segunda-feira, 29 de março de 2010

PONTO CEGO

ponto cego*
Herculano Neto

cansei dos olhos
do brilho falso dos olhos
dos cabelos tingidos dos olhos

cansei

cansei do olhar
do desvio do olhar
do branco vestido do olhar
de me cansar



*Um poema ingenuamente dramático esquecido na gaveta da adolescência entre fotos e outros papéis. Ilustrado com os olhos de Zooey Deschanel e um novo título.

quarta-feira, 24 de março de 2010

A VINGANÇA DOS INTITULADORES

          Quem acompanha cinema conhece os filmes antes deles serem lançados no Brasil, por isso é comum escutar algum cinéfilo, não por esnobismo, pronunciar o título na língua original. Este ano alguns filmes que concorriam ao Oscar® me chamaram a atenção não pela obra, mas pela denominação que ganharam por aqui. Fiquei impressionado com a criatividade dos departamentos de marketing das distribuidoras brasileiras, que conseguiram transformar “The Blind Side” em UM SONHO POSSÍVEL, “Up in The Air” em AMOR SEM ESCALAS e, acredite, “A Single Man” no novelesco DIREITO DE AMAR. Sei que filme é um produto e que deve ser vendido da melhor forma, mas não precisa tripudiar a inteligência do espectador com inusitadas criações – que confundem mais do que explicam e até afugenta e engana parte do público. Não estou a fazer campanha para o uso dos títulos originais nem para a tradução literal, mesmo porque alguns são de difícil pronúncia e outros são intraduzíveis ou ininteligíveis, apenas queria que houvesse um pouco de bom senso e tentassem ao máximo preservar seu sentido. Na maioria das vezes os funcionários desses departamentos sequer assistem aos filmes, apenas se valem da sinopse e palavras chave. Termos como: do barulho, da pesada, confusão, em apuros, fatal, uma família, segredo, vingança, surpresa, atrapalhada, loucura, mortal, entre outros, estão sempre na mesa. Parece até que as palavras são sorteadas e o resultado é o nome do filme. Não me surpreenderia se eu encontrasse numa prateleira de locadora algo como UMA VINGANÇA DA PESADA ou LOUCURA MORTAL (se é que já não existem). Expressões populares também fazem a alegria desses profissionais, daí “The Heartbreak Kid” transfigurar-se em ANTES SÓ DO QUE MAL CASADO, “Knocked Up” virar LIGEIRAMENTE GRÁVIDOS e “Uncle Buck”, QUEM VÊ CARA NÃO VÊ CORAÇÃO. Experimente observar o título original do próximo filme a que assistir e é quase certo que encontrará algo inacreditável, vide “Shane” (OS BRUTOS TAMBÉM AMAM), “Bonnie and Clyde” (UMA RAJADA DE BALAS), “The Graduate” (A PRIMEIRA NOITE DE UM HOMEM) “The Giant” (ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE), “West Side Story” (AMOR, SUBLIME AMOR) ou “Total Recall” (O VINGADOR DO FUTURO). Se o tempo tornou aceitável esses o que dizer de “Fly me to the Moon” (OS MOSCONAUTAS NO MUNDO DA LUA), “Zack and Miri Make a Porno” (PAGANDO BEM QUE MAL TEM) e “The Hangover” (SE BEBER, NÃO CASE)? Além dos casos de “Down by Law” que foi abrasileirado para DAUNBAILÓ e “Taxi Driver” que ganhou e perdeu o epíteto MOTORISTA DE TAXI. Já “Ocean’s Eleven” se tornou ONZE HOMENS E UM SEGREDO, pior foi em Portugal que o rebatizaram como FAÇAM AS VOSSAS APOSTAS (“Vertigo”, um dos muitos clássicos do mestre Hitchcock, que aqui é UM CORPO QUE CAI virou A MULHER QUE VIVEU DUAS VEZES para os portugueses).
           Os professores de gramática poderiam utilizar esses títulos em suas aulas, um exemplo de paradoxo seria MEU PRIMEIRO AMOR 2, de pleonasmo O PEQUENO STUART LITTLE e de cacófato FÉ DEMAIS NÃO CHEIRA BEM. É raro, mas há vezes em que a versão brasileira é melhor que a original, como “The Shawshank Redemption” (UM SONHO DE LIBERDADE), o oscarizado “Million Dollar Baby” (MENINA DE OURO) ou o filme de 1986 com Anthony Hopkins e Anne Bancroft sobre a longa correspondência entre dois desconhecidos, cujo título original é o endereço de uma livraria (“84, Charing Cross Road”) que no Brasil gerou o suspirante NUNCA TE VI, SEMPRE TE AMEI.
           Por brincadeira resolvi submeter a denominação do meu blog, POR QUE VOCÊ FAZ POEMA?, ao departamento de marketing de uma famosa distribuidora, juntamente com as palavras chave POESIA, CINEMA e INTERSECÇÕES, alegando que eu era um produtor e pretendia divulgar por aqui essa nova comédia argentina. Surpreendentemente, duas semanas depois, recebi a inspirada sugestão: DEU A LOUCA NA POESIA.

sexta-feira, 19 de março de 2010

INÉDITO & DISPERSO

inédito & disperso
Herculano Neto
-
publicado deixei de ser inédito
mas esse espírito disperso
esse
é impublicável

terça-feira, 16 de março de 2010

TRANSA (MOJO BOOKS)

Na noite passada Júlia, completamente bêbada, falou que não havia lido o livro, mas me presenteou com Tristes Trópicos, de Lévi-Strauss, e uma fita K-7 com algumas canções do Let It Bleed, dos Stones, disse ainda, numa concordância e regência impecáveis, doces palavras do mar, como letras de um fado amargo. Eram tão bonitas aquelas mentiras que não tive a coragem ou vontade de negá-las. Não que eu quisesse acreditar, longe disso, mas eu precisava ouvir frases assim: carentes de realidade e que me conduzissem a um universo paralelo no qual não me permitiria jamais a residência, somente esporádicas visitas. Como ficou fácil prever, aquelas mentiras repercutiram durante a eternidade de uma única noite – nada mais.
***
Nunca obedeci a cronologia da vida e a sua imposição de lógicas, no entanto, sinto algo, em mim, se despedindo: “Já não era a hora”, diriam satisfeitos os prematuramente vencidos pela idade (o adeus me escolheu como quem escolhe entre cores). Dificuldades se agrupam e esperam de mim uma força inusitada ou uma tristeza imediata: nada encontram. O que aguardar de alguém como eu? Poucos amigos, pouca sorte, poucas circunstâncias... Quase todos ignoram a minha parca existência, o que, de certa forma, é um enorme favor. Abduzido pela apatia nenhum fulgor acrescento em quem naturalmente reluz. Protagonizo farsas e acredito em absurdas hipóteses, o que me obriga a recomeçar a qualquer oportunidade menos trágica de felicidade. Longe dos holofotes da hipocrisia sou simplesmente um espectador que distraidamente assiste aos segundos e coleciona suas frustrações.


Baixe na íntegra, e gratuitamente, o livro TRANSA,
de Herculano Neto e Vanessa Rodrigues
baseado na obra homônima de Caetano Veloso,
no site da MOJO BOOKS.

quarta-feira, 10 de março de 2010

A COR DO MENINO



A COR DO MENINO 
(Milton Primo/ Herculano Neto)
 

Se é negro, branco ou índio
O que importa a cor do menino?

Se é mulato ou se é pardo
O que importa se for misturado?

Se é verde, amarelo ou vermelho
O que importa o que diz o espelho?

Se é ruivo ou se é loiro
O que importa a cor do seu olho?

Se ele é branco ou não
Se ele é negro ou não
O importante é o seu coração
(O importante é que ele é meu amigo).


Canção infantil que faz parte do disco/livro PAPOS D’VERSOS, que será distribuído este ano na rede municipal de ensino de Salvador (BA)

segunda-feira, 8 de março de 2010

MANHÃ DE SEGUNDA-FEIRA

           Domingo é dia de futebol (até quem não gosta do esporte bretão sabe disso). No domingo são disputados os grandes jogos, as grandes batalhas. Domingo é dia de ir ao estádio, de estender a bandeira na janela, de lavar o carro escutando o hino do seu time. Domingo é dia de remarcar compromissos, de não marcar compromissos, de bater ponto na frente do televisor, de sintonizar o radinho na resenha esportiva. Domingo é dia de torcer, se enfurecer, se decepcionar, xingar a mãe alheia. Mas, principalmente, é dia de festa, de êxtase, de epifania (domingo também é dia de ir à igreja, mas só é sagrado por causa do futebol).
           Caderno de esportes, campeonatos europeus, jogos ao vivo, mesa redonda, gols da rodada, artilheiro pedindo música... É tanta bola no domingo que chega a ser insuficiente suas vinte e quatro horas, talvez por isso o futebol avance sem pudores pela manhã de segunda-feira – que começa no cumprimento do porteiro; passa pelo papo informal na padaria; pelas manchetes dos jornais nas bancas de revista; pela diversidade colorida dos uniformes dos clubes ostentados com orgulho pelas ruas; pela conversa animada na barbearia; pelos pontos de ônibus, praças, escritórios, construção. O grito do gol de ontem ecoa sem cessar, para a alegria sem fim de uns e dor de cabeça de outros. Aliás, para quem perde, a manhã de segunda-feira é assustadoramente longa - e chuvosa mesmo com sol. O cafezinho na repartição é mais amargo, não se folheia jornais nem se assiste à tv, ouve-se calado o gracejo vingativo do colega e conta-se os minutos para que o dia termine ou que logo chegue a próxima segunda. O certo é que a segunda-feira é dia de comemorar, dia de deixar o riso fácil ganhar o rosto; dia de rememorar, de tirar sarro do adversário; dia de estender o horário do almoço até o final do último programa esportivo só para rever os melhores momentos como se fosse a primeira vez – com direito a nova reclamação da arbitragem. Na segunda não há mais tensão, apenas alívio e certezas.
           Enfim, o futebol pode ser casado com o domingo e dormir fora na quarta, mas a manhã de segunda-feira ainda é sua melhor amante.

terça-feira, 2 de março de 2010

O SEU RETRATO


o seu retrato
Herculano Neto

o seu retrato já não
me incomoda
o seu sorriso já não
me incomoda
o seu perfume já não
me incomoda
sua lembrança já não
me distrai


Escute o poema recitado
pelo autor no PALCO MP3.



Related Posts with Thumbnails