossas rotinas do dia a dia para que os amigos vissem.

    ResponderExcluir
  22. Linda crônica Herculano.

    Culpa da mídia dos BBBs, da internet das revistas?
    Um lindo dia.
    bjs

    ResponderExcluir
  23. Meu querido Herculano, embora não comente necessariamente teus posts, sempre os leio...comecei rindo ao ler este post, daí lembrei que tenho uma sobrinha de um ano e meio, e ela tá numa fase que faz qualquer coisas e aplude e pede aplauso, claro que não resisto e caio no aplauso...mas entendo tua colocação, eu acho...lembro também que no tempo de escola, aplauíamos para calar um discurso chato por exemplo (nossa, voltei fundo no tempo)...sempre bom te ler...
    ps. Meu carinho meu respeito meu abraço

    ResponderExcluir
  24. nossa essa frase “É muito fácil, até você consegue”.
    e de matar, da vontade de dar uma voadora na pessoa
    http://floresdemarshmallow.tk/

    ResponderExcluir
  25. a foto tá ótima, rsrs. quanto ao "aplauso"... clap, clap, clap, clap, clap. rsrsrsrsrs...

    ResponderExcluir
  26. Me identifiquei muito. Uma vez aconteceu um acidente num prédio no Centro da Cidade, não lembro se pegou fogo ou se desabou, enfim. Conversando com um amigo, ele me disse que tinha ido com o avô dele passear de carro por lá só pra ver o que tinha acontecido. O tânsito estava um caos e tenho crteza que ele não era o único turista da desgraça alheia. Como lidar?
    Beijos, Cat.
    www.doceilusao.com/

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails