segunda-feira, 12 de julho de 2010

CURTA-METRAGEM


curta-metragem*
Herculano Neto

foi tão breve o amor
o tempo de queimar o cigarro
de pedir outra dose
de esvaziar os armários
de mudar de canal
de mudar de ideia

foi tão breve o amor


*Poema integrante do livro CINEMA (Prêmio Braskem Cultura e Arte, 2007)
Imagem: Carey Mulligan em An Education (Direção Lone Scherfig, 2009)

58 comentários:

  1. O amor como um gesto vulgar do quotidiano fugaz de um gesto.
    Tão pouco!...

    L.B.

    ResponderExcluir
  2. Acontecimentos breve deixes sempre deixam evocações que valem uma vida.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  3. belo poema. vou conferir o "cinema" em pdf. =)

    ResponderExcluir
  4. Sem cortes? Em plano-sequência?
    Perfeita sinopse de uma frequente narrativa!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Engraçado a gente falar de amor, né?
    É como falar daquilo que ninguém vai entender.

    Mas o poema é bonito.

    ResponderExcluir
  6. ''Amor''
    Parece tão breve quando passa.
    E tão longo quando estas
    vivendo-o.


    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Deve ser amor estrela cadente...
    Queria Eu que teu poema não refletisse o real, mas ele reflete. Vivemos os amores nissin miojo - amor de 05 minutos.
    Abraço Mestre!

    ResponderExcluir
  8. Poema em película. Quantas para um milésimo de desistêcia?

    ResponderExcluir
  9. "Tudo que é bom dura o suficiente para que seja inesquecível"... Inclusive o amor!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Poema tão rápido. Mas tão real! ;D
    adorei seu blog, parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Foi tão breve o amor, quanto foi este poema...
    Espero que tenha sido lindo o amor... Assim como é este poema...

    Um beijo grande!
    Tenha uma linda semana!
    Milla

    ResponderExcluir
  12. H: o Leitora está divulgando o blog do lançamento dos livros de Ângela Vilma (aeronauta, na blogosfera) e Mônica Menezes.

    Poema curto que diz muito.

    ResponderExcluir
  13. tem uns que são assim rapidinhos e são tão gostosos, talvez por isso.

    ResponderExcluir
  14. Bravo!, Herculano... belo post (Vale nota ainda a cena de Educação... filme a ser ruminado, antes de qualquer 'crítica' precipitada ou viciosa...) Um grande abraço. J. Faller.

    ResponderExcluir
  15. Há muito tempo gosto de sua poesia, desse espaço, só não tinha coragem de comentar.
    Obrigada pelo comentário-poema.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  16. Ólá!

    Não existe um tempo certo de duração para o amor mesmo esse que passou breve ainda existe na lembrança, melhor ver o amor passar do que viver eternamente de falsas esperanças.

    Lindo seu poema abraços!

    ResponderExcluir
  17. Amores fast-food?!!! um ótimo prato para seu poema; Adorei!!!!!
    Bjo

    ResponderExcluir
  18. Seríamos tão maiores se pudéssemos encarar e encarnar amores como se fossem curtas-metragens! Entraríamos em contato com tanta gente diversa. Mas não, ao contrário, nos engastamos em não amar, com a inútil finalidade de não sofrer. Somos tolos.

    beijos.

    ResponderExcluir
  19. tão breve e inesperado tal qual um furação em nossos corações.

    ResponderExcluir
  20. Belo, Herculnao, belo e reflexivo! Trazendo para o campo pessoal, uma pessoa "do século passado" como eu, uma mulher de processos e histórias, dá uma vontade enorme de fazer um tratado da pós-modernidade, diante desse amor rápido, descartável, fugaz, tão facilmente esquecível...?

    Abraço!

    ;)

    ResponderExcluir
  21. Ah estas brevidades...
    Malditos julgamentos precipitados!
    Que no meu peito, duraram o tempo de uma vida!


    Te abraço com cuidado.

    ResponderExcluir
  22. breves amores são como qualquer outro vício, chega um tempo que nem mais se sente prazer, apenas faz-se pelo hábito.

    ResponderExcluir
  23. Como aqueles amores que começam no início de fila da bilheteria e terminam nos créditos finais.

    Lindo!

    ResponderExcluir
  24. Um amor de verão...
    ...Amor de inverno...
    ...Amor de outono...
    ...e o inesquecivel amor primavera!
    Amores que vem e vão.

    ResponderExcluir
  25. Um grande prazer, conhecer o seu blog, Herculano. E este post o resume bem: textos enxutos e certeiros como um bom curta.
    Um must, a série de microcontos ilustrados pela adorável "bonequinha de luxo"!

    ResponderExcluir
  26. antes de tudo, agradeço pela visita, e pelo comentário. descobri um novo e aconhegante lugar, aqui.

    e o amor pode ser breve, pode ser uma trégua na vida.

    ResponderExcluir
  27. Ahh o amor! Na vida do poeta ele completa, na vida do humano ele sabota, e de repente tudo importa, faz sentido, mesmo sem ter!

    Abraços!
    =D

    ResponderExcluir
  28. Como dizia Renato Russo: "É só o amor, é só o amor, que conhece o que é verdade..."
    Como viver sem amar?? Meio controverso isso não?

    ResponderExcluir
  29. Amores breves, podem ser tristes pelo fato de serem rapidos, mas quem disse que coisas rapidas nao podem ser felizes e legais. E tudo tem um fim mesmo, né isso?

    bem, ameeei o texto anterior, muito bom e criativo. Você é ótimo! Beijos!

    ResponderExcluir
  30. Belo poema, Herculano. Adorei. Fiquei curiosa para conferir o livro e o filme de Lone Scherfig. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  31. foi tão breve o poema
    o tempo de ler sete linhas
    de se encantar com os versos
    de sentir inveja literária
    de encontrar as entrelinhas
    de encontrar a realidade de muitas vidas

    foi tão breve o poema

    mas valeu, eu gostei

    ResponderExcluir
  32. SEM PALAVRAS.........
    ADOREI SEU CANTINHO


    VOU VOLTAR

    ResponderExcluir
  33. Caro amigo, breve e leve, também é a vida, o resto não tem cor...Forte abraço.

    ResponderExcluir
  34. Mesmo que breve, amor é intensidade!
    Beijokas

    ResponderExcluir
  35. Tão curto o amor...tão longo o esquecimento...
    bjo

    ResponderExcluir
  36. curta vontade de ficar,
    de fumar mais um cigarro,
    de pedir mais uma dose,
    de assistir mais uma cena,
    de ficar para o amor.

    ResponderExcluir
  37. Os Amores Rápidos são os melhores!

    ResponderExcluir
  38. E de tão breve de que realmente serve???
    Um abraço!!!

    ResponderExcluir
  39. tão rápido será a mais poderosa substancia psicoativas... cautelosa por quase não ser

    ResponderExcluir
  40. Sempre acabo voltando aqui e lendo suas postagens tão lindas...

    ResponderExcluir
  41. Belas palavras. Adorei fazer uma andança em tuas palavras, o Blog é maravilhoso, aprendi muito. Obrigada pelas palavras de carinho, volte ao meu Blog sempre que desejar.
    Sou sua fã.
    Bjks,
    Sulla Mino

    ResponderExcluir
  42. Amor breve ,de fagulha em palha que rapido se consome, talvez não seja amor, seja dor..ou paixão!


    UM beijo

    Erikah

    ResponderExcluir
  43. Ah...! Um tributo à efemeridade do amor.

    ResponderExcluir
  44. O amor pode ser breve, mas não sua sensibilidade e talento.

    Isso é um alento!

    Poema maravilhoso! Ou como diria um conterrâneo seu: divino maravilhoso!!!!

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  45. Talvez tenha sido a paixão, que é intensa mas tão breve que nem se vê...

    Obrigada pela visita em meu blog. Volte sempre.

    Stéfani

    ResponderExcluir
  46. Então não foi amor, foi no máximo paixão...

    Fique com Deus, menino Herculano.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  47. Lindo o poema...tão breve, e eu ainda me vejo parada por aqui, sem ideia de sair tão cedo! Bjos, muito lindo o teu blog!

    ResponderExcluir
  48. O Amor não podia durar tempo demais para um arrependimento. Belo, Herculano, sempre forte!

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails