quinta-feira, 14 de junho de 2012

POEMA INÉDITO IX


não quero uma casa no campo
com verdes e animais
longe de tudo

quero uma casa na Getúlio Vargas
com vista pro viaduto
a poucas quadras da repartição



Herculano Neto


44 comentários:

  1. Tu queres comodidade e praticidade, meu Herculano?
    Um abraço. Tenhas um bom dia.

    ResponderExcluir
  2. Muitas pessoas desejam o oposto, porém não se acostumariam com a vida rural.
    Conciso.

    ResponderExcluir
  3. Por aqui o campo está verde
    suponho que hoje o tema
    é assunto de gabinete
    visto isso, abstenho-me!...
    Um beij(inho) :)

    ResponderExcluir
  4. Realmente inédito!!
    Grande abraço,
    Nicinha

    ResponderExcluir
  5. Tudo que eu sempre sonhei! Detesto campo! Sou urbana até o fundo a alma.
    Um grande bj querido amigo

    ResponderExcluir
  6. Oi Herculano!

    Seu poema me fez refletir sobre meu desejo de morar no campo, sem que nunca pensasse que estaria longe de tudo.

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde! Que seja feito o desejo de cada coração...
    Doce beijo!

    ResponderExcluir
  8. Ah, essa modernidade que muda as nossas aspirações, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  9. Provocação herculiniana
    em versos.

    ResponderExcluir
  10. MATURIDADE
    Quanto mais avança o tempo fico a imagina
    A fluidez do caminhar tento encontrar


    Na face no riso em cada olhar

    Na sustentação do corpo que às vezes vacila

    Com o desalinho que a idade impera

    Mesmo não sendo tão velha

    Mas as caminhadas adversas

    Que percorremos nos faz senti um tanto debilitados

    Basta um sopro ao ouvido para ressurgimos de novo

    Como um dia florescente que transmita luz aonde andamos

    Então surgem os sonhos, as paixões adolescentes, as fantasias ocultas...

    Renovamos nosso corpo e espírito indo de encontro ao um novo caminhar

    Entre fadas regadas com a luz do sol se desembocando ao luar

    Ficamos com tanta energia que podemos dissipar

    Uma pedrinha aqui outra acolá

    Transbordando sonhos na vertente do amanhã

    Margarida Cabral

    ResponderExcluir
  11. Salve, salve, poeta urbano.

    "Neste bosque urbano
    árvore feita em concreto
    - meu corpo estremece."
    -- Eolo Yberê Libera

    Um abraço

    ResponderExcluir
  12. Quase impossível desejar paz no mundo que nos faz guerrear dia a dia.

    ResponderExcluir
  13. Frequentando Feira de Santana, Herculano?

    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Antes de mais, obrigada pela sua visita lá no meu cantinho.

    Sim, por que teremos de fingir que gostamos de verde e vacas (conhece os Açores?) - é preciso aprender isso, talvez -, quando as nossas paixões imediatas querem a (in)comodidade?
    Gostava de aprender, confesso...

    ResponderExcluir
  15. Quer saber? Gostei demais. Também tô nessa. Quero uma casa aqui perto do trabalho. Abraço!

    ResponderExcluir
  16. Caro Herculano, existe dentro de mim vários, um telúrico, meio colono, que gosta de terra (não muito), existe também o metropolitano, com antenas (diria Marina Lima). Teus poemas tem o dom de me desconcertar ou desconsertar, não sei agora, mas são belos, e me servem como ecos.
    ps. Meu respeito e meu abraço.

    ResponderExcluir
  17. Eu só quero viver onde me sentir bem... e onde possa sorrir!

    ResponderExcluir
  18. Eu também prefiro a agitação..rs

    Beijos.

    ResponderExcluir
  19. Olá, Herculano,


    Fazia tempo que eu não vinha por aqui. Também tenho esse sentimento, de longe, acho tudo muito lindo, mas de perto, quero o mundo acelerado e pulsando muito.

    Abraço do Pedra

    ResponderExcluir
  20. Eu quero ter as duas: uma para observar a agitação e a outra para fugir, quando a mente pedir um tempo. Um abraço!

    ResponderExcluir
  21. Herculano, gostei muito do poema. Ele me fez pensar em Drummond - tanto pela linguagem coloquial quanto pela vida de repartição que Drummond, de fato, viveu, desde os tempos de Capanema até o jornal Correio da Manhã - mas também em romances deliberadamente desleixados, como O amanuense Belmiro e Marcoré, do injustiçado Antonio Olavo Pereira. O primeiro é do genial Cyro dos Anjos, também mineiro como Drummond.
    Bem, adorei o blog novamente. E digo novamente porque já o adorava, mas sempre que entro aqui, depois de semanas ou meses, ele está melhor, em todos os níveis. Seus textos estão passando do limite da qualidade, de tão bons, e a estética do blog, como um todo, é muito boa, me agrada muito. Mais que agradar: me entusiasma.
    Abraço de um leitor feliz.

    ResponderExcluir
  22. Para quem trabalha lá deve ser uma beleza...

    Prefiro uma casa no campo com verdes e animais ao morar ao lado do MINHOCÃO aqui em São Paulo para poder chegar mais rápido na Justiça do Trabalho de SP.

    Obs: Foi apenas uma interpretação minha adaptando o seu poema à minha vida.

    Daniel

    ResponderExcluir
  23. KKK...Muito bem pensado!Nada como ficar perto do trabalho!bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  24. Também gostaria de morar longe do campo, mas essa foto dá uma sensação bucólica tão gostosa...rs.
    Obrigada pela visita e comentário. Fiquei lisonjeada e pensando bem, acho que dependeria do perfil do cliente para usar aquelas fotos como divulgação...mas acho que poucas pessoas pensariam como você.

    ResponderExcluir
  25. Até podes ir de pijama...
    Beijocas
    Graça

    ResponderExcluir
  26. Mas poeta gosta de lugar calmo, aliás por quê você faz poema? Rs.

    ResponderExcluir
  27. Lendo com atraso, que ando mesmo em atrasos. Te lendo e temendo acabar, um dia, trocando meu sonho pela praticidade. Há sempre o risco, não? Mas ainda insisto na casa no campo...

    Beijos,

    ResponderExcluir
  28. Eis o que fiz há seis meses. Vida Frenética!

    Beijinho!

    ResponderExcluir
  29. O campo é a minha sempre válvula de escape. 90% da vida é no concreto.

    ResponderExcluir
  30. Ironia? Eu, na minha posição de "mero" leitor, fico pensando que talvez seja, ou não...Quero Passar longe das respostas, viver o saboroso direito pela ambiguidade...É isso o que vale a expressão "benefício da dúvida"...Abraços.

    ResponderExcluir
  31. Entendo... Na correria do dia a dia, a gente quer não "perder" tempo no trânsito etc.

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails