terça-feira, 31 de agosto de 2010

CAVALO DE PAU


           Minha inocência talvez tenha sido o bem mais valioso que perdi, depois que me mudei para a capital. Gradativamente, fui deixando de enxergar em mim aquele menino do interior. E por mais que eu o procure – num canto da sala, em algum canto dos olhos –, sei que jamais o reencontrarei. A inocência é irrecuperável, alguém já me disse.
           Na canção “Cavalo de Pau”, de Alceu Valença, gravada no disco homônimo de 1982, essa perda é representada pelo cavalo de brinquedo que torna-se arisco, indomável, feito o tempo ou o vento. O onirismo da letra ganha mais força com o arranjo seco, sutil, que está mais para o rock do que para os ritmos regionais tão atrelados ao nome do autor, e que perfeitamente encaixa na visceralidade final da interpretação.
           Provavelmente, buscar minha inocência seja mesmo um exercício inútil. Mas continuarei procurando.

CAVALO DE PAU
(Alceu Valença/ Dominguinhos)

De puro éter assoprava o vento
formando ondas pelo milharal
teu pelo claro boneca dourada
meu pelo escuro cavalo-de-pau.

Cavalo doido por onde trafegas
depois que eu vim parar na capital?
Me derrubaste como quem me nega
cavalo doido, cavalo-de-pau.

Cavalo doido em sonho me levas
teu nome é tempo, vento, vendaval
me derrubaste como quem me nega
cavalo doido, cavalo-de-pau.


 

38 comentários:

  1. Parodiando Raul Seixas: é preciso ser criança pra poder dançar ciranda.

    ResponderExcluir
  2. Não acredito na recuperação da inocência, mas o ato de seguir buscando a inocência perdida é inocente e quem pratica atos inocentes talvez nunca tenha perdido a inocência completamente.
    Adoro Alceu Valença, como diz um amigo meu, acho que ele nunca gravou uma música ruim.
    Bjs
    Lúcia

    ResponderExcluir
  3. Também sou uma menina do interior que veio para a capital.
    Você me fez refletir sobre essa tensão afetiva que perpassa a nossa cultura nordestina (de outras regiões também, mas ultimamente tenho refletido sobre o nordeste do Brasil, especificamente).
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. HÁ QUE SE CARREGAR AO MENOS NOS OLHOS ALGUMA CERTEZA DE INOCÊNCIA.

    ResponderExcluir
  5. É bem assim como diz o teu texto. Sabemos que é perdida, mas sonhamos com o irrecuperável. Levemente nostálgico, mas tão real...

    grande abraço

    ResponderExcluir
  6. E eu, na qualidade de "menina" do interior que segue vivendo no interior, posso dizer que nem ele é mais o mesmo, mas longe de compará-lo à inercia epiléptica das cidades grandes, a qual me desespera se/quando a sinto...

    E por que não reinventar a inocencia? Eu, pelo menos, venho tentando... mas meu institnto barroco, às vzs, me faz ir contra a maré! Rsrsrsrs...

    Bela canção, alceuziho eh show!

    ^^

    ResponderExcluir
  7. Bonito.
    Acho que ainda possuo alguma inocência.
    Não acho que ela se perca de uma vez. Mas a gente nunca tem consciência da ingenuidade que ainda possuímos até perdê-la.

    ResponderExcluir
  8. menino ,lembrei da minha infância,era a trilha sonora dos meus passeios por são Braz na casa de seu Barreto.Meu pai não tirava do toca fita da kombi azul,foi com ele q me apaixonei por Alceu,lembro q todas as casas dos q se achamvam super bacanas em Santo Amaro tinha o disco Cavalo de Pau.Boas lembraças,mas do q belos tempos inocentes !

    ResponderExcluir
  9. Herculano,
    Se a inocência não, ao menos um pedaço da infância tive de volta agora, quando ouvia muito Alceu e seus ventos e vendavais...

    Abraço menino,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia a musica...
    Muito legal mesmo.
    Ja vinha pensando no assunto esses dias, suas linhas era apenas o que faltava para eu mesmo escrever algo nesse sentido. ^^

    http://codignolle.blogspot.com/2010/08/oceano-de-mentiras-bolhas-em-extincao.html

    Abraço o/

    ResponderExcluir
  11. ainda acredito que a busca pela inocência é o próprio ato inocente.

    acostumada a ouvir outras coisas, tanto do Alceu como de Dominguinhos, essa música me foi uma boa surpresa.
    gostei como a um achado.

    ResponderExcluir
  12. Herculano,

    O próprio amadurecimento trinca a infância, por questões óbvias, as inúmeras experiências que passamos, o enfrentamento do mundo, mas na tentativa de acharmos essa inocência, sempre acabamos tocando-a, nem que seja com as pontas dos dedos ou quem sabe, com um olhar de fé.
    Adorei seu post.
    Bj

    ResponderExcluir
  13. Sabe que estou fora do interior desde a minha adolescência, já dei com a cara na parede um monte de vezes, já me estatelei em mim mesma outras tantas a ainda assim não perdi a tal da minha inocência?
    bjs.
    BF

    ResponderExcluir
  14. Não tem como ficarmos passiveis com o passar do tempo, pois com isto acabamos ficando mais sabios pelos as dores e menos esperançosos...

    Mas é possivel tentar retonar parte desta esperança infantil, desde que nunca fiquemos com medo do que a vida nos apresenta.

    Fique com Deus, menino Herculano.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  15. Acredito que só perde a inocência quem se perde de si mesmo, caso contrário, ela continua a viver em nós, talvez um pouco escondida, mas com os olhos de dentro conseguimos vê-la nitidamente. A criança que temos dentro de nós nunca morre, só que alguns esquecem dela.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Inocência nunca se perde por completo. Também adoro Alceu Valença.
    Bacana seu blog.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  17. gosto desses escritos que entrelaçam alguma forma artística.

    em outras músicas haverás de encontrar inocência que te foi. ou que se escondeu de ti.

    abraços.

