terça-feira, 10 de maio de 2011

QUINZE ANOS

        Acho que demorei uma eternidade até completar quinze anos. Minha infância parecia não ter fim e lembranças dela não me faltam. Outras pessoas me dizem o contrário, para elas a infância foi curta como um sonho bom - talvez eu tenha vivido meus primeiros anos acordado ou simplesmente me permiti ser criança o máximo que podia. Ser adulto nunca me seduziu, para isso não tive pressa.
        Meu sobrinho mais velho completará quarta-feira quinze anos, dizer que “parece que foi ontem” não é um lugar-comum inevitável, melhor seria afirmar que “parece que foi há poucos anos”. A impressão que tenho é que o tempo que ele levou para completar quinze eu levei para completar cinco.
        Na letra de “Quinze Anos (Vivendo e não Aprendendo)”, da banda paulistana IRA!, Edgard Scandurra fala sobre um homem “que se diz maduro”, “que se diz seguro”, mas quando “se apanha chorando” é como se ele voltasse a ter quinze anos, onde poderá recomeçar sorrindo. Quinze anos é o meio do caminho. Nem adulto nem criança. Certamente é quando nos sentimos mais fortes, mesmo sendo tão frágeis. É quando se abre em nossa frente um frenético leque de possibilidades, de caminhos, de escolhas, de novidades. Irônico é notarmos, muito depois, que poderíamos ter aproveitado melhor aquilo que já tínhamos aproveitado até ao final.
        Apenas após ultrapassar os quinze anos, percebi como o tempo é voraz. Agora "envelheço na cidade".

43 comentários:

  1. Poxa...que saudade!
    Suas palavras me emocionaram...

    Um beijo Herculano!

    ResponderExcluir
  2. e não é?
    é o que me diziam também "depois dos quinze,o tempo vooa" ,justamente por esse momento faço meus dias únicos realmente da forma que são!
    Belas Palavras!
    Beijos a ti*

    ResponderExcluir
  3. Caraca! Tava refletindo sobre isso essa semana e rabisquei: Naquilo que nos seja subjetivo, na percepção que cada um faz do tempo, dizem, a melhor época passa rápido, ao passo que os anos ruins se arrastam longamente. Engraçado constatar que os tempos da infância, talvez porque os melhores, passam à conta-gotas, ao passo que adolescência e juventude correm consideravelmente mais velozes... lembro que, na infância, as férias são uma eternidade e se chegava até a sentir saudade das aulas...

    :)

    ResponderExcluir
  4. Adorei o texto, acho que é exatamente como você disse, com 15 anos é metade do caminho, nem criança, nem adulto.. A minha infância passou correndo..Rs!


    Sorte!

    ResponderExcluir
  5. Queria ter 15 anos com a cabeça que tenho agora, falta para a juventude maturidade, mas isso é impossivel na maioria das vezes. O ideal seria nascermos como Benjamim Button: velho e ir rejuvenecesndo.

    ResponderExcluir
  6. Forte isto! Vivi e vivo estes mesmos sentimentos em relação ao tempo ...

    ResponderExcluir
  7. Sabe, acabei de me lembrar de uma coisa ótima: não tive festa de quinze anos!...

    ResponderExcluir
  8. Jamais me ocorreu pensar a minha idade em termos de décadas, creio que é porque ainda estou com quinze anos. Talvez ocorra de algum dia, em alguma esquina, por algum fato, eu envelhecer subitamente cobrindo em algumas horas toda a defasagem. Mas desconfio que morrerei estando ainda com quinze anos, nesse misto de vontade de viver e inépcia para a vida.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Esse "meus 15" foram aos 17 anos...
    Posso dizer que nessa época o tempo não passava e nem eu queria.
    Ótima terça para você.
    Beijos
    Nai

    ResponderExcluir
  10. Sabe o que somos hj? Nossa infância. Triste aquele que não guarda dentro de si o cheiro dos quinze anos.
    Bjs meus.

    ResponderExcluir
  11. Ter 15 anos é difícil, ficamos com a ansiedade de chegar aos 18. Costumava brincar com minhas sobrinhas e dizer que não aguardassem com essa ansiedade os 18, que aproveitassem os 14/15/16/17 anos. Foi depois dessa idade que não consegui mais controlar o meu tempo. O trabalho e as responsabilidades começam a torná-lo cada vez menor. Por isso mesmo, vamos viver o espaço que temos neste segundo, nesse minuto... ele vai continuar passando, ou melhor, correndo.

    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Nossa, são poucas as vezes em que um texto mexe tanto comigo. Esse me tocou fundo...Lindo, lindo, lindo!

    ResponderExcluir
  13. Ah..meus 15 anos...
    Voce tem razão, o tempo é voraz!
    bjossssss

    ResponderExcluir
  14. Senti até um gelinho na barriga! É tão verdadeiro, nós já sabemos.

    Uma semana produtiva...

    Bjos.

    ResponderExcluir
  15. uma criança em gozo pleno da sua infância transforma uma hora em dez e tudo se agiganta com o tempo, perante seus olhos.

    ResponderExcluir
  16. Até chegarmos aos 15 parece uma eternidade mesmo, mas depois... parece o tempo nao perdoa!
    Pra mim que a medida do tempo é só uma convenção, na tentativa de se sincronizar de algum jeito.

    Bem envolvente andam seus textos ultimamente, tô gostando.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Quando tinha 15 queria chegar rapidamente ao 18...

    Erro meu:)

    ResponderExcluir
  18. O que eu mais queria quando criança, era crescer. Ah, se remorso matasse...
    bjs.

    ResponderExcluir
  19. Meu caro, lembro-me dos amores platônicos, elas tinham muito mais que dezesseis. Abraço.

    ResponderExcluir
  20. Às vezes acho que terei 15 pra sempre.

    ResponderExcluir
  21. Eu tive infância. Brinquei muito. :D abs

    ResponderExcluir
  22. Às vezes me pego tendo quinze anos...

    ResponderExcluir
  23. melhor época da vida em minha concepção é a infancia, sem responsabilidade de nada, sem preocupação com nada, crianças simples que não sabem de nada porque as veses é mais legal não saber de nada para dar risada.

    ResponderExcluir
  24. e não é que é verdade? e eu aqui rumo aos 24! oq é isso? cadê meus dez anos atrás? =O

    ResponderExcluir
  25. A vida caminha em espiral e muitas são as vezes em que nos deparamos com situações já vividas e que nos fazem pensar. Aquilo que acontece com os outros acontece também à nós e já aconteceu com nossos pais e todos os que viveram antes e também com os que virão depois de nós.
    As épocas e conceitos mudam a maneira de ser e agir, mas os sentimentos continuam iguais.
    Abraço
    Angel

    ResponderExcluir
  26. O tempo não perdoa nada nem ninguém. Leia os posts: O tempo está passando e Vida útil[sucatas], lá no Meio Desligado. Abraço!

    ResponderExcluir
  27. Me assusto pensando como o tempo me enganou. Pensei que a velhice fosse me surpreender plena de sabedoria...Ledo engano. Continuo boba.
    Gde abraço, em divina amizade.
    Sonia Guzzi

    ResponderExcluir
  28. heheheheh...
    engraçado como o tempo, por mais que tentemos, nunca vamos vivê-lo cronometradamente!Existem momentos que duram um segundo passando horas, outros uma eternidade num minuto...
    :D

    ResponderExcluir
  29. Como o tempo voa, meu amigo! e quando menos esperamos, já estamos no fim! Lindo texto

    www.robertavladya.blogspot.com

    ResponderExcluir
  30. Acho que o tempo demora muito a passar antes dos quinze, pq é quando a gente arranca dentes, nasce dentes(e parece que não vão caber na boca, depois parece que temos mãos que nao são nossas, pés de pavão, nariz, orelha, tudo cresce exageradamente. Dá vontade de hibernar até passar a fase. Aos quinze estamos melhorzinhos(ao menos as meninas estão já umas fofas), os meninos ainda ranhetam a voz, mas já está equilibrando os membros. Depois dos quinze, onde já está tudo certinho, não contamos avidamente mais para que os dias passem, aí eles passam e a gente fica querendo que parem... Mas não param, ao contrário, pirracentamente voam. E nós envelhecemos sem notar.
    Abraços

    ResponderExcluir
  31. ele voa, voa mas por momentos parece que não andará!

    http://sincerossuspiros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  32. Sinto o mesmo vendo meu primo completando 18 anos.
    Passou MUITO rápido!!

    E como você, minha infância tbm demorou, porque também não tive a mínima pressa de crescer. Foi intenso.

    Acho que o segredo para fazer o tempo dar uma trégua é nos entregarmos aos momentos com a mesma intensidade de quando éramos novinhos.

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  33. Por isso é necessária aproveitar ao máximo, o tempo, esse, sempre é implacável.

    Abraços Imundos!

    ResponderExcluir
  34. lembro que comecei a me preocupar com o transcorrer do tempo quando completei meus 17 anos! achava que curtia a vida plenamente aos 16 e por mim ficaria por ali. esse ano cheguei nos 30 e nao me sinto nem um pouco parte desse 'universo'. acho que ainda busco aquela sensacao de apreciacao da vida no vagar dos tempos sem grandes responsabilidades...

    ResponderExcluir
  35. Duas excelentes músicas que também tratam do saudosismo que sentimos em relação a essa fase da vida são "Catorze anos", de Paulinho da Viola, e "Doze Anos", de Chico Buarque (gravada em parceria com o malandro moreira da silva, se nao me engano). É inevitável não querer reviver uma época tão boa, mas prefiro acreditar que a melhor fase ainda está por vir!

    ResponderExcluir
  36. Devidos aos problemas ocorridos no blogger alguns comentários realizados nesta postagem simplesmente desapareceram.

    ResponderExcluir
  37. Cara só sei de uma coisa...depois dos quinze o tempo não passa, ele voa!kkkk!
    bjs!

    ResponderExcluir
  38. Nostalgia, mas não chego a ter saudades...Talvez só do tempo que ainda tinha pela frente.

    ResponderExcluir
  39. Caramba, eu também era assim, queria muito completar logo 15 e depois 18 anos, agora vejo o tempo se exvair por entre os dedos e como passa rápido! Quem me dera voltar aos 15 anos, nunca mais iria querer envelhecer logo.

    Beijocas querido...

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails