segunda-feira, 28 de março de 2011

POEMA INÉDITO II

sem bússolas
sem mapas
sem rotas

pouco importa saber onde estou

o meu dia é feito de encruzilhadas
de tamburellos
de labirintos
desvios

nenhum acaso me guia

Herculano Neto

41 comentários:

  1. Ôpa! Inédito! Vou copiar...rs


    Beijo Herculano!

    ResponderExcluir
  2. E no entanto...Caminhamos.

    Para onde?

    Não sei:)

    ResponderExcluir
  3. os mapas são péssima orientação,


    abraço

    ResponderExcluir
  4. Navegar só é preciso, porque conta com bússola, astrolábio, mapa, estrela e tudo mais... viver, não [sem rascunho, mapa, idéia ou noção]...

    Bela construção! :)

    ResponderExcluir
  5. "Somente aqueles que nada esperam do acaso são donos do destino."
    Matthew Arnold
    Um ótimo dia pra ti.

    ResponderExcluir
  6. Sem nada sempre encontramos algum lugar. Quando não há razão para nada tudo se torna especial.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Herculano, seu caminho não é apenas cada manhã, é cada instante.
    E se deparar com a curva Tamburelo, tal qual Ayrton Senna, é um achado.

    ResponderExcluir
  8. Sabe que eu me identifiquei forte com isso, e a imagem tá encaixando perfeitamente como tá minha cabeça hahaha

    ResponderExcluir
  9. Viver intensamente cada instante, ou estar inteiro no momento presente é a única rota, por si mesmo, o anelado porto...

    Um abraço

    Marlene

    ResponderExcluir
  10. Oi...

    ahh...queria minha vida assim....

    Amei seu poema!


    Zil

    ResponderExcluir
  11. Predestinado, ou não, segue-se.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. É melhor desorientarmo-nos. Quem sabe assim nos encontremos. Abraço.

    ResponderExcluir
  13. This is just beautiful! I really like it!

    Have a nice day! :-)

    ResponderExcluir
  14. Gostoso ter opções!

    Saber trilhar um caminho, ter a responsabilidade sobre suas próprias escolhas!

    ResponderExcluir
  15. A mim, também pouco me importa para aonde vou.. Bju!

    ResponderExcluir
  16. tenho um astrolábio. antiquíssimo. um tio o comprou numa feira em Tânger e me deu de presente.

    os mecanismos de ajuste esclerosaram, em tantos anos de azinhavre acumulado. o que o torna utilíssimo. impossibilitado de ler as estrelas, resta-lhe o peso excessivo, sua virtude essencial.

    se saio de casa com ele embaixo do braço, nunca me perco: chego sempre ao primeiro bar e atraco, extenuado mas pronto para viajar em qualquer bom papo.

    abraço

    ResponderExcluir
  17. Lembrou-me um poema do Antonio Machado (poeta sevilhano), que em quase todo texto que se lê por lá, está posto: "...caminante no existe el camino, el camino se hace al caminar..."

    Quase nunca os meus ensaios para vida dão certo...

    ResponderExcluir
  18. Gosto de não ter rotas pré-estabelecidas.
    Um grande bj querido amigo

    ResponderExcluir
  19. Quase sempre me sinto assim!

    Boa semana pra você!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Isso está parecendo a minha vida, escreveram uma história, eu sou a personagem principal mas não estou sabendo de nada. Nem sei se terei final feliz.

    ResponderExcluir
  21. tudo são ensaios. porque viver é preciso!
    é bom seguir seus passos. a manhã fica mais poética!
    beijo

    ResponderExcluir
  22. Ai, Herculano, essa vida sem GPS...
    Lindos, os seus versos!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  23. me lembrou uma musica do Humberto Gessinger assim:

    "âncora, vela
    qual me leva?
    qual me prende?

    mapas e bússolas
    sorte e acaso
    quem sabe?
    do que depende?"

    parabéns pelo seu blog, gosto daqui!
    beijos

    Paixão, http://tudoqueficanoar.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  24. e nessa dança acabamos por viver.

    belo poema!

    ResponderExcluir
  25. Lindo seu blog!
    Vim conhecer e fiquei!!!
    Bjo!

    ResponderExcluir
  26. Caro amigo, não diria perdido! Afirmo: um achado... Abração.

    ResponderExcluir
  27. Ah, mas o Acaso é um guia que aceito. Talvez o único...
    Bela construção.
    Beijos,

    ResponderExcluir
  28. Adorei a citação da fatídica curva Tamburello no verso, realmente é um caminho que não queria seguir.

    ResponderExcluir
  29. Muito bom.
    A vida não nos da um mapa e as vezes é se perdendo que a gente trilha o próprio caminho. Ninguém tem certeza de que está certo, o importante é aprender com cada passo.
    =*

    ResponderExcluir
  30. Nenhum acaso me guiou até aqui também, mas uma seta certeira e invisível, sim.

    Um abraço e um convite para um café em:
    marielza-tiscate.blogspot.com

    ResponderExcluir
  31. Como esse poema me vestiu completamente hoje, tomei a liberdade de postá-lo em meu blog com suas referência (nome e blog). Por favor, me diga se desejar que eu o retire de lá.

    Abraço grandão

    ResponderExcluir
  32. Vi um comentário seu em outro blog e ele me despertou curiosidade, pela clareza da observação.
    Assim, o ACASO me trouxe a esse seu cantinho lindo e poético.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  33. MUITO BOM...
    PARABÉNS...
    EU PERDIA A ROTA... SINDROME DE ALICE ETERNA...

    Passei pra desejar um otimo domingo!
    bjos

    ResponderExcluir


  34. OLÁ PARABÉNS, PELA SUA POESIA MUITO LINDA.
    VIVER SEM ROTA OU DESTINO É MUITO BOM.

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails