terça-feira, 31 de agosto de 2010

CAVALO DE PAU


           Minha inocência talvez tenha sido o bem mais valioso que perdi, depois que me mudei para a capital. Gradativamente, fui deixando de enxergar em mim aquele menino do interior. E por mais que eu o procure – num canto da sala, em algum canto dos olhos –, sei que jamais o reencontrarei. A inocência é irrecuperável, alguém já me disse.
           Na canção “Cavalo de Pau”, de Alceu Valença, gravada no disco homônimo de 1982, essa perda é representada pelo cavalo de brinquedo que torna-se arisco, indomável, feito o tempo ou o vento. O onirismo da letra ganha mais força com o arranjo seco, sutil, que está mais para o rock do que para os ritmos regionais tão atrelados ao nome do autor, e que perfeitamente encaixa na visceralidade final da interpretação.
           Provavelmente, buscar minha inocência seja mesmo um exercício inútil. Mas continuarei procurando.

CAVALO DE PAU
(Alceu Valença/ Dominguinhos)

De puro éter assoprava o vento
formando ondas pelo milharal
teu pelo claro boneca dourada
meu pelo escuro cavalo-de-pau.

Cavalo doido por onde trafegas
depois que eu vim parar na capital?
Me derrubaste como quem me nega
cavalo doido, cavalo-de-pau.

Cavalo doido em sonho me levas
teu nome é tempo, vento, vendaval
me derrubaste como quem me nega
cavalo doido, cavalo-de-pau.


 

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

ADEUS...


          Um dia, encontrei uma linda morena no Tororó. Mas, diferentemente da cantiga de roda, sempre voltei para revê-la. Durante muito tempo, sorrimos, gritamos e choramos juntos (não tem preço a alegria que ela me proporcionou).
          Infelizmente, os últimos tempos foram apenas de sofrimentos. Às vezes penso que sua morte foi até um alívio. Antes mesmo do acidente, ela já andava entristecida, sem o brilho de outrora. Nessa época, minhas visitas se tornaram cada vez menos frequentes. Quando me disseram que ela estava internada e que seu estado era grave, confesso que não tive coragem de reencontrá-la – não suportaria vê-la naquela situação.
          Sei que domingo será o seu funeral, e o domingo era o dia em que mais nos divertíamos, no entanto não irei. Prefiro guardar para o fim a lembrança mais bonita.

domingo, 22 de agosto de 2010

UM MISERÁVEL A VER NAVIOS


um miserável a ver navios*
Herculano Neto

sempre perco
sempre falta
sempre sofro
sempre fico a ver navios

(“sem sentido para o céu
indiferente para o inferno”)**

sempre despedaço
sempre precipito
sempre espero
sempre fico com as mãos abanando

miserável esmolando afeto é o que sou


 *poema integrante do livro CINEMA (Prêmio Braskem Cultura e Arte 2007);
**BERGMAN, Ingmar. O Sétimo Selo. Suécia, 1956.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

CORTEM A CABEÇA DELA!


Poema Convulsivo

(Fabrícia Miranda)

Essa noite é de romances bizarros
Guardo uma navalha no bolso
para o caso de um flagelo

Por trás do meu rosto um medo
e por trás do medo um rosto.

Hoje estou excepcionalmente bela
com olhos de rímel e lágrimas
e cabeleira desgrenhada

E agora, de tão tarde, conto apenas comigo
para falar de mim mesma.

(Poema do livro Ritos de Espelho, 2002)


Fabrícia Miranda (ou simplesmente Fulana Miranda) é uma poeta carioca radicada na Bahia. É do signo de Peixes com ascendente em Touro e lua em Áries. Formada em Letras pela UFBA, é uma das principais representantes da poesia baiana contemporânea e da nova geração de poetas brasileiros. Publicou, pela Fundação Casa de Jorge Amado, o livro de poemas RITOS DE ESPELHO, em 2002.


Outros poemas de Fabrícia Miranda em seu blog:

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

TECHNOLOGIE AVEC ÉLÉGANCE


          Quando atendo ao telefone celular, é comum eu escutar um “onde você tá?”, “tá fazendo o quê?” ou simplesmente irem diretamente ao assunto — costumo replicar com um “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite”, seguido de um acintoso “tudo bem?”. Sou do tempo do telefone fixo.  Não faço como aqueles que conversam interruptamente em seu iPhone, sem a menor discrição ou necessidade, e em alto e bom som, apenas para gastar os bônus oferecidos pela operadora de telefonia, obrigando a quem está por perto a saber como foi a noitada passada ou a cirurgia de catarata da avó.
          Tenho a delicadeza de responder a todas as mensagens eletrônicas que recebo, nem que seja apenas para confirmar que recebi o anexo, embora muitos e-mails que envio pareçam cair no limbo (ao encontrar o destinatário pessoalmente a desculpa mais frequente, e desnecessária, é “não tive tempo para responder” ou um mentiroso “não recebi, envie novamente”).
          Em locais públicos, como salas de espera, supermercados, ônibus, filas... sempre há alguém que saca o tocador de MP3 e dispara sua seleção de axé-music, rap ou o melhor internacional de novelas, para quem quiser ou não quiser compartilhar do seu ecletismo — o que torna qualquer espera ainda mais angustiante.
          Adoro tecnologia, mas não sabia que ela estava atrelada à deselegância.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

BORBOLETAS DE MENTIRA


          Durante a infância, minhas irmãs mais velhas colecionavam bichinhos de mentira: brinquedos, miniaturas, imãs de geladeira, adesivos, pijamas, papel de carta... Apenas eu não colecionava nada.
          Uma noite, folheando uma revista antes de dormir, num desses quartos de hotel, me deparei com o anúncio de uma sex shop, onde ofereciam, entre outras coisas, vaginas de borracha. Curiosa, apanhei o telefone e encomendei uma. Satisfeita, adquiri outras; variando nas cores, nos formatos, nos tamanhos. Comprei de plástico, de metal, de chocolate, de cristal, de argila, de madeira... Quando eu dei por mim já possuía centenas.
***
           Nas Bodas de Ouro dos meus pais a família inteira, após muitos anos, se reuniu. Na cozinha minhas irmãs confeccionavam o bolo. Sentada à mesa eu assistia à cena com minha mãe e uma sobrinha, Amanda, que colecionava ursinhos, mantendo viva a tradição que recebera como herança. Interrogada pela menina se nunca havia colecionado algo, respondi:
           — Coleciono borboletas. Borboletas de mentira.

Esse e outros microcontos em MAIS UMA DOSE.
Baixe o livro gratuitamente AQUI.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

MAIS UMA DOSE


MAIS UMA DOSE é um volume de microcontos dos escritores Ediney Santana e Herculano Neto. São trinta textos de cada autor, num tom muitas vezes poético, noutras crítico e bem humorado, que transitam entre o universo fantástico e a realidade urbana mais comum. Com prefácio de Tom Correia e revisão de Gerana Damulakis, MAIS UMA DOSE provoca vários sentimentos, menos a indiferença.
Baixe o livro gratuitamente AQUI.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

ANIVERSÁRIO



Envelheço sem paciência:
têm pressa, meus cabelos brancos.

Related Posts with Thumbnails