    ResponderExcluir
  18. Também como interiorana que caiu na capital, acredito que fica sempre um quê de inocência,sim, que se mistura às cores da cidade, mas não se perde não.
    Beijos,

    ResponderExcluir
  19. eu acredito que a inocência se recupera sim, não como quando eramos crianças, isso só serve pras criancinhas mesmo, mas algo maduro como em forma de amizade sem interesse, abraço sem segunda intenção, ajuda voluntária sem que ninguém pessa, essas coisas...

    ResponderExcluir
  20. Herculano, esse foi o bem mais precioso que também perdi. Sobrevivo às catástrofes humanas e adultas, tentando inventar um olhar de inocência, e quase sempre saio frustrada, porque o ceticismo, é tão amargo. Esse olhar real sobre o real (?), é tão absurdamente real (?).
    Vivi em algumas capitais, engoli um mundo, e fui engolida por muitos, e em alguns mundos, revia-me ingenua, com esse olhar perdido já há muito...

    "teu nome é tempo, vento, vendaval/me derrubaste como quem me nega..."

    Esse tempo que não nos perdoa...

    ResponderExcluir
  21. O tempo passa e a lucidez nos tira boa parte da inocência, mas ainda acho que carrego muito da menina que fui um dia. Abraços.

    ResponderExcluir
  22. Há algo da criança em nós... ao menos uma parte da inocência ainda resta. A inocência de se apaixonar, po exemplo, é algo que está sempre presente. Por mais que digamos que não, sempre há uma esperança inocente rondando nossos desejos.

    Carinho no poeta!

    ResponderExcluir
  23. "tudo vale a pena se a alma não é pequena"

    beijos!

    ResponderExcluir
  24. Um dos meus últimos textos no blog foi exatamente isso. O ex sou eu, minha inocência e com ela minha alegria q agora é muito diferente. Nitidamente diferente.

    ResponderExcluir
  25. A inocência é algo mágico, mas, que tem seu tempo certo de existir. bjs

    ResponderExcluir
  26. Muito legal o seu blog. Um espaço muito bacana que com certeza vou visitar mais vezes.

    Aline Calamara
    Http://prosadejanela.blogspot.com

    ResponderExcluir
  27. lembrei da contraculura que andava por aí tocando esta canção de transformação

    ResponderExcluir
  28. Também acredito que a inocência seja irrecuperável.
    Que pena, não é mesmo? Que pena...

    ResponderExcluir
  29. A nostalgia faz um bem pra alma...
    parabéns pelo comentário à respeito da música

    ResponderExcluir
  30. Oi Herculano,

    É linda a canção do Alceu, mas eu ainda acho que a inocência pode ser reencontrada.
    Gostei de seu espaço e vou seguir, gostei também de seu comentário em uma poesia minha no Laranja Poética, possuo ainda dois blogs, gostaria que me dessa o prazer da visita, seu endereços são: http://dan-poucodetudo.blogspot.com/ e http://dan-obi-wan-vadher-dan.blogspot.com/.

    Abraços

    ResponderExcluir
  31. Pouxa que lindo, me fez ter saudades de um tempo que não volta mais... Beijos...

    ResponderExcluir
  32. Meu interior. Meu interior. Aqui jaz, em mim.
    Abraço, Herculano.

    ResponderExcluir
  33. Pavement? Juro que não me lembro muito dessa banda... Blur é legal, mas essa coisa de mixagem conta muito nos álbuns de estudio, o que nesse caso, achei que piorou.

    Abraço

    ps: Vou aproveirar a visitinha pra ouvir a música de novo, ela entra na mente fácil...

    :*

    ResponderExcluir
  34. "Cavalo doido em sonho me levas
    teu nome é tempo, vento, vendaval..."

    Acho que perder a inocência é quase inevitável quando se cresce. Perdemos boa parte da credulidade diante das coisas, tudo passa tão mais rápido e talvez, por isso, duvidemos mais daquilo que vemos e sentimos.

    Alceu é massa demais!!!

    Beijos...

    ResponderExcluir
  35. Seu Alceu e o meu se encontraram no estranhamento da cidade grande. Eu, recém-chegada ao Rio, sozinha num show em plena praia de Copacabana para ouvir Alceu e o sotaque da minha terra. Milhares de vozes cantando "A solidão é fera / Solidão devora". E por serem milhares de vozes e nenhuma cantar para mim, a solidão espessada amordaçava os versos em mim. De mim não saía palavra. Era uma sala de espelhos. Refletíamo-nos sem nos ver. Todos estávamos sós. Eu mais só dentre todos. A música falava pra mim.

    ResponderExcluir
  36. Posso está enganado, mas, inocência ao meu ver é coisa de criança.Coisa essa que perdemos quando ingressamos no mundo dos adultos.( Mundo esse de mentiras, hipocrisias e dissimulações. ) Eu entendo muito bem o que o Herculano quis dizer. Eu penso que inocência tem a ver com índole, E isso, não se perde em nenhuma cidade seja ela pequena ou grande.O que não podemos é nos perder do " menino " que há em nós. ( Como o próprio Alceu fala nos versos de Maria sente. ) Se você não tem maldade e nem preconceito para com as pessoas eu penso que você é meio inocente.E pra encerrar o assunto vamos com mais uma de Alceu. Sim vai pra toda essa gente ruim / meu desprezo e será sempre assim / já não temos nenhuma ilusão / Desprezo.

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails