quinta-feira, 17 de novembro de 2011

POEMA INÉDITO VII

estou no meu próprio centro
entre minhas próprias margens

nem sempre me perco
nem sempre me acho

em cada estação sou uma nova cidade

Herculano Neto

31 comentários:

  1. Amigo Herculano, gosto dos poemas feitos sob a égide da síntese, acho que isso acontece por que o meu estilo é mais esparramado.

    ResponderExcluir
  2. Muitas pessoas,
    em busca da aceitação da maioria,
    da sociedade,
    tenta se enquadrar em grupos,
    estar no centro de algo.

    No seu poema, voce está no seu proprio centro, e sempre encontrando algo novo em si, "em cada estação uma nova cidade".

    Nem NY nem SP:
    meu grande centro sou eu.

    Aguardo essa série de inéditos reunidos em um livro físico.

    ResponderExcluir
  3. No centro de um universo só seu.
    Gosto muito de ler você.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Isso é o nosso "eu" sempre em busca de algo, mas que só encontramos em nós mesmos, portanto busquemos sempre, mudando sempre a nós mesmos até nos encontrarmos ou reencontrarmos!!!
    Abraços.
    Ivone

    ResponderExcluir
  5. Li e fiquei pensando no que penso muitas vezes quando leio seus textos: você é singular e é plural. Marcadamente, ambos.

    Beijos,

    ResponderExcluir
  6. em cada estação sou uma nova cidade...

    Lindo

    ResponderExcluir
  7. ser a mais ou a menos,
    mas ser em si é grande vitória.

    gostei.

    ResponderExcluir
  8. A transformação coerente de alguém que se auto analisa!

    ResponderExcluir
  9. Tanto na foto como no poema um ambiente zen
    Obrigado pela partilha

    ResponderExcluir
  10. Eu estou no meu próprio centro, mas por achar que me encontrei ^^

    ResponderExcluir
  11. Bonito, Herculano, muito bonito.

    ResponderExcluir
  12. A composição da foto com o poema foi perfeita.
    bjs

    ResponderExcluir
  13. Lindo demais Herculano!
    E a imagem, então? Dá vontade de sentar alí do ladinho...rs


    Bom dia!

    ResponderExcluir
  14. NOSSA!

    QUE LINDO! UM DOS SEUS MELHORES, SE É QUE SE PODE DIZER ISSO.

    BEIJOS

    MIRZE

    ResponderExcluir
  15. Maravilha de poema ...
    quando você se conheçe, não necessita procurar por mais nada(fora), tem tudo e nada dentro de si ...

    Beijos querido,
    um dia cheio de luz e paz ...
    Om Shati!

    ResponderExcluir
  16. Estar centrado é estar a caminho do descaminho, é fazer aquela paradinha pra retomar o ar.

    ;)

    Um beijo, Herculano.

    ResponderExcluir
  17. Rapaz, você escreve bem! Não é fácil fazer poesia com poucas palavras. Abraço!

    ResponderExcluir
  18. (estou em busca de embarcar nesse trem, os vagoes andam meio descarrilados...)

    A Fliporto, foi excepcional, Herculano, vem participar dela ano que vem. É um ótimo espaço de encontros, articulaçoes e outras demandas.

    Espero que a Bahia dignifique o povo da Bahia, oferecendo-lhes uma feira à sua altura.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  19. Herculano
    Equilibrado no seu próprio eixo.
    Gosto de poemas curtos.
    Muito bom

    Um abraço

    ResponderExcluir
  20. Olá!Gostei muito do seu blog, achei bem legal.Estou lhe convidando a visitar o meu, e se gostar, juntar-se ao grupo. Já sigo o seu! Abraços e um ótimo dia pra vc!!!

    ResponderExcluir
  21. nem no caminho certo
    nem no caminho errado...

    bjs insanos da Insana

    ResponderExcluir
  22. Cidade nova, novas esquinas para se dobrar.
    beijoss

    ResponderExcluir
  23. Gostei do texto...me identifiquei total com ele hoje.
    bjs!

    ResponderExcluir
  24. Somos de fato (...)


    perdid(achad)os e (des)fragmentos

    ResponderExcluir
  25. Caminho sem ponto de chegada
    Sem ponto de partida...

    ResponderExcluir
  26. Que sensação de transparência...

    bacio

    ResponderExcluir
  27. uau! desculpe comentar um post antigo, mas esse poema realmente ficou muito bom herculano, conciso e tão profundo. Muito bom mesmo. Seria um prazer colossal ter-lhe em meu humilde blog de aprendiz de poeta, essa foi a ultima postagem que fiz: http://otaviomsilva.blogspot.com/2011/11/parado-parado-e-paralisado.html. Grande abraço F. Otávio M. Silva.

    ResponderExcluir
  28. entre o céu e as águas
    tem uma linha que nem existe
    só se toca num espelho
    dentro de nós
    alarga , alaga?, o centro

    ResponderExcluir
  29. a cidade sou eu, meu amor. sou eu a cidade.

    como diria os versos do poeta drummond.

    muito bonito.
    :)

    ResponderExcluir
  30. "Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante... (Raul seixas)
    É necessario se perder para se achar
    é necessario saber quem para perdesse
    Só posso desejar-lhe bons encontros!!
    Muito bom texto!!

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails