segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

A CASA DA PRAIA

a casa da praia
Herculano Neto

nos encontrávamos
apenas
durante os invernos

(quando era silente
a vida na beira-mar)

hoje os invernos
são restos de sóis
que esmaecem no avarandado


(poema inédito)

27 comentários:

  1. A solidão se espraia em versos melancolicos e resignados.

    ResponderExcluir
  2. A saudade nos rouba a alma, porém nos faz escrever versos sublimes.

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. praias no inverno são poéticas. melancolicamente belo.

    ResponderExcluir
  4. E no verão, a praia não era a mesma
    Precisávamos do silêncio dela
    E ela, precisava de nós dois
    (para existir)

    ResponderExcluir
  5. Herculano,
    Venho sempre ouvir-te as ondas infindas, invernos ou sóis...

    Abraço mineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  6. E as lembranças transcendem as estações, ainda que as perpetuem...

    Belo poema!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Lindo poema!

    Deu para sentir o friozinho que arde com o resto de sol do fim da tarde.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. e eu pensando que essas coisas só acontecessem no verão ._.

    beijas neto :*

    ResponderExcluir
  9. Parece que tudo dica mais escuro qndo perdemos algo!
    =*

    ResponderExcluir
  10. Praia evoca luz. Nos teus versos há a sombra que perdura na reminiscência. Mas brilha o poema. Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Eu ouvi as ondas batendo na areia da minha saudade... ah, aqueles fins de tarde...

    Beijo pra você

    ResponderExcluir
  12. Lembranças... Machucam e alegram. Difícl de entender, mas fazem parte do sentir.

    ResponderExcluir
  13. Agradecendo e retribuindo o carinho da visita, deixo registrado o prazer que minha viagem aqui pelo seu blog me seduziu ... quanta emoção, quanto sentimento, quanta criatividade e inteligência se faz fluir por um código precioso de palavras, frases e parágrafos, reforçado por pontuações e acentos que dão o tom de cada vibração expressa.
    Seguindo, linkando e voltando sempre.

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  14. Restos de sóis que aquecem qualquer inverno.

    ResponderExcluir
  15. saudade faz inverno dentro do peito.

    bonito post :)

    ResponderExcluir
  16. Toda a poesia contida na areia, no mar, nas ondas são reavivadas pela brisa gélida do inverno e os restos de sóis servem para não permitir que os corações congelem com o frio...

    Belíssimo texto! As imagens transmitidas à mente causam uma impressão fabulosa!
    Um beijo, Herculano!

    ResponderExcluir
  17. Intenso. Gostei! E que profile de responsa, hein? Valeu pela visita e parabéns pelo blog! Venha visitar a Vaca mais vezes!! Hugz!

    ResponderExcluir
  18. Restos de sóis: bela imagem. Muito bom!

    ResponderExcluir
  19. A solidão perpetua os invernos.
    A sós, os sóis esmaecem e a areia encobre o chão da varanda. Teu poema me fez ficar parada a ver imagens. Admiro você!

    ResponderExcluir
  20. Oi Neto.

    Adorei suas palavras! Muit interessante seus trabalhos. Gostei muito mesmo. Voltarei sempre aqui. Podemos te linkar lá no Eutímia?

    Um beijo

    ResponderExcluir
  21. a lembrança demorada. belo verso.


    seu blog é muito especial.


    estarei aqui.

    grande abraço.

    ResponderExcluir
  22. Caroa amigo, melancolicamente invernal,maravilha, abraço.

    ResponderExcluir
  23. Tks pela visita! Lindos versos, lindo blog. Bj! Lu

    ResponderExcluir
  24. É passando pelo inverno da vida que se pode alcançar a primevera

    ResponderExcluir

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails