terça-feira, 2 de agosto de 2011

A BELA TRISTEZA DE LÉA SEYDOUX

        Curiosamente, muitos comentários recebidos pela série FRAGMENTOS DE UM ROMANCE QUE NUNCA EXISTIU faziam referência à modelo que ilustrava as postagens: a atriz francesa Léa Seydoux. Não me incomodou o fato dela ter chamado mais atenção do que os textos, taí uma disputa que eu não fazia a menor questão de vencer.
        Sempre quis utilizar (e ainda quero) a imagem de Lauren Bacall no blogue, mas para esse universo essencialmente urbano, melancólico e reflexivo, tão agora, uma diva noir, uma femme fatale, não seria muito adequado. Léa Seydoux não foi uma escolha premeditada, aconteceu naturalmente. Gosto da empatia que ela tem com as câmeras, de não parecer que é feita de plástico, inatingível, de parecer com alguém que realmente existe, com todos os seus dramas e alegrias.
         Considero belíssima a sua tristeza.
        Léa Seydoux se destacou no filme A BELA JUNIE (La Belle Personne, 2008) de Christophe Honoré, onde interpretou a enigmática personagem título que despertava o interesse do seu professor, Louis Garrel. No ano seguinte, participou da produção de Quentin Tarantino, BASTARDOS INGLÓRIOS, na extraordinária sequência de abertura, ao lado de Christoph Waltz. Atuou, também, em ROBIN HOOD, de Ridley Scott e este ano encantou em MEIA-NOITE EM PARIS, de Woody Allen, interpretando a doce Gabrielle. Em breve, marcará presença no novo MISSÃO: IMPOSSÍVEL (Ghost Protocol), quando, certamente, ganhará um número ainda maior de admiradores.

25 comentários:

  1. tenho acompanhado os "fragmentos", porém sem comentar, por pura falta de tempo (e, no futuro próximo, por questões de felicidade... viagens acima de tudo e férias para os pés!). mas reparei que a pessoa da foto era a mesma. sou péssima de fisionomia e não reparei q era uma atriz. não assisti ao 1o filme q citou, procurarei em breve. e infelizmente ainda não tive a chance de ver o último do w. allen, apesar de muitos falarem mto bem (incluindo os que não entender seu humor sutil e ácido).

    vc tem razão, como a tristeza é bela numa de suas facetas... em tempo: ela tem um toque de scarlet johnson ou é impressão minha?

    beijos!

    ResponderExcluir
  2. O lance, Herculano, está na composição, depois do corte-e-colagem do seu Universo. Nós agradecemos que a eva-lilith Léa Seydoux tenha entrado, pois, no compósito. Isso, entanto, não desmerece a sua escrita, embora nos aguce alguns sentidos - diríamos - de estranhamento.

    ResponderExcluir
  3. Consideras lindamente, a tristeza dela é bela e reconfortante

    ResponderExcluir
  4. Herculano!

    Sei que sou estranha, mas a tristeza é bela.

    Aguardarei Lauren Bacall!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  5. Léa já é um poema em pessoa,
    poesia viva.
    Espero novos fragmentos.

    ResponderExcluir
  6. Entendi, poeta. rs...

    Aguardo novos fragmentos. (E figuras noir...)

    ResponderExcluir
  7. ela é tipo, a coisa mais linda q eu já vi!

    ResponderExcluir
  8. também aprecio muito atrizes com alma. Essa é uma delas, sem dúvida.
    Lembrou-me Hannah Schygulla, a eterna musa de Fassbinder.

    E, quanto a tristeza, é minha amiguinha de infância...hahaha...intimidade total; por isso, não me entristeço mais com ela. Tornou-se um combustível para os poemas. Reciclagem também se faz na poesia, ora!

    Beijo, Meu Rei!

    ResponderExcluir
  9. A menina da foto é linda mesmo, mas não tira a beleza dos teus escritos, não... São complementares.

    ResponderExcluir
  10. Quando assisti bastarfos inglórios, pensei, quem é essa desconhecida, e epsquiser e vi que ela é muito famosa na frança, e foi super legal encontrar um post sobre ela aqui! Ela é sensacional mesmo!

    ;]

    ResponderExcluir
  11. Também aprecio a tristeza analisada por esse contexto. E a maneira que Léa se apresenta é irretocável, talvez se colocasse mais producao "alegre" nao causaria o mesmo efeito bonito.

    ResponderExcluir
  12. Não há muitos atores que conseguem tanta expressão no rosto, no olhar que possa falar mais com as palavras. Gosto muito de ler textos que tem o poder de prender a minha atenção e fazer com que eu queira ler mais, saber como será o próximo passo e quando há o casamento perfeito com uma imagem então... é perfeito!

    Agradeço a sua visita ao meu blog!

    Bjs da Bagis

    ResponderExcluir
  13. (de fato, existem certas tristezas que são belas, essa moça aí é uma delas - e não se enerve com as artimanhas das mulheres, fazem parte da mise en scène)

    ;)

    ResponderExcluir
  14. Não li os FRAGMENTOS DE UM ROMANCE QUE NUNCA EXISTIU por ter encontrado o seu blog recentemente. A tristeza
    de Léa Seydoux aguçou a minha curiosidade.
    Bela tristeza inspiradora!

    ResponderExcluir
  15. Hey, Herculano agora me deixou ainda mais curiosa sobre o trabalho da Léa.
    Em beleza ela me lembra Scarlett Johansson mas essa melancolia artística vem de onde hein?
    Combinou perfeitamente com os textos.

    Abraço

    ResponderExcluir
  16. A beleza expressiva de Léa é inquestionável. Lembra Anna Karina. Mas acredito que uma diva noir casaria perfeitamente com um "universo essencialmente urbano, melancólico e reflexivo". Esse não é o clima enfatizado em qualquer filme Noir?

    O Falcão Maltês

    ResponderExcluir
  17. Preciso olhar mais as imagens... Sou obcecada por palavras, ora, ora...
    Beijos,

    ResponderExcluir
  18. Já conhecia e também gosto muito dessa atriz, apesar de os holofotes ainda não estarem em cima dela :)

    ResponderExcluir
  19. Ela é muito bonita. Foi sem dúvida uma boa escolha =) *

    ResponderExcluir
  20. Entre artes e faces, às vezes resulta difícil dizer qual é a mais bela.
    Sobre a canção para uma madrugada solitária, que tal "Les nuits sans toi", da Dalida?
    Beijos.

    ResponderExcluir
  21. Ela é lindíssima, mas a tristeza fica bem em muitos rosto, Considero bela essa tristeza. Gostei muito do seu espaço e vou estar a te seguir.Convido a conhecer meu blog, e se gostares me siga também. Um abraço e ótima quinta.

    Smareis

    ResponderExcluir
  22. Sempre bom estar aqui e te ler ! Meu carinho e o desejo de uma semana feliz.

    ResponderExcluir
  23. Ah, meu caro: precisando ir mais ao cinema... E você, aos Morcegos: corre lá, que tem poema e tem cinema...

    Acho que me lembro dela no início de "Bastardos Inglórios", mas os demais títulos, preciso ver urgentemente!

    Lindamente triste... Como parece a melhor beleza francesa...Eu era apaixonado pela Julie Delpy (e acho que ainda sou...)!

    Meu abraço!

    ResponderExcluir
  24. Conheci essa moça no filme de Honoré, ao lado de Garrel, e adoeci de tanta admiração... É a coisa mais desejável que pode existir no planeta... Não lembrava o nome dela... Linda, linda, linda. E linda também.

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails