segunda-feira, 19 de setembro de 2011

(...)

Recebi uma ligação de Capitu ontem à tarde, enquanto eu tentava acordar. Ela fez aquele típico suspense, meio infantil, de “adivinha quem é”, mesmo sem eu me importar e já desconfiando quem poderia ser. Depois de se identificar ela quis saber se eu estava surpresa, respondi que não. Há muito tempo que nada nessa vida me surpreende, muito menos uma ligação – mas não lhe disse isso. Capitu achou estranho eu não ter feito nenhum comentário a respeito do seu nome quando nos conhecemos, ainda assim ela destrinchou uma explicação que deveria utilizar frequentemente: que não se chamava Capitu, muito menos Capitolina, como a enigmática criação machadiana; que se chamava Lilian, ou Lídia, não me recordo exatamente; que recebeu o apelido de uma colega quando chegou com ressaca aos catorze anos durante uma aula de literatura; que achou “da hora” e resolveu adotar a alcunha oficialmente com uma tatuagem na altura do cóccix no ano seguinte; que as únicas pessoas que a chamavam pelo seu próprio nome eram atendentes de telemarketing e gerentes de banco... Se dependesse do seu frenesi, e dos bônus fornecidos pela sua operadora de telefonia, ela continuaria falando muito mais, porém interrompi seu entusiasmo com uma desculpa qualquer, pouco convincente. Antes de desligar ela quis marcar um encontro, “um drinque apenas”, alegou que eu estava devendo. Prometi que ligaria outra hora.

16 comentários:

  1. Faço poesia porque é minha vida, meus sonhos, o sonho da humanidade, o sentimento compreendendo e explicando o mundo, que é inexplicável.

    ResponderExcluir
  2. que atriz linda!! vc deve conhecer mtos filmes bons rs...

    ResponderExcluir
  3. Me vi na Capitu, meu nome é Larissa, mas só quem me chama assim são os gerentes de banco e os teleoperadores, de resto é Lara mesmo :D

    ResponderExcluir
  4. Os fragmentos
    cada vez mais
    se encaixando.
    Essa narrativa
    entrecortada
    é fascinante,
    vale até reler
    os outros trechos.

    ResponderExcluir
  5. Capitu ao telefone: o verbo se faz carne como no princípio de tudo




    abraço

    ResponderExcluir
  6. EXCELENTE!

    A própria Capitu iria adorar!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  7. Fiquei pensando na paciência se esgotando, no cansaço de ouvir, sentir, permanecer e o olhar para o fone. Segundos depois a desculpa e ao desligar o pensamento "Machado de Assis deveria estar de porre". kkkkkkkkkkkkkkkkk

    bacio

    ResponderExcluir
  8. Acho que pessoalmente ela teria maior poder de fogo.

    ;)

    ResponderExcluir
  9. Poxa! Ela pediu apenas um "drinque"? Capitu todas somos ou fomos...abraços

    ResponderExcluir
  10. Herculano,quando vai juntar esses fragmentos geniais num belo livro?Adoro suas narrativas!Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  11. Well...se eu tivesse ligado, o desfecho seria bem diferente...rs, mas foi a Capitu...kkk

    ResponderExcluir
  12. Bom! E foi uma das fotos que mais gostei.

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails