quarta-feira, 1 de abril de 2009

CALYPSO E O NOBEL DA PAZ


Nunca entendi a utilidade, nem mesmo simbólica, do Prêmio Nobel da Paz. Sempre me soou excêntrico, distante, político e pouco prático – e irônico pelo fato de ser o inventor da dinamite o sueco Alfred Nobel. De acordo com as normas o prêmio deveria distinguir a pessoa ou organização que tivesse feito a maior/melhor ação pela fraternidade entre as nações, no entanto o Brasil trata a premiação como se fosse uma competição esportiva, assim como fez com a escolha do papa. Não faz muito tempo que o presidente Lula, Xuxa e Pelé desejaram conquistar o prêmio; agora o Comitê da Paz do Estado do Pará indicou o grupo Calypso “por seu relevante trabalho humanitário em prol dos carentes da região norte”. As batidas que costumo dar com minha cabeça na parede após as derrotas do Bahia devem ter causado algum dano ao meu cérebro, pois não me surpreendi nem um pouco. Deve ter sido porque sua vocalista foi eleita uma das mulheres mais sexy do país e seu parceiro um dos melhores músicos em atividade – opinião, inclusive, de Herbert Vianna. Não quero maliciosamente, e covardemente, comparar os paraenses a laureados como Nelson Mandela, Madre Teresa de Calcutá ou Martin Luther King, não seria justo. No máximo colocá-los no mesmo balaio que Al Gore, Jimmy Carter, Kofi Annan e Mikhail Gorbachev – que já tiveram seu momento de representantes da paz mundial, porém com menos molejo. Mas se a dançarina Carla Perez e o seu constrangedor (adjetivo menos desrespeitoso que encontrei) “Cinderela Baiana”, tentou a candidatura brasileira à disputa do Oscar em 1998, então não há mal algum a Joelma e Chimbinha aspirarem ao Nobel.

2 comentários:

Comente apenas se leu a postagem.
Comentários anônimos serão recusados.

Related Posts with Thumbnails