sábado, 16 de julho de 2011

(...)

Deixei de realizar minhas visitas ao asilo há mais de um mês, recebo algumas ligações da diretoria, mas não atendo. Não sei por que eles insistem, ele nunca sabia quem eu era mesmo - éramos apenas estranhos. Engraçado é que eu também passei a ter cada vez menos recordações, e o pouco que recordo parece que não me pertence, é como se fosse um filme que vi há muito tempo, algo que me contaram. São trechos desconexos, esmaecidos, lembranças em Super-8. Confesso que já não tinha paciência para todo aquele teatro, para brincar de recomeçar a cada encontro: antes era dolorido; agora, indiferente.


19 comentários:

  1. Puxa...
    esse trecho me fez relembrar
    fortemente como me sinto
    não na fixão, mas
    na re
    a li
    da
    de...
    Saudades daqui...
    bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  2. Não desmerecendo os textos que nunca vão existi.. Mas tenho amado as fotos da atriz.. Rs! Se cuida!

    ResponderExcluir
  3. Antes era dolorido, agora é indiferente, depois será insuportável. Ou não? Não sei.
    beijoss

    ResponderExcluir
  4. A memória é também emoção. Quando esta se apaga, apagam-se juntamente os vestígios que a elas se ligavam... Fez-me refletir.
    Abraço,
    Ana Ribeiro

    ResponderExcluir
  5. Ainda que desconexos
    consigo perceber claramente
    o elo entre os dois fragmentos,
    até agora.

    ResponderExcluir
  6. Entretanto era assim que às vezes me sentia quando ia visitar meu pai. Achava ou não que ele me reconhecia, mas eu ia, melhor eu fui durante 13 anos. E não me arrependo. Só me arrependo da impaciência que sentia e agora lendo seu texto entendi.

    Excelente!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  7. Recordações emprestadas...
    Um grande bj querido amigo

    ResponderExcluir
  8. Belo texto, intenso, duro.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  9. Ele não sabe (mais) quem eu sou, mas eu sei quem ele é...

    ResponderExcluir
  10. Esquecer é ter que recomeçar todos os dias. Lembrei da minha avó, do mal de Alzheimer que chegou cedo na sua vida, do próprio rosto que não reconhecia no espelho, das duas pessoas que ela era: uma que eu lembrava e já não via, a outra que se esquecia e se esquecia: quem era aquela? Nem eu sabia...
    Beijos,

    ResponderExcluir
  11. estou na (terrível) fase de me tornar indiferente até aos meus mais profundos dramas. não sei se isso é grave.

    parabéns pelo blog, tudo muito inspirador.

    abraço.

    ResponderExcluir
  12. Se deixar de ir ao asilo, deixará de lado um lado que é seu e de mais ninguém. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  13. Passando para lhe desejar um bom final de semana!
    Beijos e abraços

    ResponderExcluir
  14. Lembranças em super 8 é demais.

    ResponderExcluir
  15. Às vezes me sinto assim, como se eu estivesse inventando as minhas histórias e me surpreendo. Pôxa, como eu vivi tudo isso, como aguentei?
    Parecem histórias dos outros, de filmes ou livros. Então me sinto feliz: ESTOU VIVA!
    BEIJOS

    ResponderExcluir
  16. Fiquei curiosa pra saber o que sao "lembranças em Super-8"


    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. a indiferença é um dos piores (ou melhores) estágios nos quais podemos chegar.

    ResponderExcluir
  18. a indiferença é mais aguda que a dor ...

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails