sexta-feira, 3 de setembro de 2010

ÁLBUM DE FAMÍLIA


          Nas caixas abandonadas no sótão havia alguns álbuns. Eram dezenas de fotografias amareladas (de pessoas com sorrisos amarelos em suas poses programadas). Entre tantas  polaroids desbotando, encontrei uma dela: o jeito esnobe,  o olhar tímido, o enquadramento equivocado. Ela foi o melhor de mim e isso, por incrível que pareça, não é um elogio. p

Esse e outros microcontos em MAIS UMA DOSE

52 comentários:

  1. Lindo demais
    as melhores lembranças estão nas fotografias
    parabéns pelo texto
    simples mas tocante

    ResponderExcluir
  2. Já gostei mais de fotos. Eu me convencia que eram simplesmente capturas de momentos reais. Mas hoje já consigo enxergar o que há por trás de cada face congelada.

    ResponderExcluir
  3. Fotos pode contar fragmentos de pessoa, não exatamente a vida toda dela, mas alinharmos várias talvez montemos o que seria a pessoa...

    Hua, kkk, ha, ha, juntei a "idéia" do texto a foto, mas não dá o melhor de si para os outros, porém apenas para si que sempre seremos cobrar de sermos os melhores.

    Fique com Deus, menino Herculano.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Putz, mto bom de se ler nessa madrugada...

    Dá uma forcinha no meu novo blog de contos? www.contosfranqueados.blogspot.com
    beijos...

    ResponderExcluir
  5. Caixas, fotografias, algumas mentiras, outras tantas verdades... Mas continua tudo ali (guardado e abandonado) pra quando sentirmos saudade...

    No alvo, Herculano!!!

    Beijos...

    ResponderExcluir
  6. Considero mais complicado escrever microcontos do que contos grandes. Coloquialmente falando: cara, você é demais!
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  7. O velho baú e suas fotos presas no tempo.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. Bom senso de autocritica... A subjetividade é simples mas da larga margem a imaginação. Gostei. ^^

    http://codignolle.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Dizem os indígenas que fotos prendem a alma....
    Talvez um momento, uma impressão...
    Talvez aquela lembrança...aquela que faz parte de nós e nos atormenta...ou não !

    Bjs meus !

    ResponderExcluir
  10. gostei!
    os sorrisos nas fotografias muitas vezes fazem isso mesmo, nos dão uma tristeza...

    ResponderExcluir
  11. retratos jogados, "familia" é juntar as pequenas guerras e sempre se ajudar, belo texto.

    ResponderExcluir
  12. fotográfico,como seus poemas. lindo.

    ResponderExcluir
  13. eu sempre me desconheço nas fotografias, aflora-me outro


    abraço

    ResponderExcluir
  14. Gostei do blog; gostei dos textos... a fotografia, as vezes, revela mais que uma imagem... belo texto. Parabéns!

    ResponderExcluir
  15. __________________________________

    ...gostei demais! Admiro os escritores que tem a capacidade de dizer muito, em poucas palavras...
    Parabéns!


    Beijos de luz e o meu carinho!!!

    __________________________________

    ResponderExcluir
  16. Fotografia é a arte mais linda. Eterniza os momentos piores e melhores. Toda fotografia tem uma história, talvez maior que nossa própria história.

    ResponderExcluir
  17. Assis, eu idem: nunca sou eu a pessoa que vejo em minhas fotos. Que será isso???

    Adorei o microconto e já li todo o livro.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  18. Os fantasmas que nos perseguem talvez sirvam para a gente, eventualmente, transformá-los em historinhas de certa graça e algum interesse...
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  19. hehe..eu aqui não tenho um baú, é uma espécie de Caixa de Pandora que por vezes acho melhor deixar lá, quietinha, e bem fechada...!
    bjoss

    ResponderExcluir
  20. Sou apaixonada por fotos, na verdade sou apaixonada por caixas abandonadas no sótão, desde cartas até bilhetinhos escritos em guardanapos de papel, guardo tudo... quando fico meio perdida, abro as caixas e junto algumas partes soltas... Texto perfeito, obrigada por escrever...

    bjs e ótimo domingo

    ResponderExcluir
  21. O melhor às vezes não é tão bom quanto parece....

    ResponderExcluir
  22. Gosto muito do final do miniconto, quando a surpresa está no desdém do personagem com ele mesmo.

    ResponderExcluir
  23. Olá!
    Fácil encontrar lembranças esquecidas, dificil é tentar guardar novamente no esquecimento.

    Abraços

    ResponderExcluir
  24. As fotografias podem até desbotar, mas existem lembranças que são perenes.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  25. - Recordações, quase sempre são boas!

    :*

    ResponderExcluir
  26. Olá, belo post...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  27. andei sumido, é verdade...

    sem internet em casa tá difícil acompanhar as postagens dos blogs que gosto.

    bacana o conto.
    sinto saudades dos tempos em que eu ouvia cavalo de pau e outras maravilhas do alceu, exatamente quando vim morar aqui na terrinha do axé...
    a fonte nova deixará saudades enormes pra muita gente aí... foi lá que assisti minha primeira partida de futebol: bahia x leônico (lembra?) - só não lembro o placar, tinha uns 6/7 anos de idade e fui por influência do meu tio luciano.
    até mais...

    ResponderExcluir
  28. Acabei de baixar!
    Vou ler hoje mesmo!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Ei!
    Passando pra te ler.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  30. As melhores lembranças ficam gravadas nas fotografias guardadas no velho album.
    E com elas você viaja nos anos que se passaram...

    ResponderExcluir
  31. elogio ou não é uma declaração de amor :)

    beijo

    ResponderExcluir
  32. Fotos, lembranças e silêncio (em micro)...

    Também silencio!

    Abraços.

    ^^

    ResponderExcluir
  33. Lembranças,sempre causando...tormentos ou alegrias.Porém,imutáveis.Proviocativas.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  34. Adorei o microconto.Muito bom mesmo!!!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  35. Herculano,

    As fotos sempre guardam alguém que já não é mais.

    Gosto daqui!

    Bjs

    ResponderExcluir
  36. fotos displicentemente revelam
    o todo que herdamos sem a menor intenção.

    as histórias se repetem,
    as críticas também...
    e assim segue, meio sem vontade e querer, o reflexo que propaga a hereditariedade que quase sempre achamos esquecer.

    abraço meu.

    ResponderExcluir
  37. Vejo fitos e me sito envaidecida por ter a confirmação de que tive um passado...
    Nada não. Só um segredo compartilhado, escritor!

    Adorei o texto. (Eu, que custumo ser o pior do que quer que seja. E isso talvez me caia como um elogio. Sim senhor.)

    Beijos mágicos!
    Fabricante de Sonhos
    (Twitter: @millaborges)

    ResponderExcluir
  38. Não tente me descobrir em uma foto! Parece que tem uma outra pessoa quando dão o clique!

    Abraços!
    =D

    ResponderExcluir
  39. o que vou dizer, pra você, não deve ser novidade: velho, você escreve muito!! abraço

    ResponderExcluir
  40. Falar o que se eu já li o Mais uma Dose e adorei?!
    Ah, pois é estou ouvindo o álbum do Pavement que você me indicou, é bem legal, vou acabar colocando ele no meu blog, mesmo num sendo muito meu estilo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  41. Fotos de familia, sempre guardadas em uma caixa...às vezes nos perdemos nela, outras, nos encontramos...

    bjs

    ResponderExcluir
  42. No microconto, mais uma (macro)dose.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  43. Senti um quê de desbotado, talvez seja eu mesma já sem cor...

    Abraço, Herculano.

    ResponderExcluir
  44. Sempre cri, que nelas estão nossas historias. Perfeito.

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails