segunda-feira, 26 de julho de 2010

MEMBRO FANTASMA


Finalmente, tive alta do hospital. Segundo os médicos, a operação para a mudança de sexo foi um sucesso. Continuo com muitos inchaços e dores, a sensação não é das melhores, no entanto o alívio de ter me livrado daquele incômodo é muito maior. Os psicólogos me disseram que é natural que, ao ter algum membro amputado, tenha-se a impressão de que ele ainda exista. Mas não comigo: eu sempre mijei sentada.


Em breve: este e outros microcontos reunidos em um livro

42 comentários:

  1. Seria interessantíssimo se outras partes não desejadas de nós pudessem passar pelo mesmo procedimento e nem falo do físico, porque o externo nunca vai nos definir por completo!

    ResponderExcluir
  2. Encanta-me a tematica,ultimamente é onde me dedico mais a estudar,essa coisa de transitar pelo gênero,de ser prisioneiro do corpo biologico,negar esse destino.Tudo é plástico,tudo é mutavel,mas ficam os ranços!

    ResponderExcluir
  3. As vezes a vontade é amputar o coração!
    Interessante seu blog.
    =*

    ResponderExcluir
  4. Eu vejo esse descontentamento com o corpo humano como uma forma de insatisfação consigo mesmo... E não consigo compreender. E não me refiro à opção sexual de cada um... Uma coisa é um homem gostar de outro homem e uma mulher gostar de outra mulher, mas outra é o homem não gostar de ser homem e a mulher não gostar de ser mulher. Nesse sentido vejo que a amputação de qualquer que seja a característica determinante de gênero (física ou psicológica) é conseqüência de razões pessoais e desagrados gerados pelo conflito de pré-conceitos e padrões sociais, para mim a amputação é uma fuga do conflito, não uma solução.
    A todo esse padrão social que me refiro, já escrevi sobre ele em meu blog de poesia. Se acharem interessante o argumento, acessem: http://codignolle.blogspot.com/2010/07/nobre-sociedade.html
    O Link para home do meu blog segue abaixo:
    http://codignolle.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. A natureza humana simplesmente
    tão complexa.

    Mas (creio)
    que sentada
    ou de pé
    havia formiguinhas
    dentro do vaso.

    Cáustico e sincero.
    (hehehehehe)

    Massa!

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  6. deve ser estranha essa sensação.

    ResponderExcluir
  7. As vezes o sexo é muito além do que vemos por fora.


    bjo

    ResponderExcluir
  8. Uma forma nobre e sensata para tratar desse assunto. Vc é realmente bom, H.N.

    ResponderExcluir
  9. Acho muita atitude quem faz um procedimento desse! Mas respeito..Depois de mil anos reparei que vc só posta as segundas..kkk

    ResponderExcluir
  10. Eu acho que o homem tem todo direito de se sentir em conflito com consigo mesmo e com seu próprio corpo. Até que se prove o contrário, não escolhemos o corpo em que vamos nascer assim como escolhemos o nick do endereço de MSN que vamos usar ou a melhor foto que vamos botar no orkut =(

    A vida é a vida. Não somos obrigados a amar as condições em que somos vestidos ao vir ao mundo, não somos obrigados a aceitar qualquer coisa.

    ResponderExcluir
  11. oh pedaço de mim, deu prá sentir a fisgada com a música do Chico,


    abraço

    ResponderExcluir
  12. Olá...

    um comentarista disse que deve ser estranha essa sensação.De fato,pode não parecer normal para algumas pessoas quando observam tal coisas e julgam o ouitro,que está num posição indiscutivelmente diferente,e,portanto,falar sobre.É claro,ngm está impune disso.Mas o que quero dizer é que não se sente real estranheza qnd se é absurdamente ou não diferente de algo;qnd se é diferente,pergunta-se por os outos assim não são pois vc sempre aceita a sua normalidade ainda q esta seja julgada estranha.Honesta,mente,acho estranho,sim,alguém fazer o q foi descrito no post;o q não me faz não tentar entender...talvez não estranho,mas complicado...apens opinião.

    ResponderExcluir
  13. É uma combinação de mentiras, verdades; inventadas, porém sinceras.

    Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  14. É o que me mata na vida.
    A gente pode mijar sentado que tem algum preço.


    Um abraço

    ResponderExcluir
  15. Me parece tão esquisito que me lembra Kafka(A Metamorfose).

    A mudança exterior só surge para demonstrar uma mudança no lado de dentro.

    ResponderExcluir
  16. Às vezes é preciso amputar o interior da gente!
    O externo é a transparência do que se tem do lado de dentro!

    ResponderExcluir
  17. A vida imita a arte, já disseram. Tenho um conhecido que está fazendo um tratamento psicológico, para, se daqui há um ano continuar irredutível com o desejo de ser trans, vai amputar o membro e mudar o que de acordo com ele o deixa infeliz....

    Abraço!

    ResponderExcluir
  18. É uma ironia saudável essa sua, e nesse conto vemos um dilema: O corpo em que estamos é o corpo certo?
    Várias pessoas fazem cirurgias, plásticas, outras contornam o problema, aí está o que diferencia o humanos das máquinas vivas.

    Inté
    ps:Ah, e respondendo sua pergunta: Não faço ideia, sempre temos aquela frase pronta para perguntas inquientantes, a minha é essa.

    ResponderExcluir
  19. Tenho uma opinião quase de revolta em relação aos fatores que levam uma pessoa a alterar seu corpo.
    Escrevi sobre isso no meu blog:
    http://afterasilence.blogspot.com/2010/07/apenas-faca-porque-voce-sente.html

    Claro que também aceito críticas.

    ResponderExcluir
  20. Entendo da mensagem do seu texto que o projeto de vida de uma pessoa não pode ficar somente limitado a toda uma ingente batalha para a mera - mera?! - extirpação (ou ampliação) de um adendo.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  21. acho que eu já tinha comentado que não sou muito fã de micro contos, mas eu simplesmente adorei esse, princpalmente como ele se encerrou. realmente, às vezes os fantasmas são mais familiares que as coisas palpáveis.

    ResponderExcluir
  22. Alvaro... Eu tbm desconfio muito das influencias que levam alguem a optar por esse procedimento. Fico feliz por alguem ter a sensatez de confirmar se fara a cirurgia por si mesmo ou pela cabeça dos outros como é o caso do seu amigo.
    Depois de ler o Membro Fantasma acabei escrevendo tbm a respeito no meu blog.
    Seguindo essa mesma linha de raciocinio.
    http://codignolle.blogspot.com/2010/07/onde-esta-minha-princesa.html
    O Link para home do meu blog segue abaixo:
    http://codignolle.blogspot.com/

    Meus parabens ao H.N. Sou novo seguidor do blog, ja admiro o seu trabalho. ^^

    ResponderExcluir
  23. Adorei! Me diverti com este microconto. Láno blog O Corpo Perturbador farei uma brincadeira, um concurso sem vencedor pedindo que os e-amigos escrevam microcontos devotee. Se vc puder contribuir com a pesquisa do meu próximo espetáculo ficarei muito agradecido. http://ocorpoperturbador.blogspot.com/2010/07/microconto-devotee.html

    ResponderExcluir
  24. Aí está o segredo do miniconto: impactar.

    ResponderExcluir
  25. Um membro fantasma. É, seria legal fazer isso com algumas outras coisas.

    ResponderExcluir
  26. Ah, gostei mesmo do texto.
    Sério, às vezes eu queria poder trasnplantar meu coração, assim, não haveria mais problemas com o amor. Interessante... =D

    http://cordrosachiclete.blogspot.com

    ResponderExcluir
  27. Herculano... sem palavras...! Um grande abraço, aguardo o livro!

    ResponderExcluir
  28. morri de rir! depois me senti meio culpada, como se tivesse feito algo ilegal, mas a culpa é toda sua!
    muito bom esse texto, acredite ou não, ele é muito reflexivo!

    ResponderExcluir
  29. Interessante essa postagem.
    Legal.
    Daniel

    ResponderExcluir
  30. Olá, Herculano. Obrigado pela visita. Gostei daqui também e quero voltar mais vezes. Colocarei você na minha lista de blogs a visitar. Um abraço grande e apareça. Cleyton.

    ResponderExcluir
  31. O segredo de um conto, acredito, está no seu arremate. E nisso você mostrou ser mestre!

    ResponderExcluir
  32. O que somos esta na alma, não é representada pelo nosso corpo que no fim de tudo se torna apenas uma carcaça!

    Beijos..
    Bia

    ResponderExcluir
  33. Tem como continuar sentando para usar o vaso...
    seria quase a mesma coisa...

    ResponderExcluir
  34. Não era parte dela, era um corpo estranho em meio ao que era ela...

    Fique com Deus, menino Herculano.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  35. Olá, conheci teu blog agora, tomei a liberdade de ler vários posts e que delicia tua escrita. Adorei!

    E esse microconto... supreendente!

    bjs

    ResponderExcluir
  36. Maravilha!

    Isto é que eu chamo tratar um assunto sem frescuras.

    Tu és muito bom. És afiado que só vendo.


    beijos

    ResponderExcluir
  37. Bicho hermafrodita que sou. Hoje mijo em pé!...rs

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails