segunda-feira, 28 de maio de 2012

PODERIAM SER CRÔNICAS, MAS SÃO APENAS NOTAS III

(*) Já escrevi AQUI que prefiro ir à banca de revistas, conferir as novidades, ver as manchetes dos jornais, do que ser assinante. Faço isso desde moleque, quando colecionava minhas primeiras Hqs, não mudaria agora – tornar-se adulto é mero detalhe.
      Algumas publicações, numa estratégia de mercado, costumam colocar duas ou mais capas diferentes à disposição do leitor, algo que tem se tornado cada vez mais comum e me agradado bastante. Em junho de 2010, a “Rolling Stone” disponibilizou uma capa com Mick Jagger e outra com Keith Richards, com suas faces mais imberbes. Ao perguntar ao jornaleiro se a revista já havia chegado, ele prontamente me ofereceu a edição com Jagger, educadamente recusei e disse que preferia a outra, sem se dar por vencido, ele argumentou que era Mick Jagger. “E este é Keith Richards” – sentenciei. Depois, fiquei imaginando qual seria a capa que escolheriam para mim se eu fosse assinante.
      Poder escolher, ainda, é o meu maior trunfo.

(*) Tenho pavor a diminutivos, desde sempre. Falsa intimidade ou excesso de intimidade pouco importa para mim, é constrangedor de qualquer forma. Penso que os “inhos” e  “inhas” deveriam se restringir, no máximo, ao ambiente familiar. Os irmãos Fernandinho e Fernandinha, ao se encontrarem no pátio da escola, se tratariam como Fernando e Fernanda, sem carinhos... Ops! Será que “carinho” também é um diminutivo?

(*) Fotógrafos, Djs, escritores e comediantes se espalham por aí, feito uma virose pós-carnaval. Acho que falta quem diga que apertar um botão não faz de ninguém fotógrafo, colocar um disco para tocar não faz de ninguém DJ, ajuntar palavras não faz de ninguém poeta, contar uma piada não faz de ninguém comediante. No entanto, enquanto houver quem “curta” e “compartilhe” a ausência de talento ainda será a bola da vez.
       A busca por um padrão diminui as possibilidades, e nunca houve tantas.

(*) Poderiam ser crônicas, mas são apenas parágrafos. Falta de fôlego do cronista ou preguiça do leitor? Preguiça do cronista ou falta de fôlego do leitor? Falta do leitor ou falta do cronista? Falta de leitor?

26 comentários:

  1. Poderiam ser apenas notas, mas é uma crônica e da boa :)

    ResponderExcluir
  2. Eu comprei a capa com Jagger sem saber que existia uma com Keith.

    Paciência.

    ResponderExcluir
  3. Ando tão distante do mundo das revistas, que me pegou de surpresa essa sua informação sobre as capas.

    Mas, nos tempos que eu lia muita revista, era exatamente como você. Sempre gostei de ir à banca, fuçar, descobrir as novidades... é muito mais agradável. Exceção feita aos X-Men, que eu tinha asinatura.

    Esse negócio de todo mundo

    Na maior parte das vezes, eu concordo contigo quanto aos "inhos" e "inhas", ainda mais quando são ditos em público, em alto e bom som, com o único intuito de... dizer, pra ser ouvido (e eu já entrava aqui nas "demonstrações públicas de amor", que pouco de amor têm, creio eu)

    Quanto a terceira notinha (rá! somos íntimos, eu e a nota), nem há muito o que comentar, acrescentar, seja o que for. Penso exatamente do mesmo jeito.

    Não sei os outros leitores, mas eu só sofro de falta de fôlego quando a crônica é chata e/ou não me "convence". Entretanto, esse formato de notas é super interessante.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. O que torna alguém único, é a capacidade que esse alguém tem, de se manter fiel a si próprio...
    « ser adulto é um mero detalhe » - sub-escrevo!
    não me faltou fôlego para a leitura...
    Um beij(inho) ups! :) com amizade e sentido de humor!

    ResponderExcluir
  5. Não simpatizo muito com microcontos,
    acho que falta substância, sei lá.
    Mas as suas minicrônicas (se é que ja existe)
    são muito boas: ácidas, informativas,
    bem humoradas.
    Na medida certa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minicrônicas é o que mais há nos jornais populares hoje em dia.

      Excluir
  6. promissoras as notas ou promissórias,



    abraço

    ResponderExcluir
  7. Também não me faltou folego para a leitura.

    Não gosto de "inhas, inhos" pavor. Qdo converso com alguém que fala muito em diminutivo, fico com nojinho rsrs

    Ser adulto... mero detalhe. Apenas "mero" detalhe mesmo.

    ResponderExcluir
  8. Preguiça do cronista e preguiça do leitor...rs
    Eu tenho as duas capas, porque um feioso só é bobagem! kkk


    Poxa Herculano, você não gosta de diminutivos...eu ia te chamar de Herculaninho...rs...ou Herculanuzinho? Qual prefere? Não me fuzile! Por favor...rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pior é que sou obrigado a carregar
      alguns diminutivos.

      Excluir
  9. Tenho pouco mais de um metro e meio. Diminutivo, no meu caso, é pleonasmo. :) Mas o pior mesmo é quando gente desconhecida corta um pedaço do nome da gente. Concorda comigo, Lano? :) Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Compro a RR todos os meses também e quando saiu recentemente a edição falando sobre os melhores guitarristas de todos os tempos, com três capas (Hendrix, Ed Van Halen, Page), ao contrário do que a maioria das pessoas, comprei a do Page e não a do Hendrix.

    Adoro essa revista.

    Daniel

    ResponderExcluir
  11. Irônico, inusitado, pontual,
    irreverente, polêmico, divertido,
    e, principalmente,
    muito bem escrito.

    ResponderExcluir
  12. Olá td bem!!
    Vim visitar seu Blog e gostei muito
    de tudo que tem por aqui tudo muito
    bem escrito , os textos são ótimos
    Deixo um abraço carinhoso
    Bom finalzinho de tarde
    Bjuss
    Rita!!!!!

    ResponderExcluir
  13. Gosto da minha liberdade... não a troco por um desconto à custa de uma qualquer "assinatura"!!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  14. São apenas parágrafos, mas dos bons. Também detesto diminutivos.

    ResponderExcluir
  15. Cheia de fôlego ao final!

    Belas notas, Herculano (rindo aqui da vontade de dizer Herculaninho...)

    Abração!

    ResponderExcluir
  16. Caro Humberto, com fôlego ou não, atravessei este post com um prazer na leitura dos escritos...sempre gostei de comprar gibi, na falta de dinheiro juntava dias para poder comprar um, hoje frequento bancas de jornais, mas pouco compro, enfim. A questão do folêgo, sinto isso na maioria das postagens de meus post, como meu blog é inacado, acho que dá pro gasto...Cara, gosto muito desta tua forma de escrever.
    ps. Meu sempre imenso abraço.
    ps2. este formato é muito, muito interessante...

    ResponderExcluir
  17. Também frequento bancas de revistas. Já cansei de perguntar ( quando era mais novo): A Placar já chegou, Mané? Depois perdi o interesse na publicação.

    Ele sempre trazia alguma edição especial ou qualquer outra revista que acreditava atender aos meus interesses.

    É bacana quando você encontra um jornaleiro bom de papo. As revistas chegam ao longo do mês e as visitas à banca são frequentes.

    ResponderExcluir
  18. o "mal" da liberdade de escolha é esse: as pessoas podem perfeitamente "curtir" e "compartilhar" o que quiser! a liberdade vem como bênção - e tb como maldição tem horas!

    ResponderExcluir
  19. Poder escolher é realmente melhor...ainda que tenhamos o trabalho de fazer o percurso! Se tiver três revistas, ainda que iguais, escolho a que esteja com menos amassados, a que pareca "mais nova" das três!kkkkk!

    Concordo que muita gente se acha escritor, poeta, entre outros e não tem o verdadeiro dom...é por isso que sempre digo: não sou escritora nem poeta. Tenho apenas acesso a net(essa é jargão eu sei, pra provar que tenho net!kkk!) e um blog onde faço o que tô afim e coloco textos que curto !kkk!

    Também não curto diminutivos, ainda mais vindos de alguém sem noção do "nível" de intimidade...tenho amigos que me chamam de lekINHA, mas não fico brava, pois nesses casos é uma forma de carINHO (qualquer hora dessas consigo fazerem parar com tanto carinho!)! kkkkk!
    bjs!

    bjs!

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails