quarta-feira, 7 de julho de 2010

PARA CAZUZA

Cara, um amor tranquilo é mesmo uma questão de sorte. Eu já me rendi à inquietude das bocas, das nucas e das mãos que me acolhem pelas madrugadas, de bar em bar, que nem espero mais. O amor, hoje, para mim, pode ter qualquer sabor. Os poucos trocados que trago nos bolsos não me dão nenhuma garantia, apenas prolongam a noite. Enquanto a manhã não chega, enquanto o mundo não acorda, costumo saciar minha sede com uísque e saliva. Sempre estou a fim de mais uma dose e nunca recuso remédios que me deixam alegre, principalmente para tentar escapar dessa monotonia infernal, desse tédio monocórdico. Sem dramas; você sabe que mal eu só posso causar a mim. Recentemente, reencontrei Clarice e percebi que continuo áspero e desesperançado. Até pensei em escrever novos poemas, porém só escrevo sobre aquilo que posso viver e, ultimamente, não tenho vivido minha poesia. Quem sabe, se eu te alcançasse em cheio seria possível, mas há algo escondido entre os versos que eu não consigo decifrar. Acho que a poesia acontece antes de chegar ao papel. Outro dia, lembrei de algo que você me disse sobre solidão a dois, sei que não passo de uma pessoa carente, que necessito de atenção, mas não quero ser a comida nem a migalha dormida do pão de ninguém, cansei de raspas e restos. Também, não quero ter todo amor que houver nessa vida: ter todo amor que puder nessa noite já seria suficiente.
Sem boas novas eu ainda ando por aí.


Hneto, Julho/2010

Carta baseada na canção
TODO AMOR QUE HOUVER NESSA VIDA
(Frejat/ Cazuza)

71 comentários:

  1. Vinte anos sem Cazuza e uma carta desesperançada.

    ResponderExcluir
  2. "Eu quero a sorte de um amor tranquilo
    Com sabor de fruta mordida
    Nós na batida, no embalo da rede
    Matando a sede na saliva

    Ser teu pão, ser tua comida
    Todo amor que houver nessa vida
    E algum trocado pra dar garantia

    E ser artista no nosso convívio
    Pelo inferno e céu de todo dia
    Pra poesia que a gente não vive
    Transformar o tédio em melodia

    Ser teu pão, ser tua comida
    Todo amor que houver nessa vida
    E algum veneno antimonotonia

    E se eu achar a tua fonte escondida
    Te alcanço em cheio, o mel e a ferida
    E o corpo inteiro como um furacão
    Boca, nuca, mão e a tua mente não

    Ser teu pão, ser tua comida
    Todo amor que houver nessa vida
    E algum remédio que me dê alegria".

    ResponderExcluir
  3. Nossa, acho quee estamos na mesma ciranda H. Você já se rendeu à inquietude das bocas. Eu Já me rendi a inquietude dos corpos.

    Reencontrei Clacire também por mera conhecidência.

    Todo o amor que puder, nem sei mais o que é amor, não reconheceria mais o seu cheiro e topasse comigo na rua.

    Grande abraço -conterrâneo

    ResponderExcluir
  4. Por que quase todos meus heróis morreram de sífilis, tuberculose, AIDS, overdose ou fazendo sessão de hemodiálise?

    PORQUE VIVERAM TUDO AO EXTREMO, NO LIMITE ÁSPERO DO EXAGERO, TRANSCENDENDO TUDO QUE PODE SER CONSIDERADO SEGURO E NORMAL...

    VIVA CAZUZA!!! E todo veneno anti-monotonia!!!!

    BELÍSSIMO POST!!!!

    ResponderExcluir
  5. (do lado de cá, podemos ter algunas imagens a partir da interlocução - a mesma licença que o poeta Herculano tem para elucubrar, penso termos para o nosso subjetivo, desde a sua escrita sentida – mas a que mais me salta aos olhos é o ceticismo acerbo, esse sabor agro que quase posso tocar. como se a vida estivesse dotada de um sentido fora do humano, e que viver nada mais é do que um arrastar correntes e uma espera inútil de uma promessa que jamais vai se realizar… mas o texto não perdeu sua beleza em nenhum momento, não perdeu… quiçá a vida se tenha perdido nesses labirintos noturnos e soturnos da desesperança.)

    ResponderExcluir
  6. um texto maravilhoso como a canção. é bonito e rasga.
    muito muito bom.

    ResponderExcluir
  7. Quando ele morreu, chorei feito criança.

    ResponderExcluir
  8. maravilhosa essa tua releitura! criar assim a partir de uma música é algo lindo. e foi muito bem feito por ti. uma leitura contagiante.

    grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. Sim, a poesia acontece antes de chegar ao papel. Mas, às vezes, só quando tocamos a caneta e o papel, as teclas do teclado é que a alma vomita a poesia em golfadas absurdas e dolorosas, como quando passamos mal e acreditamos que nada temos no estômago, mas vomitamos até doer a garganta. Ficou escatológico meu comentário, eu sei. Mas foi a única maneira de expressar o que muitas vezes vivo quando resolvo encarar meus pensamentos e fazê-los jorrar no papel.

    ResponderExcluir
  10. Pra mim também já seria suficiente...
    "Mentiras sinceras me interessam"

    Eiiiita insônia...

    ResponderExcluir
  11. "acho que a poesia acontece antes de chegar ao papel", para mim, esta é uma afirmação!
    O escritor pode criar personagens, enredos, mas a essência do que o impulsiona a escrever brota dentro de si; de tal modo que empresta aos personagens fictícios as próprias emoções camufladas, que para esta sociedade plástica é despercebida. Emoções e sentimentos são dragados para longe... e nós ficamos aqui a espera do despertar dos épicos guerreiros do amor! Que nutrem pela escrita, música, arte em geral a esperança de um viver "anormal". Que maravilhoso viver desformal...

    ResponderExcluir
  12. olha eu sempre vi 0 seu blog relacionado em varias lista de blogs que eu acompanho e sigo, aí o que acontece a curiosidade a cada dia cresceu e cresceu dentro de mim pois nos poetas somos bichinhos encantado com as coisas e seres muito curiosos queremos sempre saber o porque e o como estão acontecendo as coisas.

    então leio-te

    leio-te

    leio-te

    fantástico o modo que escreves, simples e com muito sentimento

    abraços caro

    abraços desse poeta menor

    ResponderExcluir
  13. VIVER DÓI,SIM!!!

    Por isso nossas palavras se derramam de nós, ou com você é diferente, meu escritor e poeta?

    Fiquei muito feliz de tê-lo agora em meu blog. Já te admirava pra caramba. Teus escritos são incríveis! Agora elevou-se em muito o nível intelectual do meu blog com a sua presença ou onipresença.

    Se me permite, colocarei o seu texto sobre CAZUZA na barra lateral do meu blog com os devidos créditos , obviamente. Aliás, se percebeu, em minha barra lateral só tem feras e fodas, como você.

    BEIJO GRANDE, MEU BAIANO QUERIDO!!!

    ResponderExcluir
  14. Que delícia esse texto. Todo amor que houver nessa vida é uma das minhas músicas preferidas do Cazuza.

    Adorei!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. "Também, não quero ter todo amor que houver nessa vida: ter todo amor que puder nessa noite já seria suficiente."

    Sabe q eu tbm?? ^^

    Ficou incrivel!

    Grande Cazuza! ;**

    ResponderExcluir
  16. 20 anos e que falta faz. Mas ainda bem que ele continua vivo, em cartas, canções e pensamentos. Muito lindo, acho que de todos os textos que eu li aqui, esse foi o que mais me encantou.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  17. Se entregar totalmente aos prazeres da vida leva, indicutivelmente a morte, ninguem consegue aguentar tudo. Ele não conseguiu.

    ótimo texto =]

    ResponderExcluir
  18. "ter todo amor que puder nessa noite já seria suficiente."

    Genial

    ResponderExcluir
  19. as musicas de cazuza serão sempe eternas e atuais

    ResponderExcluir
  20. Vim aqui retribuir a visita no meu cantinho, mas acabei por ficar lendo...descobri Cazuza na blogosfera Brasileira e fiquei apaixonada. O seu texto é fantástico...uma homenagem digna do homenageado. Seu blogue me interessou muito. Tem muita coisa de que gosto. Vou ficar seguindo.
    TERNURAS

    ResponderExcluir
  21. "Eu quero a sorte de um amor tranquilo
    Com sabor de fruta mordida
    Nós na batida, no embalo da rede
    Matando a sede na saliva

    Ser teu pão, ser tua comida
    Todo amor que houver nessa vida
    E algum trocado pra dar garantia

    E ser artista no nosso convívio
    Pelo inferno e céu de todo dia
    Pra poesia que a gente não vive
    Transformar o tédio em melodia

    Ser teu pão, ser tua comida
    Todo amor que houver nessa vida
    E algum veneno antimonotonia

    E se eu achar a tua fonte escondida
    Te alcanço em cheio, o mel e a ferida
    E o corpo inteiro como um furacão
    Boca, nuca, mão e a tua mente não

    Ser teu pão, ser tua comida
    Todo amor que houver nessa vida
    E algum remédio que me dê alegria".

    Eu gosto dessa letra na voz da Cássia Eller ...

    Gosto de poucas letras do Cazuza ... Do que mais gosto nele é sua 'expressão de vida' .. seu jeito de cantar escrachado, que inspirou a própria Cassía, por exemplo ... e, imagino, toda uma geração que estava saindo de um 'cantar certinho' ... Gosto das atitidudes que el teve em vida .. E gosto de algumas letras, em especial o bles da piedade ... No mais, ele falou de uma classe média podre, sem porém conseguir sair dela, fazer uma crítica consistente dela, submergir dela ... Apenas falou dela ...

    admiro os artistas/poetas/escritores/compositores que conseguem perceber seu meio, abstrair-se dele e perceber o todo ... não vi isso no Cazuza ...

    Mas o respeito, profundamente !

    Há tantos outros de quem gosto de mais composições, letras de músicas, poemas, livros e que, em sua vida particular, são uma 'merda', com o perdão da palavra ... O mais difícil é ser coerente entre o que se fala e o que se faz ... Mas eu aprendi a diferenciar isso de meus ídolos, ou não sobraria quase ninguém ...

    Veja o Jão Bosco, já que estamos falando em compositores brasileiros .. ele vem de classe média e faz muitas letras que falam da vida da periferia, como 'incompatibilidade de gênios' ... eu sempre o admirei ... E eis que ele resolveu apoiar o Color de Mello para presidente ... Foi quando eu comecei a separar o artista de sua obra ... A obra é uma percepção do momento, quase como uma auto-psicografia; o artista mal é responsável por aquilo ...

    Gostei de teu espaço ....

    voltarei para ler mais ...

    Hoje estou com conjuntivite ...

    beijos

    ResponderExcluir
  22. Eu sempre me pergunto até que ponto chegaria o brilho e a fama de um artista se não fosse interrompido prematuramente. E sempre me respondo que certos artistas são imensos justamente no ponto em que tiveram de parar.

    Viva Cazuza!

    ResponderExcluir
  23. Há 20 anos foi-se Cazuza.. Daqui a 20 anos ainda será lembrado o Cazuza.

    ResponderExcluir
  24. Pode colocar um PS: Edu manda beijos?

    ResponderExcluir
  25. Cazuza eterno até pra meus bisnetos, quanto mais passa o tempo cresce a admiração.

    ResponderExcluir
  26. Bela homenagem. Cazuza fez poesia, poesia mesmo.

    ResponderExcluir
  27. Ei!
    Lindo dia de quinta pra nós!
    Adoro Cazuza sempre, as vezes
    passo um dia inteiro so
    ouvindo e refletindo.
    O filme passou tão longe
    da realidade de quem ele é,
    não pq saiu dessa vida que deixou
    de ser,ainda é.
    Porem quem conheceu de perto
    sabe bem do que falo.
    Lindo post.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  28. Quem não quer a sorte de um amor tranquilo?
    Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com

    ResponderExcluir
  29. Se pudéssemos ter o melhor amor apenas na noite q se aproxima,
    Isso daria a garantia
    De q o dia de hoje
    Realmente seria bem vivido...
    SEm jamais ser a migalha
    De alguém


    Desculpe invadir assim!
    Me identifiquei de cara. rs
    Tbm componho
    E as vzs canto na noite

    Pra falar a verdade, ando numa chatice tão grande... q ganha disparado do meu generoso timbre.

    Visite meu blog!
    rs
    =)
    abç

    ResponderExcluir
  30. "Até pensei em escrever novos poemas, porém só escrevo sobre aquilo que posso viver e, ultimamente, não tenho vivido minha poesia."

    Às vezes me sinto assim...

    Adorei cada pedacinho!!!!

    bjs

    ResponderExcluir
  31. Bela carta. Ainda vivo a me questionar sobre a evasão, aparentemente precoce, de alguns daqueles que poderiam respirar meu ar sufocante, seria eu a que deveria desaparecer pela falta de coragem ou seriam eles, os ousados e extremistas, que cansaram cedo deste lado de cá?! Creio nunca descobrir...

    Ainda andamos por aqui.
    VIVA CAZUZA.

    ResponderExcluir
  32. Cazuza...me deixou saudades...
    amei a ilustração...

    "...Quem nos deu asas para andar de rastos?
    Quem nos deu olhos para ver os astros
    Sem nos dar braços para os alcançar?!..."
    Lindo né...é Florbela Espanca...
    Que flutua no meu blog...
    E espera por você...
    Beijos...
    Leca...

    ResponderExcluir
  33. Adoro cartas. Essa então... embrulha segredos.

    Beijo,

    ResponderExcluir
  34. Amei o texto! Ontem fiz um post sobre o Cazuza também...dá uma olhada.
    Virei seguidora
    Clarice (Cae)

    caefernandes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  35. Desencontros, amores recortados e um tom melancólico. Vamos nos perdendo e querendo... Morreu cazuza e fico no ar esse tom cadavérico! Talvez seja a morte que se oculta na saudade.

    ResponderExcluir
  36. Auto-excluído de um todo que não reconhece como seu, e daí a poesia que "acontece antes de chegar ao papel".

    Esta poesia por dentro da prosa e da alma!

    L.B.

    ResponderExcluir
  37. Herculano:
    Você sabe que eu gosto do que escreve, até porque o sigo há algum tempo.
    Gostei demais deste seu texto. li-o, reli-o e voltei a lê-lo e fui sempre descobrindo outras hipóteses de leitura.
    Parabéns.
    beijo

    ResponderExcluir
  38. É assim que me sinto muitas vezes, como uma poesia que morre antes de chegar ao papel. Isso foi forte e certeiro. Duas grandes inspirações: seu texto e Cazuza.

    Um grande motivo de escrever...

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  39. Muito do que senti e não conseguia expressar.
    Sempre senti afinidade com Cazuza.
    Ainda sinto.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  40. A mim também bastaria.

    Quero acreditar que a maneira como suportamos o vazio é o que determina se merecemos que ele se encha.

    Te abraço com carinho.

    ResponderExcluir
  41. A poesia acontece antes de chegar ao papel, mas é no papel que ela ganha "vida"

    Me fez lembrar de outra música do Cazuza
    "O nosso amor a gente inventa pra se distrair, e quando acaba a gente pensa que ele nunca existiu"

    ResponderExcluir
  42. Talvez, o sabor do amor esteja em dá-lo, pois a nobreza de dar é maior do que a de receber...

    Lindíssima carta, assim como a letra!
    Meus pêsames a todos nós!

    ResponderExcluir
  43. Nossa, todo amor que houver nessa vida pra você. Gostei muito.

    ResponderExcluir
  44. ' Eu quero a sorte de um amor tranquilo...'


    Ai de mim! Ai de mim..se todos os meus quereres fossem quereres possíveis...rs

    Eu diria: Eu quero a sorte de um amor escandaloso, escancarado e afetado de tanto afeto...

    Ai...como eu quero!

    beijos

    Tâmara
    @intimidade

    ResponderExcluir
  45. Cazuza nunca encontrou o tal do amor tranquilo com sabor de fruta mordida.

    ResponderExcluir
  46. narrativa hipercontundente...

    muito bom


    me siga em
    www.microcontos180.blogspot.com

    www.micropoetricidade.blogspot.com

    abs

    carlos

    ResponderExcluir
  47. oie passando e fuxicando seu blog.
    bela postage e homenagem ao cazuza.
    gostei muito do blog.
    volto sempre tah!
    te espero no meu cantinho também
    ps: te seguindo.
    bjs mil ^^)

    ResponderExcluir
  48. Cazuza faria uma música desse seu texto.

    Mudei de casa, vai me visitar.

    http://rasurassobreviventes.blogspot.com/

    BeijooO* te aguardo

    ResponderExcluir
  49. Que perfeição.
    Cazuza era um grande poeta.
    :*

    ResponderExcluir
  50. Com esse título-pergunta impossível não entrar aqui e ficar até quem sabe um dia ter coragem de verdade para tentar responder.

    ad!
    abz!
    Viva Cazuza Sempre!

    ResponderExcluir
  51. Nossa, quanto tempo sem passar aqui!
    Estou sendo engolida pela correria da vida, mas te digo:
    O que li agora, sobre cazuza, me tocou profundamente.
    Não, eu não adoro cazuza.
    Eu amo, com todas as letras: A-M-O!
    Lindo, perfeitooooooo seu texto.
    Tão seu, tão nosso...

    Todo amor que houver nessa vida..
    Mesmo eu e ele, esse sentimento pleno, não nos entendermos muito bem.
    Como diria outro amor (Caio F), e parceiro do Caju, o amor não é pro meu bico!

    Um abraço. Saudade.
    Não sumo mais daqui!

    ResponderExcluir
  52. Oi...
    Saudades de vc e de suas engenhosas criações!!!
    Apareça lá no Pensamento...Muitas novidades por lá!

    Um carinho!
    Mell

    ResponderExcluir
  53. "mas não quero ser a comida nem a migalha dormida do pão de ninguém, cansei de raspas e restos."
    P q será q cada vez mais, deparo-me com pessoas no mesmo estado lamentável q eu?? Me assusta!
    belas palavras, meu caro

    ResponderExcluir
  54. nossa
    quanta dor pode conter um coração!
    quanta pode suportar?

    ResponderExcluir
  55. Passaram 20 anos e as letras continuam cada vez mais atuais e os sentimentos mais vivos.
    Salve o poeta Cazuza!

    abraços

    ResponderExcluir
  56. Pois é, e a primeira vez sempre chega

    ResponderExcluir
  57. muito bom esse texto, ficou muito bem feito. Cazuza, grande poeta, belas musicas.

    http://caderno-de-riscos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  58. massa! bela homenagem. tô com a cópia de uma carta que ele escreveu para a atriz denise dummont que é sensacional. posto qualquer hora dessas no on the rocks.

    abs

    ResponderExcluir
  59. Olá!!
    Obrigada pela visita!!!

    O Pensamento anda carente de amigos,....por lá algumas novidades diárias a partir de ontem!!!rsrsr

    Por aqui me sinto tão solta a ler-te que não quero partir...talvez por isso sempre volto!!

    Um carinho!
    Seguimos...
    Mell

    ResponderExcluir
  60. Uau!Adorei ler isso...
    20 anos onde a morte não houve de fato relevância na confiscação de ideias...

    Post incrível...beijos!

    ResponderExcluir
  61. Me calou com isto "Acho que a poesia acontece antes de chegar ao papel"
    Grande verdade meu caro

    ResponderExcluir
  62. Todo poeta, talvez pudesse ter escrito pq "são iguais na dor", mas foi você...cortando a seda com navalha.
    *gosto muitíssimo do que escreve,
    Bjo

    ResponderExcluir
  63. Cara, vc surpreende.
    É tudo o que cabe dizer aqui.
    Ja vou seguir, é óbvio...

    ResponderExcluir
  64. Infelizmente, novos tempos de amor, se é que podemos nos dar o prazer de chamar isto de amor...

    Desculpa se fui meio agourento com o comentário.

    Fique com Deus, menino Herculano.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails